Com aqueles olhos de forte claridade, Otávio Sitônio Pinto já havia chegado ao meu terraço com esta conversa: quem deu nome ao Brasil foi ...

Recordando

literatura paraibana gonzaga rodrigues sitonio pinto pau brasil cabo branco joao pessoa capital paraiba
Com aqueles olhos de forte claridade, Otávio Sitônio Pinto já havia chegado ao meu terraço com esta conversa: quem deu nome ao Brasil foi o pau da Paraíba. O nome brasil saiu daqui.

- Onde você viu isto, homem?

Ele não lembrou ou não quis dizer, mas aquilo ficou fermentando minha cerveja.Otávio, além de minerador de leituras é bom de intuição.

Pois não foi ele, Otávio Sitônio, quem descobriu por escrito que “aqui o sol chega primeiro.”? Beaurepaire Rohan, o autor da primeira corografia da Paraíba (1859), não despertado para essa vantagem promocional do nosso avanço geográfico em demanda do turismo. Grande benfeitor, ele não era paraibano. Amava a Paraíba como amava os brasis de suas missões mais que administrativas, educadoras.

Eu estava de cabeça baixa em qualquer leitura, numa manhã antiga de A União, quando Otávio entra espavorido, vestes de motoqueiro e olhar de quem chega encandeado. O texto vinha à mão pronto para ser aplicado numa peça de chamamento turístico: “Paraíba, onde o sol chega primeiro”. O avanço continental do Cabo Branco a apanhar o sol primeiro que qualquer outro extremo do continente.

Na prática, no terra a terra, talvez não pudesse render muita coisa, mas onde está a alma da propaganda? Nesse ilusionismo mercantilista.

Acordando diariamente a esfregar a miopia na aurora do Cabo Branco, José Américo não tinha se advertido disto. Chega Otávio, ares de Vespúcio, e me larga a descoberta no birô. Eu não era da publicidade, mas torcia por uma encaçapada dessas.

Dessa nova vez a boutade é no meu terraço. Isto há trinta anos: “ Quem deu nome ao Brasil foi o pau de tinta da Paraíba”.

- De onde você tirou essa? / - Não me lembro agora , mas existe qualquer coisa nesse sentido. É coisa de frade, pensei. Abro o Sumário das Armadas e lá reencontro a mina de Otávio. Reza o texto seiscentista : “Das outras capitanias o páo não dá mais que duas tintas (...) o páo desta capitania da Parahyba é a mercadoria mais de lei que de todas as outras, por não padecer corrupção de tempo e de água.” E fecha: “O páo desta capitania é o mais e melhor que se sabe; e por ser a derradeira deste estado deu nome a toda a província”. Ou seja, e por ser a última a aparecer aos olhos dos conquistadores e traficantes (do Rio Grande para cima era só capoeira) deu lugar a que os brasis das nossas matas fechadas, o mais e o melhor de todos, desse nome a toda a província do Brasil. Tem sentido.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!

leia também