Mostrando postagens com marcador Aldo Lugão. Mostrar todas as postagens

Existem as pessoas que não sabem arrumar o quarto, existem as que não organizam os horários e existem as que não conseguem engavetar, orga...

literatura paraibana aldo lugao poesia otimismo esperanca
Existem as pessoas que não sabem arrumar o quarto, existem as que não organizam os horários e existem as que não conseguem engavetar, organizar ou empilhar sentimentos.

Estes geralmente são avessos a ordens, normas e protocolos. Vagam contemplando coisas que quase ninguém vê. Enxergam uma “flor no lixo”, ou “que o fim da tarde é lilás”, ou “o avesso do avesso do avesso”.

Em tempos de clonagem, golpes virtuais e fraudes, percebo que alguma coisa está errada com meu telefone.

literatura capixaba tecnologia modernidade ingles
Em tempos de clonagem, golpes virtuais e fraudes, percebo que alguma coisa está errada com meu telefone.

Chegou com 1 quilo e 400 gramas. Mal ficou em pé e já saiu andando desengonçada pelo corredor, cheirou todos os cantos até fazer o primeir...

literatura capixaba animal domestico criar cachorro aldo lugao
Chegou com 1 quilo e 400 gramas. Mal ficou em pé e já saiu andando desengonçada pelo corredor, cheirou todos os cantos até fazer o primeiro xixi. Volumoso e amarelinho no meio da sala. Assustei com a quantidade que saiu de uma cachorra tão pequena. Minha filha e minha esposa comemoravam com aplausos e entusiasmo o xixi na sala.

Para equilibrar, já que escrevi sobre os “ pequenos sofrimentos do cotidiano ”, vai um texto sobre os pequenos prazeres do cotidiano.

literatura paraibana aldo lugao prazeres vida cotidiano
Para equilibrar, já que escrevi sobre os “pequenos sofrimentos do cotidiano”, vai um texto sobre os pequenos prazeres do cotidiano.

Eu esperava o elevador com quatro sacolas de compras em cada mão e uma delas estava segura justamente pelo “dedo mindinho”, o mais fraquin...

cronica cotidiano manias sofrimentos filas humor
Eu esperava o elevador com quatro sacolas de compras em cada mão e uma delas estava segura justamente pelo “dedo mindinho”, o mais fraquinho de todos, e começava a doer, mas o elevador já ia chegar. Será que compensa colocar no chão e perder todas as alças já devidamente organizadas nos dedos? O elevador é uma incógnita, sempre na iminência de chegar, mas nunca chega, a não ser quando colocamos as sacolas no chão, nesse caso, chega imediatamente.