Quando comecei a conviver com minha esposa, há quarenta anos, ela residia em Arara. e eu em João Pessoa, numa distância de 155 km. Nossos e...

O prazer de receber cartas

ambiente de leitura carlos romero jose nunes escrever receber cartas correio

Quando comecei a conviver com minha esposa, há quarenta anos, ela residia em Arara. e eu em João Pessoa, numa distância de 155 km. Nossos encontros eram nos finais de semana, mas, entre um sábado e outro, eu lhe mandava duas cartas pelos Correios, porque o contato por telefone era difícil. Afinal, em Arara existia apenas um posto telefônico para atender a toda população, exceto algumas famílias que tinham linha telefônica particular.

ambiente de leitura carlos romero jose nunes escrever receber cartas correio
Não abordarei o conteúdo de nossas mensagens, apenas revelo que tratávamos dos preparativos para nosso casamento que ocorria em janeiro de 1981. E o quanto era prazeroso receber a carta no dia certo. Fazia a postagem na terça-feira, e, no dia seguinte, ela recebia a correspondência em casa. Na quinta-feira postava a carta que estava em suas mãos na sexta-feira e, seguindo essa mesma sistemática, simultaneamente eu recebia as que ela, rigorosamente, me enviava.

Estas lembranças vieram após receber a confirmação do envio, pelos Correios, de dois livros para a amiga Ana Trajano, residente em Olinda. Se a Internet ajudou a encontrar a ex-colega de redação, com quem há décadas não conversava, foram os Correios que proporcionaram a maior emoção.

Jornalista, escritora e poetisa Ana Trajano disse-nos ter vivido duas emoções: a de ganhar os livros por mim enviados e a de matar saudade de uma prática do nosso tempo, que o advento da Internet sepultou. Disse que receber pelos Correios encomendas de amigos ou parentes, seja uma simples carta ou presente, como eu havia feito, trouxe-lhe uma alegria profunda, porque se trata de um gesto “tão simples, tão gostoso, tão humano e que enche de prazer a alma”.

ambiente de leitura carlos romero jose nunes escrever receber cartas correio
Sobre o que a minha amiga escreveu a propósito de meus dois livros que lhe enviei, guardarei como o melhor presente recebido neste período pandêmico, entre tantas palavras que outras pessoas me dirigiram renovando as esperanças e trazendo paz.

O que escrevi há quarenta anos para minha mulher continua somente nosso, mas o que a amiga poetisa escreveu como agradecimento ao presente recebido, expondo suas emoções, considero como injeção de ânimo para continuar minha literatura. Literatura que é meu alimento e me traz prazer.
“Nunes consegue expressar a vida sertaneja (brejeira) com uma doçura de alma tão grande que mesmo o cenário mais triste e desolador, ao invés de chocar, enternece”.

Com sua abrangência ilimitada, a Internet não supera os mais antigos meios de comunicação entre as pessoas, que são as cartas ou cartões escritos de próprio punho. A carta transporta e expõe as sutilezas mais íntimas de nossa vida e a sinceridade do coração, transforma-se no espelho de nossa alma.

ambiente de leitura carlos romero jose nunes escrever receber cartas correio

A carta carrega afetividade, reconstrói momentos, registra nosso cotidiano. A caligrafia expressa uma simbologia na assinatura colocada no papel que personaliza a presença do interlocutor.

Tem gente que nunca recebeu uma carta pelos Correios, por isso não sabe quanta emoção carrega o instante de recebê-la, abrir o envelope, a expectativa pelo que está escrito. Em todo esse momento lembramo-nos da pessoa que enviou a mensagem.


José Nunes é poeta, escritor e membro do IHGP
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também