Um ensaio de pesquisa social do mestre Carlos Alberto Azevedo (Os reinventores do cotidiano: feirantes & fregueses do Mercado Central -...

Feirantes e fregueses

ambiente de leitura carlos romero gonzaga rodrigues feira livre feirante supermercado

Um ensaio de pesquisa social do mestre Carlos Alberto Azevedo (Os reinventores do cotidiano: feirantes & fregueses do Mercado Central - 2020) logo de entrada levou-me a recordar o primeiro contato com a novidade do supermercado. Até então, a feira, os mercados públicos, adoçavam a divisão de classes sociais nas suas fontes primárias de abastecimento. Funcionava para quem enchia o balaio e para quem o levava.

ambiente de leitura carlos romero gonzaga rodrigues feira livre feirante supermercado
Já vivíamos os anos 1970, se posso precisar, quando me vi de cara com uma mercearia sem balcão, a mercadoria se despachando confiada aos escrúpulos do freguês. E achei um barato. Até duvidei, como o fizera antes, na velha A União, ouvindo Dulcídio Moreira contar que na Suíça o leitor apanhava o jornal, ele mesmo se despachava e se dava o troco, se fosse o caso. Menino que passara a mão nas moedas do pai, cubei por baixo, dei desconto nessa prosa do jornalista que fora marujo viajado e lido, de excelentes e cobiçados textos exclusivos do “Estadão”, de que era correspondente.

Num contraste, logo às primeiras linhas revivo a experiência alvissareira que senti ao entrar no primeiro Comprebem, na 1817, surpreso com um comportamento de gente adiantada, coisa de cinema ou de ouvir dizer. Longe de imaginar, com o passar do tempo, o exílio que a relação direta com o mundo disponibilizado da mercadoria haveria de me reservar.

ambiente de leitura carlos romero gonzaga rodrigues feira livre feirante supermercado

Carlos Alberto Azevedo aborda com adesão de pesquisador social (e creio mesmo que como freguês de feira) a sobrevivência das relações mais que sociais, humanas, que se cruzam através das compras nos mercados públicos. Não aborda apenas com a sua experiência, que seria o bastante, mas com referências de outros mundos, por onde se vê que a nossa feira ou mercado público, como de qualquer cidade brasileira ou estrangeira, continua aproximando as pessoas, qual troca de hormônios que guia as formigas, favorecendo a comunicação e a sociabilidade. Funciona a confiança dos que compram nos que vendem.

ambiente de leitura carlos romero gonzaga rodrigues feira livre feirante supermercado
Diz um autor citado por Azevedo que há gente que vai ao mercado mais para encontrar o conhecido que a mercadoria. Antes da peste que parece não terminar, um dos Trócollis ia diariamente à Torre, ao seu tamborete, apenas para manter nos olhos o colírio das pessoas. Nau, meu amigo Nau, do antigo Paraiban, tinha lá seu ponto. Eu também tinha os meus tamboretes, de preferência nas bancas de bicho, de mais preferência ainda no palpite dos olhos de Lindalva, que as faces de hoje começam a encobrir.

É pena entrar num tema destes, seriamente estudado por um paraibano que valoriza a nossa identidade cultural, e terminar trocando em miúdos, dando razão a Agripino Grieco, que via no cronista um nadador de piscina. Mais que sério, oportuníssimo, por poder capturar a boa vontade do prefeito a ser aplicada no asseio e organização disciplinada dos nossos mercados, sobretudo o do Bairro dos Estados, degradado em seu projeto original do tempo de Dorgival Terceiro Neto.


Gonzaga Rodrigues é escritor e membro da APL
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também