O coração respondeu, em 1958, com batidas mais fortes ao aviso da escola primária, no Recife. Estava lá no quadro negro em letras grandes...

Acordai, João

literatura paraibana sao joao festa junina nostalgia pilar quadrilha pandemia covid frutuoso chaves
O coração respondeu, em 1958, com batidas mais fortes ao aviso da escola primária, no Recife. Estava lá no quadro negro em letras grandes de giz: “Férias a partir de 15 de junho”. Notícia melhor então não havia. E a data assinalada com antecedência de uma semana me recomendava a providência: a mudança das melhores peças de roupa do armário para a mala. Disso e de uns 20 gibis, alguns ainda não lidos.

literatura paraibana sao joao festa junina nostalgia pilar quadrilha pandemia covid frutuoso chaves
“Leve pouca coisa”, recomendava a Tia Mariinha ao filho que não pariu, porquanto posto no mundo pela irmã do meio. Mas não menos filho, a julgar pelo carinho e pelos cuidados que me dispensava.

Às vezes, ficava-me a impressão de que a guarda por ela das calças, camisas e meias que não me deixava levar à casa paterna durante as férias escolares lhe sossegava o espírito. Tinha nisso a garantia do meu regresso, penso eu. Seria a mãe perfeita de filhos que nunca teve não fosse a mania de traçar o meu futuro. Desde o momento em que me tomou para si via em mim um pastor adventista. Mal sabia a tia querida dos meus olhos compridos para as coisas deste mundo. Na minha idade isso significava cinema, gibis, futebol, praia e, já enxerido, uns tantos rabos de saias.

literatura paraibana sao joao festa junina nostalgia pilar quadrilha pandemia covid frutuoso chaves
literatura paraibana sao joao festa junina nostalgia pilar quadrilha pandemia covid frutuoso chaves
A partida, da estação de Coqueiral, subúrbio recifense, deu-se na manhã do dia 13, matando as últimas aulas do meio do ano. Viagem de cinco horas em um dos 12 ou mais vagões puxados por máquina nova, a diesel. Fosse uma Maria Fumaça ainda em uso nos trilhos da Gretueste, no dizer saboroso dos matutos de Pilar, o percurso até ali não seria coberto em menos de seis horas. Mas, em qualquer caso, com direito a vagão-restaurante. Mil recomendações antes do embarque como se eu fosse me perder no caminho, ou no percurso entre a estaçãozinha de Pilar e o afago dos meus pais e irmãos, logo depois da ponte sobre o Paraíba. Além do mais, dona Vininha, avisada por carta, dificilmente deixaria de me aguardar com outros três filhos à beira da linha.

E assim aconteceu. Minha mãe me recepcionou com abraços e beijos e meu irmão mais velho me tomou a mala, solícito e prestimoso. Não deixei de notar que ambos trocavam olhares e ares de riso. Mas apenas entendi a razão disso quando, já na rua, subi a calçada para entrar na casa da esquina do Beco do Padre, em frente à Prefeitura. Não morávamos mais ali. O velho Juca havia adquirido casa nova na rua seguinte, por trás do Mercado. Outra surpresa foi a de um bar agregado à padaria. Isso mesmo, sou filho de padeiro.

literatura paraibana sao joao festa junina nostalgia pilar quadrilha pandemia covid frutuoso chaves
Logo mais, eu acordaria com ruas embandeiradas e não dormiria sem acompanhar os últimos ensaios da quadrilha formada por casais amigos dos meus pais. As pamonhas e canjicas fumegavam, fogueiras ardiam em frente às casas e os fogos, comprados na Capital, eram acesos na véspera e dia da festa. Quanta animação. Minha alma de menino subia ao céu como um daqueles balões, na época ainda politicamente corretos.

Isso tudo me vem à mente neste São João triste do qual se ausentou, involuntariamente, meio milhão de brasileiros – cem vezes a população da pequena Pilar – abatidos pela praga que flagela o mundo inteiro. O foguetório, hoje infinitamente menor, não é capaz de acordar o Santo neste 2021 de trevas. São José, este sim, até que fez sua parte. Não houve tanta falta de chuva e há, por aqui, pés de milho com fartura de espigas. Todas, porém, de sabor bem amargo.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!

leia também