Cidade mais velha quatro centos e um tanto agora de máscara sem viço, sem rosto vivida e sem vida agosto em desgosto

Cidade mais velha

ambiente de leitura carlos romero germano romero poesia aniversario cidade cidade joao pessoa


Cidade mais velha
quatro centos
e um tanto

agora de máscara
sem viço, sem rosto
vivida e sem vida
agosto em desgosto

velha, sem rumo
esquecida, sem prumo
do rio para o mar
ida sem volta

sem beijo, abraço
agosto sem rosto
só olho no olho
é vida sem gosto

sem boca, sorriso
tempo sem tempo
sequer um aviso

perdeu-se da vista
se esconde, se afasta
se fecha, mais velha
sem vida, nefasta


Germano Romero é arquiteto e bacharel em música
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também