Mais louco por João Pessoa do que o saudoso Walfredo Rodríguez, impossível. Pois foi da sua boca que ouvi, na farmácia de Seu Zezé, no Rod...

A Porta d'Água

Mais louco por João Pessoa do que o saudoso Walfredo Rodríguez, impossível. Pois foi da sua boca que ouvi, na farmácia de Seu Zezé, no Rodgers, a sentença de que a vida em João Pessoa dependeria muito do que se fizesse com o Rio Jaguaribe e toda aquela faixa de mangues, pântanos, salinas e restingas que vai de Bayeux (que babaquice mudar o nome de Barreiras para Bayeux!) até Cabedelo.

Velhos moradores do bairro que papeavam na gameleira da D. Vital diziam que o Jaguaribe não dobrava nos fundos do Manaíra Shopping. Seguia em frente, cortava o retão, a pista do Aeroclube, avançava pelo Bessa e ia desaguar no atual Intermares. Aquela região toda do Bessa e Intermares, na verdade, compunha o estuário do Rio Jaguaribe. Era uma imensa restinga, espécie de esponja natural entre o mar e o mangue, área que até hoje tem sido o pesadelo dos que ali residem.

Mas, a fim de facilitar as coisas para a estrada de Cabedelo, lá se foi o Jaguaribe desaguar nos Ipês, por trás da Fazenda Boi-Só. Alguém achou de entortar o rio para ligá-lo imediatamente ao mangue, talvez já pensando na especulação imobiliária que estouraria com a força de um vulcão em Manaíra, Bessa, Intermares, Poço, Camboinha, Ponta de Mato e vizinhanças.

Tinha toda razão o velho Rodríguez. Agredido nas nascentes, em todo o seu percurso e na foz, o Jaguaribe, dreno natural de João Pessoa, se não for alvo de atenção das autoridades, tende a ser cenário de tragédia em todos os invernos rigorosos aqui na Capital, tal como o Ribeirão Arrudas em Belo Horizonte. A cada inverno, a cada ano, surgem mais complicações no Rio Jaguaribe. O colapso total está mais perto do que longe. Nossa sorte é que ultimamente não temos tido invernos com muita chuva.

A situação não é diferente na Porta d´Água. Pegando aquela região da Ilha do Bispo, Varadouro, Porto do Capim, passando por Mandacaru, Boi-Só, até Tambaú, Bessa, Intermares, havia uma região que os moradores mais antigos chamavam de Porta d´Água. Para nós do Rodgers, ela ficava ali por trás da Bica. Quer nome mais belo do que Porta d´Água? Era o nosso Everglades.

Menino do Rodgers, bairro que mudou de nome porque muitos não sabiam escrever nem pronunciar "nome de gringo", vivia no próprio Éden. Meus pagos eram o sítio do Seminário que se unia à bica, cobrindo de encantos o aristocrático Tambiá. Sonhava no alto da gameleira, contemplando o Varadouro, o Sanhauá se encontrando com o Paraíba para irem juntos desembocar no Atlântico. Cabedelo, com seu porto e suas praias ainda meio selvagens.

Para quem não sabe, o Rodgers, além de ter sido o sítio de um inglês que entendeu de fixar morada por essas bandas, é talvez o bairro mais alto da cidade. O olho da Gameleira da D. Vital (que infelizmente desabou em maio de 2000) era um mirante tão encantador quanto a torre da TV Cabo Branco ou a cobertura do edifício Dezoito Andares.

Assim era o Rodgers: em cima, um pomar. Lá embaixo, o nosso Everglades, a Porta d´Água, onde fazíamos nossas expedições exploradoras para trazer caranguejo, mangaba, caju, araçá, guajiru, seriguela, com o que – extrema ironia! – abrimos picadas para as nefastas avenidas Tancredo Neves e Ayrton Senna.

Há algum tempo dei um giro demorado, a pé, pela Porta d´Água da minha infância. Horrível. Voltei desolado, como se tivesse ido ao cemitério numa tarde de domingo. Destruição total. A visão apocalíptica sugere que os americanos andaram soltando suas superbombas também sobre a Porta d´Água.

No que era paraíso, lama podre, lixo, fumaça, aterro, asfalto. As chamadas soluções técnicas desmoralizam a civilização. O fato é que estamos construindo, numa cadeia silenciosa de ações e omissões injustificáveis, um inferno para os nossos filhos e netos. Tudo em nome do progresso. Que progresso? – diria o velho inglês Richard Rodgers, marido de Dona Francisca Romana, dando de ombros para os seus descendentes tropicais.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!
  1. Pois é, Petronio, a fé move montanhas. O dinheiro, também...

    ResponderExcluir
  2. "Vivia no próprio Éden". Lembrou-me o dia, final dos anos 80, que dei com Crispim nos bastidores do Theatro Santa Roza e lhe falei, no que comentamos as crônicas que ele fazia:"Você foi um menino feliz". "Muito". E me falou de uma infância como a tua. O que me lembra, também, a época em que saía a las cinco de la tarde en punto do expediente do Banco do Brasil, de Pombal, 1963, ia ao hotel, botava o calção de banho e corria por uma vereda, no mato, atrás do hotel, até o rio, onde mergulhava nas águas mais límpidas deste mundo, ouvindo o ronronar dos seixos se movendo no fundo. Quase sempre estava lá um garoto, filho de um dos clientes do banco: Elryzinho. Conversávamos, nadávamos, perguntei: "Tua mãe não tem medo de saber de você solto desse jeito, no anoitecer, aqui no rio?" Não tinha. Confiava no filho e no lugar em que viviam. E agora, quando vi você falar que viveu no Éden, evocou-me esta parte de minha vida, em que tive o meu...

    ResponderExcluir
  3. Caro Petrônio
    Também fui "moleque" daquelas cercanias, pois morei na Rua Duque de Caxias durante um bom tempo, que, felizmente, também foi compartido com uma vivência praieira, que embora fosse, à época, sazonal, tornou-se mais duradoura mais adiante, pois a definitiva será em outra área.
    Como praieiro, hoje residindo em Manaíra, tive e tenho longa convivência com toda aquela área e isto me permite oferecer algumas pequenas correções, que não desmerecem sua lúcida análise sobre o assunto, mas a complementa.
    Na realidade, o rio Jaguaribe sempre desaguou naquele mangue por trás do Forrock. Havia, sim, uma bifurcação na altura do estacionamento do Shoppng Manaira, que alimentava um braço que fluía até o "maceió" de Intermares.
    Esse braço do Jaguaribe, que hoje figura em diversos mapas e, até nas Cartas Náuticas, como rio Morto e serve de marco divisório entre Cabedelo e João Pessoa, foi sufocado inicialmente pela ampliação da Av. Flávio Ribeiro e mais pelo estacionamento do Shopping.
    E, de sufoco em sufoco, foi sendo aterrado por ocupações residenciais e comerciais, restando, hoje, somente, o pequeno trecho de mangue que ainda separa a praia do Jardim América, de Intermares, em situação que já começa a preocupar, dado o crescimento habitacional que ali ocorre.

    ResponderExcluir

leia também