Garganta fria Termômetro da garganta que ao gole frio esquenta ao trago, o copo da cerveja traz corpos em memória do subsolo da alma ...

Almas inquietas

ambiente de leitura carlos romero poesia clovis roberto solidao inquietacao embriaguez solitaria

Garganta fria


Termômetro da garganta
que ao gole frio esquenta
ao trago, o copo da cerveja
traz corpos em memória
do subsolo da alma
ao largo da mesma cama
atrativa, inquieta
na noite gélida “agostiana”

Ponteiro que despenca
cai na previsão mais desprovida
e se seca a garrafa
reabre a ferida incurada
desempoeira música guardada
assobia bebidas passadas
reencontra no vidro secura
sinuca de mesa rasgada

Temperatura intempera
que faz quadro, constrói beleza
mas endurece, congela
a composição mais sincera
e pula na noite, desafia
prende homens em casas celas
dói o beber na solitária
prisão das próprias misérias


Dependurada



Era roupa, pintura esquecida
arrouba de boi, lembrança perdida
pasto de parede, em cabide exposta
público unitário, sem olhar, sem palma

Era escolha aleatória, uma minuciosa
ou era estática, mesmo torta

E o tempo corrói horas, dias
caia-lhe do cal, folha a folha
as datas, as festas, as férias
no baú da vida passada

Revirar, qualquer coisa
era um fardo, uma náusea
mais fácil seguir sem paradas
juntando dores, punhaladas

Inútil como o armador, sem balançar
sem rede, parede cravada
um apêndice, um apenas.. nada
dependurada, fixa, sem palavra


Reconstrução olfativa


E tinha um perfume
perdido na memória
viagem sem matéria
intocável, impalpável

era o ontem hoje
instantânea volta
recorte, uma cena
reconstrução olfativa

fugaz espectro, some, dorme
dissipa na névoa
no encontro da matina
pelo sol atingida

nova identidade
recompor a figura
concretizar a volta
quase imperfeita


Clóvis Roberto é jornalista e cronista
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também