O Esial era um edifício de dois andares que olhava para a Praça da Bandeira de Campina Grande e que não sei se ainda está de pé. Eu descia ...

O Brasil vai, vai, vai

ambiente de leitura carlos romero gonzaga rodrigues forca do nordeste luiz gonzaga paraiba sertao rio pajeu

O Esial era um edifício de dois andares que olhava para a Praça da Bandeira de Campina Grande e que não sei se ainda está de pé. Eu descia por uma das ladeiras do Róger, e de um alto-falante que propagava um açougue do bairro apareceu-me o velho edifício. Não ali na rua, mas no meu juízo.
Diziam, em meu começo de vida, que eu não tinha o juízo certo, um aruá de estrada. Talvez tivessem razão. Eu via coisas que os grandes não viam.

ambiente de leitura carlos romero gonzaga rodrigues forca do nordeste luiz gonzaga paraiba sertao rio pajeu
No vigésimo ano do século 21, o edifício Esial removido para uma ladeira do Róger pelo Juazeiro de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, de 1950. Descobri um acostamento e parei sereno, escutando. Por que isso, a essa distância de espaço e bem mais de tempo?! Vem novamente o carro de propaganda, dessa vez com um dos hinos do Nordeste do mesmo Luiz Lua. Tudo me remetendo a um dos momentos mais duradouros desta minha passagem: o de ter ouvido, pela primeira vez, o tom, a voz e o arrastão da sinfonia de Luiz Gonzaga, arrastada da sacada do Esial de Campina. Ainda não era a “Asa Branca”, mas a junção da voz de Luiz com a da sanfona a ponto de não se poder distinguir uma da outra.

“Vai, boiadeiro, que a noite já vem...” Os acordes gerando muito mais que um canto, muito mais que um poema – o tom de um povo, um pôr de sol dentro de nós. Não era a dor do amor que se havia perdido, era a voz da terra, o duelo trágico dos centauros euclidianos transpostos do ar fumegante, dos caminhos traiçoeiros, dos cactos entrançados, das mordidas de cobra e das orações fortes – como reza Alcides Carneiro - para o timbre de voz de uma nação dentro da outra.

ambiente de leitura carlos romero gonzaga rodrigues forca do nordeste luiz gonzaga paraiba sertao rio pajeu

O rio Pajeú vai bater no São Francisco e o rio São Francisco vai bater no meio do mar. Luiz Lua, como no êxodo de Moisés, fazendo esse redemoinho de águas e de mundos. O fole se apodera de forças míticas para estancar a carreira do rio e mandar o Brasil ir, o Nordeste ir, o Brasil do São Francisco, o Brasil do Nordeste”

“O Brasil vai, vai, vai...”

ambiente de leitura carlos romero gonzaga rodrigues forca do nordeste luiz gonzaga paraiba sertao rio pajeu
O dicionário diz que o acordeon “é muito utilizado na música popular, mas não encontrou lugar na execução da música clássica”. Nos dedos afro-brasileiros de Luiz é cantochão, é elevação do homem nordestino a tudo que a realidade lhe tem negado.

Reunido a essa voz de Exu, é o apertar-da-hora de todo o Nordeste, dos picos mal-assombrados das Sete Cidades às planícies de xique-xique do sertão baiano. Nordeste de nove bandeiras distintas numa só voz comovedora. Uma voz de nação, de povo.


Gonzaga Rodrigues é escritor e membro da APL
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também