Venero Shakespeare, por isso prefiro pensar que é seu personagem Macbeth – e não ele — que diz isto:

A vida tem sentido, claro!

terra destino gaia filosofia biosfera
Venero Shakespeare, por isso prefiro pensar que é seu personagem Macbeth – e não ele — que diz isto:

"A vida é uma história contada por um idiota, cheia de som e de fúria, que não significa nada!"
terra destino gaia filosofia biosfera
Precisamente: "Life is a tale Told by an idiot, full of sound and fury, Signifying nothing."

Endeuso Augusto dos Anjos, mas também não concordo com ele, nestes versos:
terra destino gaia filosofia biosfera


... quando, ao cabo do último milênio, A humanidade vai pesar seu gênio Encontra o mundo, que ela encheu, vazio.

Em meu romance “Relato de Prócula”, um personagem diz a outro, que tentara o suicídio “porque nada tem sentido”:

— Os pés têm finalidade? E o coração? Pulmões? O aparelho reprodutor? Os olhos? Ouvidos? Nariz? Bem, se cada parte do corpo tem lógica e objetivo claro, acreditar que o conjunto é absurdo, não é absurdo? Pra que serve o cérebro? Pra pensar? Então pensemos!

A impressão de falta de sentido da vida vem de uma visão parcial da lei da causa e efeito. Aristóteles me fascina por ver, em tudo, uma “causa eficiente” e uma “causa final”. A causa eficiente da nuvem é a evaporação. A final, a chuva. Os hormônios são a causa eficiente do ato sexual, mas a final (tendo o gozo como isca) é o bebê. Logo – se não houvesse o bebê, nada de ato sexual! Vive-se num vir-a-ser: paga-se a previdência por trinta anos para se ter direito à aposentadoria, estuda-se como louco para se alcançar um diploma, a fábrica de chocolate acelera as atividades no que a páscoa se aproxima, a de brinquedos apressa-se nos meses anteriores ao natal.

terra destino gaia filosofia biosfera
Wing
Nietzsche tinha suas contradições, mas recolho dele uma imagem de que gosto muito, do “Assim Falava Zarathustra” (Also Sprach Zaratustra)...

terra destino gaia filosofia biosfera
... a de que o homem é uma corda estirada entre o animal e o além do homem – uma corda sobre o abismo.
“Der Mensch ist ein Seil, geknüpft zwischen Thier und Übermensch, — ein Seil über einem Abgrunde”.

Isso me faz pensar no homem das cavernas de um lado, Neil Armstrong do outro. E na frase que deixou na Lua:

terra destino gaia filosofia biosfera
"É um pequeno passo para [um] homem, um salto gigante para a humanidade".
"That's one small step for a man, one giant leap for mankind.”

É quando me lembro, sempre, de que costumamos dizer “Quando o homem inventou a roda, quando o homem compôs a Nona Sinfonia, quando o homem criou o computador” etc etc. É claro que temos que incluir nisso “Quando o homem criou a arma de fogo”, “Quando o homem fez a Bomba Atômica” etc etc – o lado Mister Hyde do Doctor Jekyll, o Rei Davi que passa o carro com as rodas ferradas nos inimigos deitados, sendo o mesmo que enleva Saul com seus cantares, o Da Vinci que desenha granadas para os príncipes quando não é o Leonardo que pinta A Ceia.

terra destino gaia filosofia biosfera
Wing
E volto ao velho “O Fenômeno Humano” (Le Phénomène Humain), em que Teilhard de Chardin resume a evolução, estabelecendo que isto aqui foi, primeiro, uma geosfera, depois biosfera e vivemos a noosfera ("esfera do pensamento humano", em que a imagem que se vê no Gênesis 2:7 ganha outro sentido):

“O Senhor Deus formou, pois, o homem do barro da terra, e inspirou-lhe nas narinas um sopro de vida e o homem se tornou um ser vivente”

Hesíodo tem coisa semelhante, na mitologia grega. Escreveu que Epimeteu fez o homem do barro e o irmão – Prometeu – deu à criatura o fogo, que era exclusivo dos deuses, pelo que foi agrilhoado ao Cáucaso, que ganha, com isso, um toque de Calvário.

Ou seja: na verdade, somos, todos, nada mais, nada menos, do que “frutos”, desdobramentos da Terra. Somos a Terra... com olhos, mãos, e sua vontade enorme de... evoluir.

terra destino gaia filosofia biosfera
Wing
Embora haja outras causas, a morte, que destrói os indivíduos, é a base de toda a nossa angústia. Mas acho que Bergson joga uma luz no assunto, em “A Evolução Criadora” (L'Évolution Créatice):

“Como deixar de reconhecer que a colméia é realmente, não metaforicamente, um único organismo, do qual cada abelha é uma célula unida às outras por laços invisíveis?”
“Comment ne pas reconnaître que la ruche est réellement, et non pas métaphoriquement, un organisme unique, dont chaque Abeille est une cellule unie aux autres par d'invisibles liens?"

Que laços invisíveis? Schopenhauer conclui que o mundo é movido por uma insaciável Vontade, no que acertou, e que só tornaremos a vida tolerável se eliminarmos de nós o desejo, e errou, pois se conseguíssemos esse objetivo egoísta, não teria havido, não haveria a Evolução! Fomos programados para essa insatisfação eterna, para trabalharmos sintonizados com a Natureza, de que fazemos parte, e o mal está em não entendermos isso.
terra destino gaia filosofia biosfera
Wing
Num remotíssimo catecismo aprendi que o homem foi feito para amar e servir a Deus, uma entidade superior, de infinita bondade, acima de nós, pecadores miseráveis. Errado. Espinosa diz que “Deus sive Natura” (Deus ou Natureza, ou seja: “Deus quer dizer Natureza”), o que nega o conceito de um criador pessoal – tipo Brahma ou Jeová.

De onde vem o erro? Da necessidade milenar que se criou de uma “central de inteligência” no universo. Em “Estruturas da Natureza – Um estudo da interface entre Biologia e Engenharia”, de Augusto Carlos de Vasconcelos, há uma parte que me fascina mais que as outras: a dedicada ao reino vegetal. É fantástica a constatação de que um ser sem cérebro, como uma árvore, apresente reações tão eficientes ao meio ambiente.

“Aquilo que um engenheiro de estruturas metálicas costuma fazer para contraventar as paredes finas de colunas tubulares, a Natureza faz automaticamente à medida que a planta cresce. E o faz com grande perfeição!”

Ele documenta raízes que dão a volta em enormes obstáculos, atrás de nutrientes, ou estrangulam construções que atrapalham tal busca.

“Elas obedecem a um comando ainda não totalmente compreendido”.

É como se o enxame, a árvore, a humanidade formassem... computadores. Vejo cinco vasos de antúrios, em pontos distantes uns dos outros, na minha casa, florindo ao mesmo tempo e, no impressionante documentário “A Marcha dos Pinguins”, de Luc Jacquet, milhares de aves de smoking partindo, de repente, para uma jornada enorme pela Antártida, a pé,
terra destino gaia filosofia biosfera
Wing
enfrentando ventos terríveis, até o local ideal para o acasalamento e a reprodução. O que, nos antúrios e pinguins, diz: “Tá na hora”? Vejo minha impressão digital num vidro e me pergunto “Como se formaram estas minhas linhas datilares exclusivas, sem que se soubesse... como são as dos outros?”

James Lovelock — o Pai da Ecologia, com sua Hipótese Gaia — diz que biosfera, hidrosfera, atmosfera — e parte da crosta terrestre — compõem um complexo sistema cibernético interativo, que pode ser imaginado com um organismo ou superorganismo. E repito Leonardo quando considera la Terra come un grande vivente, que avere anima. A reflexão nos leva ao bíblico-sumério-iorubá-e-grego pó da Terra dando forma ao ser humano, exatamente quando — segundo Chardin, confome dissemos — a Geosfera se envolvia de uma Biosfera e, como parte de um programa, víamos dela surgir a Consciência, numa Noogênese, que – mediante a ocupação crescente de seu espaço pelo Homem, e o avanço das comunicações — já visível para o filósofo e paleontólogo francês no pós-guerra — caminhava para tornar o pensamento geral integrado numa única rede inteligente, que acabará por acrescentar mais uma camada à Terra: a Noosfera (a esfera da mente humana).

Os avanços tecnológicos produzidos pelas duas grandes guerras mundiais e pela Corrida Espacial mostram que o Homem agiu como que... provocado pelas duas competições. A pílula anticoncepcional surgiu exatamente quando a explosão demográfica começava a sufocar a Terra.

Pergunto: estávamos conduzindo os acontecimentos?

terra destino gaia filosofia biosfera
Wing
O Tempo avança para um objetivo que nos esforçamos por alcançar, de integridade com o Todo. Eu não o alcançarei, você não o alcançará, mas o Homem, certamente, sim. Quando? Chardin deu a esse momento o nome de Ponto Ômega.

O apóstolo das epístolas diz que vemos tudo por espelho e em enigma, depois (da morte) face a face (Coríntios 13:12: Videmus nunc per speculum et in aenigmate, tunc autem facie ad faciem), daí um Juan de la Cruz – grande poeta, mas religioso, dizer:

Vivo sin vivir en mí, y tan alta vida espero, que muero porque no muero.

Nada disso. Claro que vemos tudo por espelho e em enigma. Só que o cérebro está aí justamente para desvendá-lo.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!

leia também