(Sérgio de Castro Pinto) A coruja São todo ouvidos Os teus olhos de vigília. Olhos acesos, Luzeiros De sabedoria. Olhos atentos À geografia ...

três zoo poemas


(Sérgio de Castro Pinto)

A coruja

São todo ouvidos
Os teus olhos
de vigília.

Olhos acesos,
Luzeiros
De sabedoria.

Olhos atentos
À geografia
do dentro,

és uma concha.

Um encorujado
Caramujo

Monja em voto de silêncio.

--------------------

Do leão, a juba

Sol de Pêlos
ao redor
da cabeça

a fulva juba flameja:

estrela
de primeiríssima
grandeza!

--------------------

Poeta X poema

Nem sempre o poeta
Ronda o poema
Como uma fera à presa

às vezes, fera presa e acuada
entre as grades do poema-jaula

doma-o o chicote das palavras


COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também