Conheci Walter Galvão aos poucos: primeiro de nome, depois por telefone e só por último pessoalmente. De nome, porque na aldeia seria imp...

Walter Galvão

literatura paraibana francisco gil messias jornalista walter galvao
Conheci Walter Galvão aos poucos: primeiro de nome, depois por telefone e só por último pessoalmente. De nome, porque na aldeia seria impossível alguém que lesse jornal não conhecê-lo, ele que não só escrevia como editava, transitando entre os diários da capital com uma competência que era toda sua. Por telefone, quando iniciei minha colaboração quinzenal no Correio da Paraíba, de que ele era então editor. Pessoalmente, já não lembro exatamente quando e onde, tendo me chamado a atenção seu físico franzino, até mesmo frágil, que tinha tudo a ver com a doçura de sua voz gentil e tímida.

Impressionou-me muito a voz de Walter ao telefone. Aquela surpreendente voz suave para mim era reveladora da qualidade da personalidade e do caráter de seu dono. Só podia ser. Era uma voz que acolhia o outro, abraçava o outro, deixando-o inteiramente à vontade, como costuma acontecer com os espíritos elevados, que se nivelam com o interlocutor, não importa quão inferior este seja. Voz de fidalgo. Walter atendeu minha hesitante ligação de colaborador desconhecido e nunca mais deixei de querer-lhe bem, mesmo que à distância, já que nunca tive a oportunidade e o privilégio de ser-lhe próximo. Certamente, tivesse tido essa honra, mais ainda admiraria sua pessoa e seus talentos.

E eram muitas suas aptidões. Todas marcadas pelo selo da boa escrita e da grande bagagem cultural. Sim, porque ele não foi apenas o poeta, o escritor e o jornalista de escol, mas também o reconhecido intelectual de vastas leituras e interesses diversos. Um verdadeiro homem plural, como já disse alguém, apesar de uno em sua inteireza admirável. Essencialmente, um homem da cultura e de cultura, na melhor expressão da palavra. Transitou com desenvoltura e habilidade pelo jornalismo, pela literatura, pela música, pelo cinema e pela gestão, em tudo deixando uma marca personalíssima de eficiência e probidade.

Poderá algum espírito de porco objetar que esses elogios todos são comuns nos necrológios. Serão mesmo? Nem sempre, creio eu. Há muito obituário econômico de louvores, exatamente porque o morto deixa a desejar, não é nenhuma Brastemp, como se diz. Mas com Walter, não, todo aplauso será pouco. E o perigo será o da repetição dos encômios, risco sempre presente nos casos de unanimidades consumadas.

Vem-me à mente e ao coração nesta hora o vazio deixado por Luiz Augusto Crispim no fatídico 6 de dezembro de 2008. Assim como Walter, deixou-nos muito cedo o cronista do Eu e outros arrecifes. Ambos tinham ainda tanto para dar. E ficamos todos privados do futuro que a eles foi negado, ambos levados pelo mesmo mal implacável, esse cego ceifador cruel.

Muitos livros saíram da lavra de Walter Galvão. Quero destacar apenas três neste momento: Silabário, 45 poses da palavra e Máximas de Marx. O primeiro, de poemas, revela-nos seu eu lírico. Dele escolhi em Eternitas: “A palavra em mim escapou/besta no cio.//Sim, rumo, voo/não sei mais quem sou//Morro enfim/para mais e mais voltar”. O segundo é uma coletânea de artigos e crônicas, em comemoração aos 45 anos de jornalismo do autor. E o terceiro é uma apresentação/reflexão dos conceitos mais importantes do marxismo, filosofia e doutrina a que Walter soube se manter fiel, sem dogmatismos e, principalmente, sem doutrinação.

Essa fidelidade de Walter ao marxismo é admirável. Na realidade, se pensarmos bem, trata-se menos de uma fidelidade a Marx que a si próprio. Permanecendo fiel ao pensamento do autor de O capital, Walter manteve-se leal a ele mesmo, já que o alemão foi parte constitutiva e indissociável de seu instrumental teórico, seu modo particular de enxergar o mundo e suas mazelas. Essa lealdade intelectual é sobretudo corajosa e mostra muito do caráter de Walter, nestes tempos posteriores à extinção da U.R.S.S., em que, pelo menos aparentemente, o marxismo tem sofrido reveses.

É um clichê afirmar que ele fará falta, mas é assim, quase sempre, que a verdade se expressa quando partem pessoas de reconhecido valor. Que seja. Na cena pública, farão falta o texto e a atuação do líder cultural. Ao telefone e presencialmente, a voz doce e distinta de um ser humano muito especial. Por isso, saudades, Walter. Desde já.

comente
  1. Ângela Bezerra de Castro12/7/21 09:38

    Gil, você falou sobre Walter, com tanta propriedade que representou a unanimidade de seus admiradores Eram tão claros os predicados que o diferenciavam, como ser humano especial, a ponto de serem percebidos nos mínimos gestos, que você realçou com perfeição.

    ResponderExcluir
  2. Sua homenagem transborda sinceridade: por isso comove até os que só conheciam Walter de vista ou de texto.

    ResponderExcluir

leia também