Em tempos de clonagem, golpes virtuais e fraudes, percebo que alguma coisa está errada com meu telefone.

Conto ou não conto?

literatura capixaba tecnologia modernidade ingles
Em tempos de clonagem, golpes virtuais e fraudes, percebo que alguma coisa está errada com meu telefone.

Embolado em um emaranhado de senhas, logins, "ajustes", "acesso pessoal" e e-mails, me deparo com mensagens assustadoras avisando insistentemente que minha senha do celular pode ter sido clonada.

literatura capixaba tecnologia modernidade ingles
Começo a futucar o danado e me deparo com uma mensagem perguntando: I forgot? Resolvo perguntar para minha esposa que é professora de inglês.

— Su, o que é "i forgot"?

— Eu esqueci.

— Putz, ok!

Fiquei preocupadíssimo, e imaginando que seria algo muito grave. Porque, se a melhor professora de inglês que eu conheço não sabia ou tinha esquecido, só poderia ser algo complicado.

Corri para o Google e digitei “i forgot" e logo apareceu o significado: “eu esqueci”.

A ficha caiu na hora. Ignorância é uma "shit"!

Olhei para a Suzana deitada ao meu lado, lendo seu livro e fiquei pensando: conto ou não conto?...

comente
  1. Muito bom. Lembra-me a história do cara do hotel orientando o motorista a estacionar os carros dos clientes: "O Honda amarelo!" "Sim senhor!" "O Ford amarelo!" "Sim senhor!" "O celta preto!" "É, acho que vai chover".

    ResponderExcluir

leia também