Entro no Banco Nacional, antigo Cinema Rex, e fico aguardando o atendimento. Pouco mais, a funcionária chega sorrindo. — Uma ordem de pag...

Devaneio no banco

ambiente de leitura carlos romero cronista carlos romero devaneio no banco nolstalgia cinema antigo filme classico imaginacao criatividade cronica

Entro no Banco Nacional, antigo Cinema Rex, e fico aguardando o atendimento. Pouco mais, a funcionária chega sorrindo.

— Uma ordem de pagamento — digo.

A tarde está fria, propícia ao devaneio. Acontece que o banco não está para fantasias e sim para cálculos. Portanto, nada de andar com alma de poeta ou de cronista sentimental.

ambiente de leitura carlos romero cronista carlos romero devaneio no banco nolstalgia cinema antigo filme classico imaginacao criatividade cronica
Banco não é lugar para imaginação, para quimeras. Ali, você deve estar ligado na vida.

O caixa não tira os olhos da máquina de calcular, do carimbo, das cédulas que dançam entre os seus dedos; o escriturário tem uma maçaroca de cheques para conferir; o gerente está com dois telefones nos ouvidos e os olhos nos clientes: uns rogando empréstimos com juros a tantos por cento e outros a requerer investimentos; os vigilantes estão postados na entrada, exibindo revólveres que não têm mais tamanho; os contadores mexem nas registradoras, dividindo, multiplicando, diminuindo…

E há os computadores…

Mas o cronista não observa nada disso. O que o cronista vê no banco é o cinema. A atendente que preenche o formulário bem que poderia ser a mocinha de Tom Mix. Mas quem diacho é Tom Mix?
ambiente de leitura carlos romero cronista carlos romero devaneio no banco nolstalgia cinema antigo filme classico imaginacao criatividade cronica
É aquele cowboy, cujo revólver faria inveja aos disciplinados seguranças. Como atirava! E como tirava o sono dos bandidos!

— O senhor vai mandar em dinheiro ou cheque? – pergunta a funcionária sem tirar os olhos do formulário.

— Cadê Fred Astaire, aquele que sapateava que era uma beleza? Cadê Ginger Rogers, sua companheira? Cadê Boris Karloff, com a sua Múmia ou o seu Frankstein? Cadê Tarzan, que pulava de galho em galho, gritando selvagemente e chamado por chita? Cadê o Gordo e o Magro? Cadê Humphrey Bogart, aquele de Casablanca. Cadê a doce Ingrid Bergman?

A mocinha não sabe nada disso. São coisas do passado. Ela não vê a hora do expediente terminar para encontrar o companheiro. Os jovens vigilantes, atentos, observam o movimento dos clientes. Não imaginam que, naquele salão, já houve muitas trocas de tiros entre xerifes e bandidos.

ambiente de leitura carlos romero cronista carlos romero devaneio no banco nolstalgia cinema antigo filme classico imaginacao criatividade cronica
As filas crescem. Será que vai passar O Ébrio, de Vicente Celestino? Sei lá... Cadê Etelvino, o porteiro, para me dizer qual é a fita de hoje? Ele estava sempre por dentro das estreias. E como eu invejava Etelvino, que assistia aos filmes de graça…

— Qual o endereço do destinatário? — indaga a moça.

Continuo no sonho. Ela desconhece que todos aqueles personagens, atores e atrizes, na minha cabeça, estão com seus endereços ignorados. Só se forem chamados por edital…

Mas para que chamá-los? Iriam fazer uma confusão danada no banco. Humphrey beijaria Ingrid na frente de todos. O Gordo e o Magro iriam fazer gracinhas e atrapalhariam os caixas. Tom Mix puxaria sua arma e seria confundido com um assaltante. Fred e Ginger sapateariam em cima do balcão. E adeus investimentos, juros, correção monetária, cadernetas de poupanças, overnight, open market, ORTN etc.

ambiente de leitura carlos romero cronista carlos romero devaneio no banco nolstalgia cinema antigo filme classico imaginacao criatividade cronica
— Você conheceu Gary Cooper? Gostaria de perguntar à atenciosa recepcionista, mas me contenho.

Certamente, a jovem indagaria se era o gerente do banco de Nova Iorque. Melhor ficar calado, solfejando baixinho aquela música de Casablanca.

– O senhor vai mandar por carta ou telex?

Decididamente o cronista está com a cabeça avariada. Avariada ou virada, o que vem dar o mesmo. Mas quem manda cinema virar banco? Quem manda o menino de ontem acordar no homem de hoje?


Carlos Romero é cronista e patrono do ALCR (in memorian)
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também