Há quem não acredite, mas é prazeroso provar dos ventos das amenidades. Não tememos perigos das viagens siderais, não precisamos dos observ...

Minha rede aeroporto

ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana saulo mendonca marques cliche frase pronta frase estereotipada esmeros gramaticais

Há quem não acredite, mas é prazeroso provar dos ventos das amenidades. Não tememos perigos das viagens siderais, não precisamos dos observatórios de trânsito espacial, dos radares, por sinal sempre deficientes e inseguros nos nossos céus. Com esses ventos, voa-se com segurança, sem riscos nem turbulências.

Assim, pode-se começar o voo. E quase sempre faço-o num álacre prazer de decolar de minha rede de balanço. Isto mesmo, de uma rede, turbinado por essa “manhosa”, ouvindo o gemer dolente da corrente do armador, quase em gemidos sussurrantes.

Ontem, fiz uma dessas viagens. E acreditem, viajei na memória com uma série de expressões conhecidas, até então perdidas e esquecidas no meu arquivo de lembranças, mas usadas ainda, como se fossem carimbos e que ficam boiando no espaço e vêm para as bocas da maioria dos viventes humanos.
ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana saulo mendonca marques cliche frase pronta frase estereotipada esmeros gramaticais
São frases como estas: “O médico passou uma bateria de exames...” “Antibiótico?! Acaba com a flora intestinal”; “Ele obteve uma vitória esmagadora” ou mesmo as benditas frases cheias de conhecidas benevolências como “Ele deixou uma grande lacuna”; “Foi uma perda irreparável.” São frases que aparecem em momentos mais inesperados, elas chegam e se jogam no instante, por extenso.

De repente, lembrei-me de um barulho que ouvi um certo dia. Quase um pânico! Meninos gritaram freneticamente. A criança havia sofrido uma queda. Correu a mãe, correu a tia, o avô e o amigo do pai. Na volta, já segurando a criança pelo braço, a mãe emitia a mais lúdica e repetida expressão: “Ave Maria!!! Criança cega a gente!”

Silenciosamente, o ritmo de minha rede me conduziu, quase por indução, a outras lembranças. Aquele motorista tranquilo, dirigindo o seu automóvel ao lado do filho. Inesperadamente, o seu carro é ultrapassado por um condutor imprudente. Mais na frente, o infrator avança o sinal vermelho. O menino faz um sinal de espanto! O pai, com voz pausada, olha para o filho e diz: “Tá vendo, ó! Quando bate quer ter razão!”

Dia desses, vi a vizinha debruçada no muro do jardim olhando pra rua. Parecia querer conversar com o mundo. A amiga que caminhava na calçada, com expressão de excessivo olhar e vencida pela curiosidade, parou e perguntou-lhe: E então, Fulana, você foi ao casamento ontem? Respondeu rapidamente e sem gaguejar: “Nossa, minha filha, nem te conto!!! Foi tudo tão bem organizado! A noiva estava linnnnnda!!!”

Depois, recordei-me do homem tímido, no entanto, um esteta no jogo das frases prontas. Sentado à mesa de um restaurante, observava atentamente outro frequentador que pediu ao garçom uma dose de uísque, gelo e um guaraná. Quando derramou um pouco o refrigerante em sua dose, rapidamente o homem ao lado o censurou dizendo:
ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana saulo mendonca marques cliche frase pronta frase estereotipada esmeros gramaticais
"Meu amigo, o escocês passou tantos anos para retirar o açúcar do uísque e você colocando refrigerante!!!

E assim vai se espalhando o prazer do dizer geral, o mesmo que abrir um arquivo qualquer na cabeça e emitir o que nele está gravado. Assim, muitos vão extraindo de dentro de si o que a criatividade deixou de lhes oferecer, para desfrutar apenas das horas prosaicas, arcaicas e do dizer fácil da placa-mãe de cada um.

No entanto, é sempre bom lembrar que mais vale uma frase estereotipada, pura em toda a sua inteireza, do que uma abarrotada de esmeros gramaticais ou construída com a mais fina criatividade. Algumas podem estar recheadas do mal que o maquiavelismo moderno expressa com tanta frequência e de forma tão comum. Além do mais, a sua consequência pode ter efeitos lancinantes. Na verdade, o que vale é a boa energia dessas afirmações, das prosas ilibadas. É a palavra substancial, essencial, simples que faz derramar no corpo a mais vigorante carga da boa química, de que todos nós precisamos para sagrar o bem comum e a alegria de viver. O espaço agora me avisa que devo concluir as palavras deste rápido balanço, exceto os balanços de minha rede. Esses continuarão constantes, misturados com o hálito das primeiras horas amanhecentes. E assim, desse jeito, sempre anunciadas através do cantar de um Sabiá, que contracena com um Bem-te-vi, aqui na praça em frente a minha casa. Ambos são regentes dos meus ponteiros que atuam feito relógios de parede que nunca atrasam e que muito me "adiantam" nesses voos que me põem sempre em alta.

E assim, o meu dia nasceu, ofertando essas amostras grátis, empáticas, inofensivas, impedindo que os neurônios morram pandêmicos pelo contágio das coisas perfurantes, essas que tanto reprimem e fisgam a alma da gente. E, sendo este espaço pequeno para continuar tal assunto, peço licença ao caríssimo leitor para encerrá-lo por aqui com uma velha e conhecida “chave de ouro.”


Saulo Mendonça é escritor, poeta e haikaista
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Paraíso, Saulo Mendonça! Leve e com uma certa dose de humor.👏👏👏

    ResponderExcluir
  2. O poeta Saulo Mendonça, nos alvítra a viajar com ele, sem bagagem de mão, apenas com o coração conduzido pela inquietude das emoções. Caminhamos sempre numa estrada literata, repleto de personagens vindo de um celeiro humano e poético.

    ResponderExcluir
  3. É isto, caro Saulo.
    Você é um privilegiado que tem o direito de assistir ao divino "papo" de um sabiá com um bem-te-vi, regendo momentos de puro deleite de manhãs radiosas.

    ResponderExcluir

leia também