São de encantadora poesia as plantinhas, sobretudo com flores, que brotam por aí, ao léu, sob o céu que nos protege.Nascem do nada, ou do t...

É assim que elas se salvam

ambiente de leitura carlos romero germano romero flores silvestres flor do campo poesia mensagem das flores

São de encantadora poesia as plantinhas, sobretudo com flores, que brotam por aí, ao léu, sob o céu que nos protege.Nascem do nada, ou do tudo, espontaneamente, sem que ninguém cuide, sequer as veja. Ou olhe sem ver. Sem rega e sem poda, carinho só do Sol. Assim mesmo surgem lindas, em fileiras ou touceiras, às margens das pistas, calçadas e ruas.

ambiente de leitura carlos romero germano romero flores silvestres flor do campo poesia mensagem das flores
Cada estação tem as suas. De todas as cores e nomes. Beneditas, damianas, maravilhas, onze-horas e chananas, há até damas da noite, que também enfeitam o dia, uma assombrosa variedade.

Por vezes, desprezadas, pisadas ou arrancadas. De outras, bem amadas, tratadas ou furtadas. Se roubadas com carinho, para terem outro ninho, é bom que assim seja. Decerto se multiplicarão na medida da emoção.

Dá até para se pensar por que a Natureza investiu tanta beleza e diversidade nestes serezinhos minúsculos, frágeis e insignificantes. Inúteis não são. Sem dúvida deve haver, em todas elas, propriedades benéficas, medicinais, sabe-se lá. E haveria virtude maior do que a beleza natural, concedida pelas bênçãos da Criação? Porque até na Arquitetura, produto da criatividade humana, a “beleza é uma função”, como disse Niemeyer.

ambiente de leitura carlos romero germano romero flores silvestres flor do campo poesia mensagem das flores
Para os insensíveis, florezinhas silvestres que nascem por aí nada significam, e ainda são chamadas de mato. Há quem mande arrancá-las sob o pretexto de limpeza. Mas, de limpeza quem precisa é a alma dos que assim pensam.

Pedalando, caminhando, principalmente pelas relvas nativas, vez por outra somos surpreendidos com recantos que inspirariam Renoir ou Monet, cujo fascínio por esses pingos bordados com que Deus salpicou o planeta se retrata magnificamente em suas obras.

São zinias, boas-noites e cravinhos-da-serra. O que mais impressiona é a exuberância que resiste ao fulgurante e luminoso calor dos trópicos. Regadas apenas com a graça das chuvas, no fim do verão secam, desaparecem e hibernam por um longo período, revitalizando-se imperceptíveis à espera de explodir novamente na próxima estação. Um fenômeno calado, invisível, que, mesmo após renascer, ainda passa despercebido por olhos que não enxergam beleza alguma na simplicidade.

Dizem que a indiferença é o sentimento mais desprezível. Por flores ou por pessoas. Mas será que a violência não é pior? A pretexto de “limpá-las”, ou mesmo por insensibilidade, há quem as destrua ou arranque e jogue fora.

Então é melhor que sejam ocultas no meio do mato, pelas bordas de falésia ou trilhas da encosta. Pelo menos vivem plenas, do jeito que nasceram, e assim são protegidas.

Certo dia, aqui do lado, avistei pela janela um montinho bem colorido. Eram todas beldroegas, que parecem as “onze horas”. Sem a menor ideia de como ali foram nascer, por detrás de um muro tosco, num terreno abandonado, encantaram ainda mais. Surpreso comentei sobre o “esconderijo” delas. E o amigo tão astuto, logo logo, respondeu: “É assim que elas se salvam”...


Germano Romero é arquiteto e bacharel em música
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Se salvam também, Germano, na mente fértil de cronistas menestréis.
    Que deleite, a sua crônica!

    ResponderExcluir

leia também