A alegria, esse estado subjetivo de contentamento e satisfação, pode ser experimentada de diferentes modos, de acordo com o ânimo, as p...

A alegria

alegria plenitude felicidade
A alegria, esse estado subjetivo de contentamento e satisfação, pode ser experimentada de diferentes modos, de acordo com o ânimo, as predileções e as inclinações de cada um.

Victor Hugo, em "Os Miseráveis", destaca a alegria como uma força capaz de iluminar até mesmo os momentos mais sombrios da vida. Vinícius de Moraes, em suas poesias e letras de canções, exaltou a alegria como um ingrediente vital para uma vida plena, evidenciando-a nas pequenas alegrias cotidianas.

alegria plenitude felicidade
Hermann Hesse, em "Siddhartha", destaca o êxtase interior como o caminho para a alegria, enfatizando a busca espiritual como um meio de alcançar a felicidade. Camus, por sua vez, aborda a alegria absurda, aquela que surge mesmo em meio ao absurdo existencial, reforçando a capacidade humana de encontrar significado nas pequenas alegrias do cotidiano.

Franz Kafka, em sua narrativa expressionista, explorou a alegria como um elemento fugaz e muitas vezes contraditório, evidenciando a complexidade emocional em obras como "A Metamorfose". Milan Kundera, autor de "A Insustentável Leveza do Ser", contempla a alegria como parte intrínseca da existência humana, sempre entrelaçada com os desafios da vida. Virginia Woolf, em seu "Orlando", utiliza a prosa poética para explorar a alegria em diferentes épocas, enfatizando a sua natureza efêmera e transformadora.

No campo da psicologia, Abraham Maslow abordou o tema através da sua teoria da hierarquia das necessidades, em que a autorrealização é atingida quando o ser humano experimenta uma alegria profunda e duradoura. Mihaly Csikszentmihalyi, por sua vez, introduz o conceito de "fluxo", uma condição em que a imersão completa em uma atividade traz uma alegria profunda e autêntica. Já o filósofo Martin Seligman, precursor da psicologia positiva, ressaltou que a busca pela alegria vai além da satisfação pessoal, incluindo também o engajamento e um sentido maior na vida.

alegria plenitude felicidade
Ivana Cajina
O entendimento sobre a amplitude da alegria na experiência humana pode ser ampliado através da apreciação de algumas obras de arte.

A alegria, transbordante e efervescente, encontrou expressão nas obras de artistas que capturaram essa emoção em telas muito expressivas. "Alegria de Viver", de Henri Matisse, irradia cores vibrantes, retratando a celebração da vida com figuras dançantes e exuberantes. "A Primavera", de Botticelli, celebra o sentimento através da representação harmoniosa da natureza e das figuras mitológicas, evocando um senso de renascimento e vitalidade.

alegria plenitude felicidade
Escultura Balloon Dog Met Museum
A escultura "Balloon Dog", de Jeff Koons, procura transmitir a alegria através de formas lúdicas e coloridas. A representação de um cachorro feito de balões reflete a leveza e a efemeridade associadas à infância, evocando um sentimento alegre e festivo.

No cinema, o assunto foi abordado em diversas películas. "Amélie Poulain" dirigido por Jean-Pierre Jeunet, é uma apologia à alegria que se desenrola nas ruas de Paris. A protagonista, Amélie, encontra alegria nas pequenas ações que impactam a vida dos outros, refletindo uma visão encantadora e otimista do mundo. Em contraste, "A Vida é Bela" , de Roberto Benigni, ambientada durante a Segunda Guerra Mundial, mostra o esforço de um pai para preservar seu filho inocente do horror do Holocausto, ao tentar garimpar para ele alguma alegria em meio ao terror e à imensa crueldade à sua volta, numa narrativa que habilmente equilibra o humor e a ternura.

"Pequena Miss Sunshine", dirigido por Jonathan Dayton e Valerie Faris, aborda a alegria de forma satírica e tocante, ao narrar a jornada de uma família disfuncional em uma viagem para apoiar a filha em um concurso de beleza, revelando os conflitos e a alegria intrínseca às relações familiares, na aceitação de cada membro como ele é. "A Festa de Babette", de Karen Blixen, transposto para o cinema por Gabriel Axel, tece uma narrativa cinematográfica que celebra a alegria por meio da culinária e da comunhão.


As notas musicais também evocaram a alegria e a vivacidade através de diversas composições. "Primavera" , da obra "As Quatro Estações", de Vivaldi, é um exemplo notável. A peça barroca retrata musicalmente a estação, capturando a renovação da natureza e transmitindo uma sensação de exuberância.

A "Abertura da Gazza Ladra" , de Gioachino Rossini, com sua abordagem vivaz e brilhante, destaca-se por suas melodias animadas, que cria uma atmosfera festiva. A "Sinfonia Número 9 em Ré Menor, Op. 125" de Beethoven, conhecida como "Coral", incorpora momentos jubilosos, especialmente no famoso último movimento, que inclui a "Ode à Alegria".


Diversas festas ao redor do mundo, cada uma no contexto de suas tradições e culturas locais, igualmente celebram a alegria.

Na Índia, o Holi é uma festa que festeja a chegada da primavera. Seus participantes lançam pós coloridos uns nos outros, simbolizando a renovação e a satisfação associadas à estação. Também dentro da cultura indiana, o Festival de Diwali, também conhecido como a festa indiana das luzes, é celebrado por hindus em várias partes do mundo. Os fogos de artifício e decorações vibrantes marcam essa festa, simbolizando a vitória da luz sobre as trevas. Na Alemanha, a Oktoberfest é uma festa famosa que celebra a alegria com cerveja, música, dança e tradições bávaras. O Festival das Lanternas na Tailândia é outra celebração alegre, marcada por lanternas coloridas iluminando o céu noturno, representando a boa sorte e a alegria.

alegria plenitude felicidade
Silvia Izquierdo/
Claro, o Carnaval do Brasil, não pode deixar de ser mencionado, com seus desfiles de escolas de samba, festas de rua, fantasias extravagantes e músicas vibrantes, num frenesi que envolve danças e ritmos contagiantes.

Embora cada qual busque onde quiser motivos para se alegrar, inegavelmente, há alegrias que são mais sustentáveis do que outras.

Um velho conto andaluz dá conta de que um jovem aprendiz de sábio assumiu a difícil missão de levar contentamento às pessoas, mas, ao chegar em uma cidade triste, foi contagiado pela melancolia reinante no lugar. Prostrou-se, desanimado, num canto qualquer até escutar a voz de um grilo. Foi quando entendeu que o inseto cantava sem se preocupar com o resultado, e o seu entusiasmo não dependia de nada que viesse de fora. O grilo não ganhava nada para cantar, e, no entanto, vivia alegre, com o seu insistente canto noturno, animando a todos aqueles que caminhavam na escuridão da noite.

O jovem aprendeu, então, que a sua missão era a de mostrar que todos carregam dentro de si a própria alegria.

No mesmo espírito, Goethe dizia que "a alegria não está nas coisas, e sim em nós".

alegria plenitude felicidade
Dimitris Vetsikas
É necessário não julgar o próximo. Consciências mais amadurecidas reconhecem a importância de buscar compreender os outros, respeitando a individualidade e reconhecendo que cada pessoa está em um estágio único de evolução espiritual. Aqueles que já despertaram para esse entendimento, valorizam a compaixão, a solidariedade e a busca pelo autoaperfeiçoamento, admitindo que cada qual está num nível de percepção diferente.

Contudo, isso não significa manter as mesmas preferências e gostos, nem adotar os hábitos e costumes dos que ainda preservam ilusões que já foram superadas por aqueles que caminharam um pouco mais, libertando-se da enganosa euforia transitória que nasce de estímulos exteriores e desnecessários, e encontrando, na busca por se melhorar e ser mais útil aos outros, o verdadeiro significado da alegria.

Há quem procure se alegrar na agitação e no barulho, mas também existe quem só se satisfaça na espiritualidade, na compaixão, no amor ao próximo, na busca da justiça, na bondade, na humildade, na fé e na benevolência.

Para quem é assim, a verdadeira alegria está em viver de maneira altruística, cultivando o bem, ajudando os outros, mantendo uma conexão espiritual com Deus, buscando o auto melhoramento e a paz interior.

Tolstoi dizia que:

"a alegria de fazer o bem é a única felicidade verdadeira", com o que também concordava o teólogo alemão Karl Barth ao dizer que "a alegria é a forma mais simples de gratidão".


COMENTE, VIA FACEBOOK
COMENTE, VIA GOOGLE
  1. Gratidão pelo belíssimo texto, Prof Emerson Barros de Aguiar!

    ResponderExcluir

leia também