Querido Miguel. Eu te saúdo, cubro de beijos e torço para que possas aguentar este avô pegajoso por muito tempo além destes teus primeiros...

Carta ao neto

literatura paraibana cronica cotidiano nostalgia cartas correios selos namoro
Querido Miguel. Eu te saúdo, cubro de beijos e torço para que possas aguentar este avô pegajoso por muito tempo além destes teus primeiros anos de idade. Até porque já nos tornamos velhos amigos: eu, que te envolvo desde que nasceste, e tu, que me tens ao lado por uma vida inteira.

O motivo desta prende-se ao desejo de te contar umas tantas coisas. Pois bem, houve um tempo em que eu e os de minha geração fazíamos amigos, trocávamos recados e notícias, namorávamos e rompíamos namoro por cartas.

literatura paraibana cronica cotidiano nostalgia cartas correios selos namoro
Funcionava assim: pegava-se papel e caneta para os escritos que, então, eram envelopados e despachados na agência dos Correios ao custo de um, ou mais selos. Depois disso, cada mensagem seguia por carro, trem, navio ou avião até seu destinatário, conforme fosse a distância que a separasse do remetente.

E ficava-se a torcer pela entrega. Não imaginas quantos poemas, crônicas e canções foram feitos com apelos ao carteiro, a fim de que não se atrasasse. Poucas vezes, como naquele tempo, a palavra “saudade” terá sido tão usada.

Por sorte, tenho conseguido atravessar os anos e, assim, te falar de velhos costumes. E me ponho a imaginar a tua adolescência e teus primeiros amores quando o Facebook, o WattsApp e a telefonia móvel, como hoje a conhecemos, forem coisas do passado. Que milagres tecnológicos o futuro te reserva?
literatura paraibana cronica cotidiano nostalgia cartas correios selos namoro
Espero, de coração, que não sejam capazes de tolher a alma e as emoções.

Mas deixa eu te contar. Foi por cartas que eu conheci uma menina da Suécia, com quem troquei fotografias e mensagens. Tenho dela, ainda, cartões de natal. A composição dos textos, num inglês ginasiano, me dava um trabalho danado.

Outras missivas (havia quem as chamava assim) ligaram-me por meses a fio a uma ou outra namoradinha. Dá para acreditar? Vovó Miriam permite, até hoje, que eu guarde, num fundinho de baú, estes restos de saudade. É, de fato, uma mulher sábia e muito segura de si. Nunca se incomodou com esparsos mergulhos no passado deste sujeito que ela mantém ao alcance das mãos, olhos e sentidos, lá se vão quase 40 anos.

Deus te dê uma mulher igual a esta. Mas foi para te falar de cartas e te mostrar como elas eram que eu desencavei essas lembranças que trato de postar, aqui e agora.

Sem mais para o momento, despeço-me com o afeto de sempre.

Frutuoso

comente
  1. Linda, singela homenagem de um avô orgulhoso para um neto querido!
    Eu sei o que é isso. Felizmente!

    ResponderExcluir

leia também