Quais seriam os segredos guardados há séculos nos pavimentos e nas paredes das construções do Centro Histórico de João Pessoa? Ou mesmo no...

Gritos da história

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana clovis roberto centro historico joao pessoa holandeses na paraiba
Quais seriam os segredos guardados há séculos nos pavimentos e nas paredes das construções do Centro Histórico de João Pessoa? Ou mesmo nos paralelepípedos das ladeiras e ruas daquela região? Os amores impossíveis, os açoites implacáveis, porres sofridos, sorrisos perdidos. Cada história silenciada, testemunhadas por seres que se foram, ficaram abafadas e de alguma forma registradas em pedra e cal.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana clovis roberto centro historico joao pessoa holandeses na paraiba
A cidade se reinventa, gerações se sucedem e a história é recontada. Caminhar sob o sol forte faz esquecer que aquela região foi cenário de batalhas, mortes, resistências, rendições. Capítulos da antiga Capitania da Paraíba, criada em 1574, conquistada apenas uma década após e que se estendia até onde hoje se encontra o mais novo estado da federação, Tocantins. O espaço perdido pelo interior foi parar nos mapas das demais capitanias localizadas ao norte, como Ceará e Piauí.

Mas, voltando ao núcleo da antiga Parahyba, a história se faz presente em construções seculares, marco da tradição paraibana de resistir. Das ocupações francesas e holandesas, das injustiças da Coroa Portuguesa, até quebrar os grilhões e embarcar no sonho de fazer parte da nação brasileira.

Liberdade que viu tempos difíceis de lutas, dores. Como as agitações que culminaram na Revolução de 30 após a morte de João Pessoa. E décadas depois as incertezas e desesperanças da ditadura.

Dos tempos prósperos da agitação comercial, centro de todas as decisões dos poderes, passando à mudança de muitos endereços e pelo desaparecimento de vários prédios que, primeiro, viraram ruínas, depois caíram em pó. Aos que resistem em meio ao abandono, a esperança de tentativas de restauração e reocupação.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana clovis roberto centro historico joao pessoa holandeses na paraiba

No Centro Histórico de João Pessoa continuam os gritos e gemidos dos seus primeiros anos, que eram dados por negros e índios ao serem submetidos à escravidão ou dos brancos, como senhores dominantes, agora são silenciosos marcados pelos fantasmagóricos prédios esquecidos, ou estruturas de ilhas de preservação.

Que sejam ouvidos enquanto ainda há tempo. Para o bem da bela cidade berço, da Cidade Real de Nossa Senhora das Neves, ou Felipeia de Nossa Senhora das Neves, ou mesmo Frederikstad em poder da Holanda, da antiga Parahyba até 1930, ao se tornar João Pessoa.


Clóvis Roberto é jornalista e cronista
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Parabéns Clovis.. belo texto!! para mim foram conhecimentos novos!!
    Obrigado!!!
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado digo eu mais uma vez pela leitura e gentileza. Um abraço.

      Excluir
  2. O Ambiente de Leitura Carlos Romero e a ALCR-TV agradecem aos leitores, autores e telespectadores pela prestigiosa participação, pelo compartilhamento, comentários sempre bem-vindos e convida a todos para que continuem nos prestigiando com sua importante e honrosa presença.

    ResponderExcluir

leia também