Abril viaja pela sua metade. Já é outono, mas o Sol castiga como se ainda fora verão, coisa típica dos trópicos. As chuvas costumam vis...

Tempestades de abril


Abril viaja pela sua metade. Já é outono, mas o Sol castiga como se ainda fora verão, coisa típica dos trópicos. As chuvas costumam visitar a região litorânea em pancadas noturnas, rápidas e fortes, enquanto a invernada já chegou desde janeiro ao Sertão para alegrias e festas dos corações, fazendo o verde ressurgir como o renascimento/ressurreição de um Domingo de Páscoa. Mas abril sempre teve das suas tempestades. 

E este em que (sobre)vivemos é um novo "Abril Despedaçado" (citando o filme do diretor Walter Salles, baseado no romance "Prilli i Thyler" do albanês Ismail Kadaré). Sem armas de fogo ou facas, mas com matança em muitos lugares, abril de um inimigo que avança perigoso, e quebra o silêncio com lágrimas e falas desconexas, que tem alguns humanos como aliados improváveis, já que também são vítimas inescapáveis. 

Eis que surge abril que se anunciava em janeiro. Como um vírus perturbador das almas inconsoláveis, até mesmo com um aviso libertador para os espíritos elevados. 

Abril tem dessas coisas. Mês de encerramentos, transições abruptas, rupturas. A história mostra isso, mesmo que tenham por esperteza "criado" um 31 de março escapar do 1 de abril, o Dia da Mentira. A vida pessoal idem, quando surge com trovoadas e raios e barra de nuvens escuras no horizonte. Em abril inacabado, quando se deixa uma "impressão" sempre é possível encontrar uma nova, mesmo que digital.

Mas se abril é de mudanças inesperadas, eis que, por tabela, é tempo de (re)aberturas. Se é término de estrada, por que não ser um reinício de jornada? Aí abril que se despedaçou terá colado mais à frente suas partes, reunidas em outro formato. Não necessariamente nesse mesmo abril, talvez em mês algum de igual nome, talvez se chame junho, outubro ou um dezembro natalino. 

Fundamental é seguir o rio, absorver a força da tempestade. E aí "the soft rain of april are over" (as leves chuvas de abril terminaram), pois que as tempestades se tornam mais leves após ir embora ou até a natureza em fúria explodir novamente. 

E assim será quando abril fechar sua passagem.

Clóvis Roberto é jornalista (João Pessoa-PB). cclovisroberto@gmail.com
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também