Brinca-se de cabra-cega ou de esconde-esconde. A panela não contém bombom. Talvez ou quase certo, esteja vazia. Uma festa ao avesso do povo...

Trombones roucos

ambiente de leitura carlos romero jose leite guerra desesperanca vida moderna redes sociais mecanicismo desgoverno mundial rumo do brasil

Brinca-se de cabra-cega ou de esconde-esconde. A panela não contém bombom. Talvez ou quase certo, esteja vazia. Uma festa ao avesso do povo sacolejado pelos desmandos de um roteiro escuro. Às apalpadelas se procura a saída. Tecnologicamente, os padrões se desenham em mapas e projeções com os frios números, numa lógica de desesperação, dentro de um recinto de paredes negras e chão esburacado. Para onde vamos? Nós e o mundo? Nós e as brasílicas potencialidades apanhadas em botijas rasas? Há riquezas de argumentos e afirmações que correm o risco de serem desmanchadas pela crudelíssima realidade.

Pairam nas ruas os andrajos do sofrimento, detonam focos de morticínio, riscam-se pedras e intocáveis monumentos com linguagem indecifrável, solapam direitos ou modificam tensões capital-trabalho, tudo numa tentativa aflita de conquistar modernos padrões. Sabe-se de inquietudes continentais e mundiais.
ambiente de leitura carlos romero jose leite guerra desesperanca vida moderna redes sociais mecanicismo desgoverno mundial rumo do brasil
Focos de engenhosas peripécias: aperfeiçoamento de instrumentos de destruição. A comunicação entra e sai, chegam novas conexões em aparelhos cada vez mais aperfeiçoados capazes de construir e destruir. O povaréu nada acostumado vagueia em caixas eletrônicos, módulos móveis que ocupam mentes e mãos, capazes de exilarem o relacionamento presencial.

A cultura da imagem torna obsoleta a imaginação usual: o raciocínio midiático refaz ou suprime, quase que totalmente, o exercício mental natural humano. O humanismo em crise: a secularização e o consumismo se apoderam de multidões que se vão marginalizando do processo anterior, qual seja, a prática da sensibilidade, das tradições sagradas, do artesanal como expressão. Uma troca ou inversão de valores com as quais jamais contaríamos, num tempo histórico mais ou menos recente.

Vive-se artificialmente, dentro de modelos ditados pelo modismo transmitido por redes especializadas. Há gotas de desamor em cada isolamento. É terrível constatarmos a realidade iconoclasta. Uma geração de pós-guerra, hoje rotulada de “melhor idade”, fica manietada frente a um tempo sufocante, de inovações nem sempre prodigiosas.

A banda passa em trombones roucos. E o futuro?


José Leite Guerra é bacharel em direito, poeta e cronista
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Desgraçadamente, neste momento, nem dá para dizer que tudo isso vai passar.

    ResponderExcluir

leia também