Houve um tempo na A União em que só se falava em Costeira . Poucos sabiam quem era o diretor ou gerente que, com raras exceções, se entroni...

O incansável Manoel Costeira

ambiente de leitura carlos romero gonzaga rodrigues manoel costeira redacao jornal a uniao dedicacao ao trabalho

Houve um tempo na A União em que só se falava em Costeira. Poucos sabiam quem era o diretor ou gerente que, com raras exceções, se entronizavam em seus gabinetes. Costeira era o nome que o povo sabia, o nome a pronto e a hora para os gráficos, os revisores, redatores e mais funcionários; o nome a quem as mães de Jaguaribe e da Torre pediam para os filhos, a quem o governador ou os secretários chamavam nas urgências, a quem a torcida do antigo Esporte Clube União gritava por gol ou por bons jogadores.

Era uma lançadeira de atendimentos. Atendia o telefone para ir buscar o decreto de última hora, suspendia o almoço no birô de trabalho para mandar parar o Diário Oficial que trocara os nomeados, corria a Recife para trazer o papel ou o chumbo que faltavam, subia e descia a escadinha inglesa desde a zero hora da segunda até zero hora do domingo, quando dormia e só acordava para o jogo do "União".
ambiente de leitura carlos romero gonzaga rodrigues manoel costeira redacao jornal a uniao dedicacao ao trabalho
Jogo no qual os onze eram ele, fazendo da arquibancada o que todo o time não conseguia em campo.

Sentava nas mesas de bar, chegava mesmo a pagar a conta, e não bebia. Era capaz de descer à rua, correr ao fiteiro, levar a carteira de cigarro que faltava para desempenar a redação, e nunca pôs um cigarro no bico. A família era quem ia vê-lo na A União, ele não tinha tempo.

Quando entrei no jornal ele era revisor, um dos Chefes da Revisão. Coordenou o teste de três ou quatro meses a que fomos submetidos, trabalhando todas as noites, eu, José Barbosa de Souza Lima, Oswaldo Duda Ferreira, Carlos Augusto de Carvalho, Marcílio Coutinho, Juarez Morais e alguns outros. Falava direto com o diretor, o Dr. Juarez Batista, o que era um grande privilégio. Começamos a conhecê-lo nessas madrugadas de leitura alta movida a goles de leite e pão seco, aprendendo que trabalho não mata e, se for feito com amor, também não cansa.

Nunca o Estado pôde tirar tanto de uma pessoa. Tirou-lhe as noites, as horas da família, as ambições pelo patrimônio particular, pela boa casa, o bom automóvel o duplo financiamento do Ipep, essas coisas tão comuns hoje aos altos e bons funcionários. Não teve tempo, sequer, de arranjar um bom ordenado, uma vaga de agente fiscal, um salário que pudesse abrir os olhos austeros e honestos do governo do PMDB, um partido que, desde as suas nascentes (o velho PSD) tem se caracterizado pela ojeriza ao empreguismo, ao apadrinhamento, às sinecuras... A comissão de acumulação não vai encontrar dupla matrícula de Manoel Costeira; o Dr. Nuto não teve a menor dificuldade em pagar-lhe a aposentadoria e menos ainda em pagar, a partir deste mês de maio triste, a pensão da viúva.

Há mais de vinte anos, na mudança de Pedro Gondim para João Agripino, Costeira já tinha recebido o prêmio pela sua dedicação, pela alma que ele emprestou ao velho edifício de A UNIÃO. Tiraram-lhe das funções a pretexto de não ser técnico, de não ter curso, e de se meter com tudo, desde a produção do jornal, do boletim, do decreto, do livro, à produção do bom nome do Estado, que exportava seus livros, seu "Correio das Artes", impressos no rojão de Costeira, a todas as praças culturais da Região. O nome era do governo, de Pedro, da Paraíba, mas a força era de Costeira, que esta semana subiu ao céu, ou melhor, ao edifício centenário que Ernani Sátyro derrubou mas que ficou como morada fantástica dos que merecem ser lembrados para sempre.


Gonzaga Rodrigues é escritor e membro da APL

Crônica originalmente publicada no jornal A União, em 10 de maio de 1991, escrita em homenagem a Manoel Costeira, gerente do centenário periódico paraibano durante o governo de Pedro Gondim, 3 dias após o seu falecimento.
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Quase trinta anos depois, e a homenagem do genial Mestre Gonzaga Rodrigues ainda emociona a nossa família. É impressionante como ele conseguiu descrever com tamanha precisão a dedicação de papai ao jornal A União e ao União Esporte Clube. Orgulha-nos que tenha sido retratada, de forma tão fiel, a intransigência de Manoel Costeira na defesa dos valores da ética e da honestidade. Só nos resta agradecer, mais uma vez, ao brilhante jornalista. Já fiz isso umas duas vezes pessoalmente, talvez Gonzaga Rodrigues nem lembre, faz muito tempo. De qualquer forma, essa gratidão é eterna. Assim como passa a ser o agradecimento a Germano Romero, pela iniciativa de nos honrar com a republicação dessa crônica, em espaço tão prestigiado e bem frequentado, como é este blog, que leva o nome de seu pai, Carlos Romero. Que, aliás, também foi contemporâneo de papai em A União, se não me engano. E, ainda mais, inaugurando a série Textos Históricos, iniciativa louvável em um país que insiste em desprezar a sua memória. Muito obrigado.

    ResponderExcluir

leia também