Eu tenho o meu mar, a minha chuva, a minha lua, o meu vento... Quando eu os quero por perto fecho os olhos. Eu tenho o meu próprio por do s...

Quando fecho os olhos

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa cultura literatura paraibana clovis roberto reflexao interior lembrancas de olhos fechados

Eu tenho o meu mar, a minha chuva, a minha lua, o meu vento... Quando eu os quero por perto fecho os olhos. Eu tenho o meu próprio por do sol litorâneo e seus multi tons de um quase branco ao rubro denso ou o do Sertão, quadro estampado no horizonte como se terra e céu se unissem. Sim, consigo sentir até o cheiro e perceber a cor intensa da flor mais bela largada pela estrada, em algum campo ermo, em qualquer estação onde já não passa trem, só o verão, ao fechar os olhos.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa cultura literatura paraibana clovis roberto reflexao interior lembrancas de olhos fechados
E o mesmo acontece com meu gol perfeito marcado em traves de chinelos, de varas toscas, pedras inexatas, num campinho de terra ou minado por poças d´água do inverno, feito com a bola em trajetória rôta. E idêntico ao ouvir música remota que brota do alto-falante do rádio antigo em algum prateleira de venda de interior, onde no balcão estão expostas balas e pirulitos em uma gôndola em forma de edifício giratório.

Ou o silêncio mais revelador, a poesia interna e externa, da alma e da vida, que grita, que salta, que luta, resiste, até seguir.

Trago para perto de mim o São João colorido, o Carnaval sorriso e o réveillon emotivo. São aquarelas pintadas em telas, gravadas em películas mentais. Quando as quero por perto, eu fecho os olhos. Por vezes, basta uma piscadela para que surjam e sumam em um relâmpago de um junho chuvoso ou de um verão de fevereiros.

Construo respiradouros concretos com ferramentas e parafusos imaginários. Argamassa de nuvens reboca as paredes invisíveis erguidas com tijolos de algodão doce, criações de murais coloridos em tons suaves, feitos de açúcares que adoçam infâncias. Sim, tudo isso quando fecho os olhos está ao toque da mão a brincadeira tão divertida.

Tim Doerfler
Quando eu quero, fecho os olhos e enxergo até a lágrima sincera dolorida e o abraço salvador do espírito. Posso sentir a mão e o beijo que acaricia a pele dorida. Dá para escutar a palavra marcante já dita ou até futura seja na companhia do vinho, da cerveja, com o copo cheio, a meia taça ou no cálice vazio.

Eu tenho o meu mar, a minha chuva, a minha lua, o meu vento e o meu sol... Quando eu fecho os olhos os trago até aqui. Quando os desejo em meu mundo real, as pálpebras se cerram e escuto as ondas, percebo a direção do vento e o sopro no rosto. Ouço a fala no ouvido, vejo o desenho na areia salgada. E da água doce que brota invertida dos altos tetos, é céu. Forte, mansa, constante ou passageira pinga apenas no meu corpo, molha um mundo todo. Ao nascer gigante na beirada do mar ou da terra em sua plenitude é prata e ouro noturnos.

Quando eu fecho os olhos, eu os vejo no escuro, remonto-os, reconto-os. Quando fechar os olhos, eu os levo comigo para sempre... continuarão comigo após eu fechar os olhos.


Clóvis Roberto é jornalista e cronista
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Salvas👏🏻👏🏻👏🏻Clovis Roberto...compartilho com seus justos "Sonhos/anseios"... Como é bom idealizar nossas artes.. movimentos e devaneios👊👊
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sempre bom libertar a imaginação e transformá-la em ação. Que bom que gostou do texto. Um abraço.

      Excluir

leia também