Numa das edições desta semana, A União chama a atenção para o desamparo em que encontrou as nossas itacoatiaras. Quem as cavou, cavou fundo...

A Paraíba não sabe o que tem

Numa das edições desta semana, A União chama a atenção para o desamparo em que encontrou as nossas itacoatiaras. Quem as cavou, cavou fundo, já conhecendo ou desconfiando da natureza de quem as iria receber e cuidar delas.

Estão a perigo, como sempre estiveram, ainda que a ciência que cuida desses tesouros tenha evoluído, e muito, na forma de preservá-las.

Estive lá há um quarto de século, logo depois que a pedra fora visitada por expoentes da Sociedade de Arqueologia, aqui reunida, em 1993, por iniciativa das fundações Espaço Cultural e Casa de José Américo, então dirigidas por Sales Gaudêncio e pelo antropólogo José Elias Borges.

Por conta dessas visitas, ficou com a Paraíba, em poder das instituições oficiais com interesse no nosso acervo arqueológico, uma série de instruções do professor Manuel Gonzalez Morais, catedrático de Pré-história da Universidade de Cantábria, Espanha, e especialista em conservação de arte rupestre. Clamava urgência para se proteger as itacoatiaras que mais têm provocado indagações científicas, históricas e culturais no universo desses estudos.

O professor assustou-se com o processo de ruptura das bordas superiores do monumento, “por cima da face que recolhe a maioria das gravuras”. Sua descrição: “As rupturas parecem ser consequência de descamação prévia e podem ter sido originadas por fenômenos de contração e dilatação brusca, por efeito mecânico das pisadas”. Fala em perda da rocha, com faces e degraus fissurados na base, numa porção de agentes e de causas deteriorantes, e sugere remédios específicos e medidas gerais de proteção.

Faz esse tempo todo. Não sei se as sucessivas administrações, nos seus mais diversos planos, manifestaram alguma reação a esse alarme do espanhol.

Há quase oitenta anos, segundo o velho Leon Clerot, o conjunto de gravuras seria maior se não tivesse aparecido um grupo de trabalhadores e convertido boa parte em lajes de pavimentação, talvez coisa imaginada pelo velho do Museu, como o chamavam os que o viam pastorando as “relíquias” de uma casa solitária da velha Trincheiras, com esse nome.

O que acontecia com a Pedra de Ingá quebrada para a pavimentação não foi diferente do que fizeram, nesse mesmo tempo, com as primeiras inscrições rupestres encontradas ao pé da Copaoba, descritas e desenhadas por Ambrósio Fernandes Brandão (1555-1618) em sua obra “Diálogos das Grandezas do Brasil”. Livro escrito na Paraíba nas folgas desse senhor de engenhos, cristão novo, que José Honório Rodrigues não vacila em considerar autor da “crônica mais positiva, mais viva, mais exata da vida, da sociedade, da economia dos moradores do Brasil”, no final do século XVI e começo do XVII.

Diante disso, é difícil entender por que as entidades culturais ainda não se coligaram para reunir, num livro de especialistas dedicados à pré-história, à história e às artes da Paraíba, os estudos e imagens do seu grandioso e mal avaliado patrimônio.

“Não sabe a Paraíba o que tem.” Falou assim Mário de Andrade, quando aqui esteve, em 1928, ainda que saindo de cara inchada e todo encalombado pelas gordas muriçocas do hotel em que o hospedaram, o Luso-Brasileiro, do qual nada resta lá na Praça Álvaro Machado, no Varadouro.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!
  1. As instituições culturais do Estado precisam se posicionar contra esse descaso que atenta contra o nosso patrimônio histórico

    ResponderExcluir
  2. "sem que o porte – pequeno – a iniba,
    a Pedra do Ingá,
    Paraíba,
    enrasca... tanto quanto os gigantescos desenhos andinos,
    de Nazca!" - VERSOS DE MEU LIVRO "VIDA ABERTA" .

    ResponderExcluir
  3. Como paraibano, brasileiro e ser cultural agradeço sua preocupação com esse monumento. Estive há poucos meses visitando-a depois de vários anos. Me impressionou a rapidez do seu deterioro comparando com minhas recordações. Entre outras virtudes está à beira do asfalto, quando em regra esses monumentos se encontram perdidos em selvas longínquas. Existe espaço para um turismo cultural na nossa terrinha.

    ResponderExcluir
  4. Mario de Andrade aqui buscou manifestações folclóricas, encontrou também Arte Pré Histórica.

    ResponderExcluir
  5. Sabe, caro Gonzaga.
    Sabe!
    Como sabe de sua inoperância e incompetência, fingindo que administram e zelam pelo patrimônio histórico, cultural e ambiental de nosso.
    A triste realidade é que o conforto dos gabinetes refrigerados e os títulos pomposos que conduzem a um "dolce far niente", não lhes permite exercitar verdadeiramente suas funções, desagradando alguém que talvez seja até o seu padrinho.
    Infelizmente, às instituições privadas só resta o protesto e a cobrança de atitudes, quase sempre jogadas ao léo.

    ResponderExcluir

leia também