Nem todas as escrituras, revelações, ensinamentos, livros, bibliotecas, templos, obras de arte foram suficientes. Nem todos os mestres, Jes...

Homens de pouca fé

Germano romero ambiente de leitura Carlos romero

Nem todas as escrituras, revelações, ensinamentos, livros, bibliotecas, templos, obras de arte foram suficientes. Nem todos os mestres, Jesus, Buda, Confúcio, Moisés, Abrahão, João Batista, Aristóteles, Trismegisto, Luthero, Platão, Blavatsky, Kardec, Madre Teresa, Chico Xavier, João Paulo II, tampouco os de hoje como Divaldo Franco e Yuval Harari foram suficientes.

Nem toda a monumental obra deixada por Dante, Goethe, Victor Hugo, Shakespeare, Cervantes, Camões, Balzac, Exupéry, e tantos outros foram eficazes. Nem Rodin, Renoir, Da Vinci, Michelângelo, Vincent, Monet, nada...

De ciclos em ciclos, glórias e tragédias, dramas e espetáculos, perdas e ganhos, idas e despedidas, a existência é inexoravelmente tecida
Nem todas as sublimes melodias escritas por músicos como Bach, Beethoven, Bruckner, Mahler, Chopin e Sibelius foram bastantes...

Nem todas as “zoicas” eras que alteraram a crosta terrestre e os períodos vividos pela humanidade por milhões de anos, e nem mesmo o canto dos pássaros, o desabrochar das flores, o murmúrio das ondas, a cantiga da chuva, o balé das nuvens, das borboletas, o brilho da lua, das estrelas, a dança espiralada dos bilhões de galáxias e todos os fantásticos mistérios do mundo invisível e subatômico parecem ter sido suficientes para nos preservar a esperança.

Mesmo cientes de que a “fé inabalável é somente aquela que pode encarar a razão face a face”, como ensinou Allan Kardec, somos incapazes de entender que toda a Fonte da qual jorram e jorraram as maravilhas e turbulências já vividas tem origem na Lei que tudo rege.

De repente, um vírus que é criado pelos mesmos fenômenos biológicos da Vida e se alastra contaminando seres humanos por todo o planeta aterroriza terrivelmente a população incauta e esquecida. Esquecida do que já viveram os milhares de gerações, de seus dramas, suas guerras, suas pestes e tragédias pelas quais sucumbiram milhões de outros seres e renasceram outros tantos.

Esquecidos estamos, sim, de que a todos esses fenômenos sobrevivemos, progredimos e continuamos a evoluir, era após era, no ciclo das encarnações sucessivas e por onde o mundo se renova.

...
E que mundo! Uma minúscula partícula perdida na poeira cósmica, revestida de uma atmosfera azul, que abriga mares, rios, florestas e bichos lindos. Um mundo que, mesmo tão pequenino, se veste de estações floridas, invernosas, frutíferas e ensolaradas. Que é varrido por brisas e ventanias, acariciados por mares deslumbrantes, gelado em seus picos, caloroso em seus trópicos, e iluminado por luas de todos os tamanhos, que nascem em sintonia com as marés, o uivo dos lobos, o piar das corujas e o sibilar dos grilos noturnos. Não, meus amigos, alarguemos a visão que costuma se fechar ao imediatismo da percepção estreita.

Lembremos de que tudo passa, como já passou, repassou e renasceu. O mundo não vai acabar com coronas e covids. A vida segue seu curso como giram e brilham as galáxias e constelações. De ciclos em ciclos, glórias e tragédias, dramas e espetáculos, perdas e ganhos, idas e despedidas, a existência é inexoravelmente tecida, desde quando viemos do lodo, perambulamos pela pré-história, nos abrigamos em tocas, tribos e cavernas e despontamos à nova era. Tudo conduzido magistralmente pelas mesmas leis que fazem a Lua e o Sol girar, nascer à hora certa, no lugar certo. E assim permaneceremos, sob o céu que nos protege, nascendo, morrendo, renascendo, progredindo sempre, tal é a Lei.

“Ah homens de pouca fé”...


Germano Romero é arquiteto e bacharel em música
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Perfeito, Germano Romero. Ainda ontem eu lembrava um trecho do Conde de Monte Cristo, em que um personagem ( em 1844 ) diz que "O mundo vai de mal a pior". Cristãos e essênios, dois mil anos atrás, esperavam o fim do mundo, como Nostradamus, etc, etc, até o Roldão Mangueira, em 1980, aqui, em Campina Grande. No entanto, como dizia o Joelmir Betting a cada mau pedaço passado, "o fim do mundo mais uma vez foi adiado". O Homem é algo tão imensamente complexo e sofisticado, que não tem sentido acabar-se de uma hora pra outra, sem deixar rastro. Superou a peste negra, superou a segunda guerra mundial. Nós somos a Terra que resolveu agir num canal diferente. Fomos dotados de um cérebro que não cansa, aqui e ali, dizer a que veio. E de um polegar opositor, que nos permitiu ... plantar, pintar, digitar. Pense num planeta único que deixou de ser simplesmente uma geosfera pra se dotar de uma... biosfera, que,passo a passo - apesar de todos os pesares - está chegando a uma noosfera: hominizando-se.

    ResponderExcluir
  2. O mundo não se acaba; torna-se diferente. Acredito no enorme poder de adaptação do homem, que sobretudo “quer” viver. Esse é um imperativo instintual, que o move à continuidade.

    ResponderExcluir
  3. Gosto muito do seu estilo cosmopolita que, numa linguagem fluente e escorreita, derrama gotas de paz, fé e esperança.

    ResponderExcluir

leia também