A matéria da jornalista Lucilene Meireles sobre a professora Adélia de França, publicada em A União deste domingo, 30 de agosto de 2020, al...

Professora Adélia de França

ambiente de leitura carlos romero francisco gil messias profesora adelia de franca daura santiago rangel escola estadual do roger carmen isabel carlos silva ensino paraiba

A matéria da jornalista Lucilene Meireles sobre a professora Adélia de França, publicada em A União deste domingo, 30 de agosto de 2020, além de oportuna, como resgate de uma grande profissional do ensino na Paraíba, serviu para fazer-me voltar no tempo e lembrar-me de quando, adolescente, fui seu aluno na casa da Rua Almeida Barreto, no Centro, para sempre associada, por mim, à imagem inesquecível da mestra.

ambiente de leitura carlos romero francisco gil messias profesora adelia de franca daura santiago rangel escola estadual do roger carmen isabel carlos silva ensino paraiba
Faz muitos anos. Lembro-me de que sua escola particular funcionava em sua residência e que a ela fui levado, se não me engano, para preparar-me para uma seleção a que deveria submeter-me para ingresso no Colégio Estadual do Roger. Creio que era o então famoso Exame de Admissão, espécie de “vestibular” para o “curso ginasial”. Alguém indicara seu nome a mim ou aos meus pais, nome esse, recordo-me, já bastante conhecido na cidade, então ainda provinciana, como sinônimo de competência pedagógica. E de fato era e foi assim. Ela preparou-me diligentemente e eu fui aprovado na seleção, o que significa que sou seu eterno devedor, e que ela faz parte da já longa história que, aos poucos, me trouxe até às páginas dos jornais locais, aos três livros publicados e a este conceituado “Ambiente de Leitura Carlos Romero”.

ambiente de leitura carlos romero francisco gil messias profesora adelia de franca daura santiago rangel escola estadual do roger carmen isabel carlos silva ensino paraiba
Profª Adélia de França
A Dona Adélia que conheci era baixinha, mais para gordinha do que para magra, os cabelos penteados para trás começando a embranquecer. Possuía uma autoridade natural que impunha respeito aos alunos. Às suas aulas ninguém ia para brincar, aquilo era sério sem ser sisudo, e estudava-se com um inusitado e precoce senso de responsabilidade, plenamente adequado a quem, como eu, precisava muito passar nas provas. Minhas aulas – e as de outros – eram na espaçosa e arejada varanda da casa, situada, a varanda, num plano mais alto que a rua, o que lhe assegurava um certo resguardo dos barulhos citadinos, favorecendo, assim, tanto o ensino como o aprendizado.

Não me lembro de alguma vez ter visto, mesmo de relance, a presença de Cátia, filha da professora, hoje um dos valores da música paraibana e brasileira. Também nunca vi seu marido nem qualquer outra pessoa da casa, o que prova o profissionalismo da mestra, sabendo separar muito bem a esfera doméstica daquela onde exercia seu magistério. Naquela época, Cátia ainda era “a filha de Dona Adélia”; só depois, aos poucos, foi que seu nome de artista foi se sobrepondo ao da mãe, a qual, com a idade, foi naturalmente saindo de cena. É assim que normalmente acontece na vida, com as gerações que se sucedem. Hoje Dona Adélia é que é “a mãe de Cátia de França”.

ambiente de leitura carlos romero francisco gil messias profesora adelia de franca daura santiago rangel escola estadual do roger carmen isabel carlos silva ensino paraiba
Profª Carmen Isabel Carlos Silva
Interessante é observar como na João Pessoa daquele tempo existiam essas grandes professoras de renome. Mulheres que se destacaram num mundo ainda totalmente dominado pelos homens, deixando uma marca imperecível na vida educacional e cultural paraibana. Vêm-me à mente, além de Adélia de França, os nomes de Daura Santiago Rangel, de Donatila Lemos Pereira de Melo, de Tércia Bonavides, de Zilda Cabral de Vasconcelos, de Olivina Carneiro da Cunha, de Eudésia Vieira, de Laudicéa Rodrigues, Carmem Izabel Carlos Silva, Durvalina Falcão e outras mais, todas personagens que marcaram época.

Essas mulheres, por seu mérito, foram, na verdade, muito mais que grandes mestras; foram verdadeiras formadoras de gerações, pessoas que fizeram do magistério, além de uma vocação, uma autêntica missão. A Paraíba e os paraibanos muito lhes devem. Que sejam todas reconhecidas e lembradas como inestimável patrimônio humano de nossa terra.

Com muito atraso, aqui deposito minhas flores de gratidão e aplauso no altar da memória de Dona Adélia, ícone perene da educação em nosso Estado.


Francisco Gil Messias é cronista e ex-procurador-geral da UFPB
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também