"Desculpem, mas nem tudo precisa soar tão inteligente, espirituoso ou agradável. Às vezes, precisamos apenas ser capazes de dizer coi...

Não olhe para cima, olhe para o espelho

filme cinema nao olhe para cima critica politica opiniao
"Desculpem, mas nem tudo precisa soar tão inteligente, espirituoso ou agradável. Às vezes, precisamos apenas ser capazes de dizer coisas uns para os outros. Precisamos ouvir". A fala do personagem Dr. Mindy, em "Não olhe para cima" (Don’t Look Up), resume bem o espírito do filme da Netflix e a discussão bizantina que se seguiu ao lançamento.

Está tudo na tela: o descrédito da ciência por gente tola, a opção pela futilidade das redes sociais em detrimento das questões sérias que nos ameaçam a sobrevivência, a ganância dos que implodem a própria casa para lucrarem mais,
filme cinema nao olhe para cima critica politica opiniao
os políticos desprovidos de bom senso e seus apadrinhados incompetentes voltados apenas para os próprios umbigos, as teorias conspiratórias que dominam algumas mentes e a franca agonia dos que assistem a temas essenciais submergirem à avalanche de arrogância despejada por gente ignorante que se julga mais esperta que os outros.

"Não olhe para cima" não é uma reflexão. O diretor Adam McKay apenas colocou um espelho diante de nós. Reflete quem quiser. Alguns se dedicaram a identificar personagens do filme vivendo no seu próprio quintal e outros se perderam em análises técnicas. Estes últimos, ao que parece, esperavam uma obra de arte capaz de abalar mundos, um tratamento refinadíssimo do tema. McKay os frustrou ao escolher outro caminho: o da alegoria despretensiosa, da piada com jiló, em cores chapadas. Com isso, os fez repetir a atitude dos vilões do filme, focados em seu mundinho pomposo ou trivial enquanto o verdadeiro problema é posto em segundo plano.

A nós, meros mortais que não somos críticos de cinema mas andamos atentos à rota alucinada do mundo e não nos incomodamos em olhar a imagem feia no espelho, resta apreciar o filme e a interpretação magistral de Leonardo DiCaprio (a cena em que ele surta na emissora de TV é catártica para muitos de nós).

Não olhe para cima (2021) Netlix ▪ Div.
McKay nos tornou a todos personagens involuntários da sua trama — dentro e fora do filme. Nos debates que se seguiram, surgimos furiosos, agoniados, ignorantes, impotentes, indiferentes, entorpecidos, brincando de fazer memes na internet, batendo boca no mundo virtual e discutindo frivolidades na tela do celular enquanto algo muito precioso se acaba. Alguns poucos se perguntarão, como o personagem de DiCaprio:

"Estamos ameaçados mas não nos entendemos nem em mínimas coisas. O que fizemos? Como consertamos isso?"

Encare o espelho. O que ele mostra não precisa soar como uma obra-prima da inteligência e da técnica cinematográfica, nem demonstrar virtuosismo nas artes da espirituosidade. É que, às vezes, precisamos apenas ser capazes de dizer coisas uns para os outros. E ouvir.

Olhe para o espelho.


DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!

leia também