Pierre Bezúkhov é o conde; Andrei Bolkónski é o príncipe. Oriundos de duas famílias ricas, importantes e respeitáveis, são dois amigos com ...

O conde e o príncipe

milton marques júnior ambiente de leitura carlos romero

Pierre Bezúkhov é o conde; Andrei Bolkónski é o príncipe. Oriundos de duas famílias ricas, importantes e respeitáveis, são dois amigos com trajetórias de vida diferentes, mas que, em um determinado momento, se encontram e se afinam de maneira admirável.

Andrei, criado com o pai, nunca teve da parte do velho príncipe Nikolai Bolkónski um gesto de carinho e de compreensão. Nas duas vezes em que esteve na guerra, Andrei foi movido pelas discórdias com o pai. Duas vezes ferido – Austerlitz (1805) e Borodinó (1812) –; duas vezes herói, Andrei morre em decorrência do último ferimento, na famosa batalha que decide o rumo da malfadada campanha da Rússia, empreendida por Napoleão Bonaparte. Se em Austerlitz, depois de ferido, Andrei tem uma visão celestial, que lhe traz uma enorme tranquilidade; em Borodinó, atingido por uma granada, ele descobre que a paz vem do amor incondicional, o amor que não precisa de “para quê” ou de “por quê”, o amor pelo amor, capaz de amar seu inimigo.

Nos seus últimos momentos, sendo cuidado por Natacha Rostóva, a prometida que o decepcionara, Andrei está em plena tranquilidade e a morte já não o inquieta. Diante de si, ele só tem as visões do amor espiritual. Um pouco antes de morrer, efetua-se um desdobramento e Andrei tem a plena consciência de que Natacha e a irmã Mária estão apenas cuidando do seu corpo, pois seu espírito, embora não tenha acontecido o desligamento total, já não se encontra ali. É uma das passagens mais belas de Guerra e Paz.

Pierre, por sua vez, é uma alma sem rumo. Não foi criado pelo pai, o conde Kiril Bezúkhov, de quem era filho bastardo, mas foi amado por ele até o último momento. A contrapelo do que se curvavam como abutre sobre o moribundo conde, em disputa do seu espólio, como o decadente e alcoviteiro príncipe Vassíli, o velho conde deixa toda a sua fortuna para Pierre.

Desprezado e traído pela mulher, Pierre busca um sentido na vida, vendo essa luz na acolhida que a Maçonaria lhe dá. Entusiasma-se, quer ajudar as pessoas, melhorar a vida de seus servos, fazer novas moradias, abrir escolas, nada parece dar certo e o vazio de sua alma não encontra qualquer consolo. Acreditando-se imbuído de uma missão divina, tenta matar Napoleão, salva uma criança do incêndio de Moscou, mete-se em confusão com um soldado francês, quase é fuzilado como incendiário, é levado para a prisão. Desencantado com os homens e com a vida, Pierre encontra na prisão o soldado Platon Karatáiev, também prisioneiro, que lhe ensina, sem qualquer atitude professoral ou pretensiosa, sobre a simplicidade de viver.

O que os faz ir em busca da fé na vida e nos homens, senão a compreensão de que poderiam ter feito mais com suas vidas?
Pierre readquire a confiança no ser humano, na vida, redescobrindo o prazer das pequenas coisas, saboreando um pedaço de batata que Karatáeiv lhe oferece, ao partilhar o seu almoço com o conde, cuja identidade ele não conhece e nem está preocupado em conhecer. Para Karatáeiv, ali se encontra um ser humano, não há necessidades de títulos. São os momentos de privação de comida, de liberdade e de limpeza, que ensinam a Pierre na prisão, a partir do exemplo de Karatáeiv, demonstrando tranquilidade, aceitação e aproveitamento do que a situação oferece. Mais do que comer é preciso saborear a comida. Mais do que viver é preciso saborear a vida.

O que faz Bolkónski e Pierre mudar, senão a adversidade? O que os faz ir em busca da fé na vida e nos homens, senão a compreensão de que poderiam ter feito mais com suas vidas, quando estavam em posição de privilégio e de conforto? Muito além das doutrinas filosóficas, políticas e religiosas, Tolstói nos ensina que o mar tranquilo e de Zéfiros amenos não faz o navegador. Assim como o ferreiro se faz no trabalho da forja, no calor do fogo e do metal ao rubro, no respingo do ferro em fusão, na firme batida do martelo sobre o aço na bigorna, são os mares revoltos e os ventos tempestuosos o cadinho em que se forja a têmpera do piloto. Um aprendizado que pressupõe coragem e disposição para transformar o sofrimento em sabedoria.

Condes, príncipes e plebeus só aprenderão com a vida, quando confrontados com as dificuldades que ela nos reserva.

Aprendamos.


Milton Marques Júnior é doutor em letras, professor e escritor
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. André e Pedro giram em torno de uma das mais belas, graciosas figuras femininas da ficção: Natasha Rostov. Sem ela, Guerra e Paz seria só guerra. Natasha é perfeita,inclusive pela imprevista imperfeição.

    ResponderExcluir
  2. Isto mesmo, Solha! Transformando -se ao longo da narrativa, Natacha é, a meu ver, flutuante, mas decisiva, quando chega o momento certo

    ResponderExcluir
  3. Obrigado, meu amigo Mirabeau! As suas palavra são sempre um incentivo para mim, que tento expressar um pouco da emoção dessa grandiosa obra. Grande abraço!

    ResponderExcluir

leia também