Agro é tech, agro é pop, agro é tudo — é a marcação forte e enérgica das tônicas a nos encher os olhos e o ânimo com a vastidão certinha e ...

Tudo tão certinho…

ambiente de leitura carlos romero gonzaga rodrigues homem do campo maquina tecnologia agricola ausencia trabalhador rural desmatamento campo de agave prejuizo monocultura capitalista

Agro é tech, agro é pop, agro é tudo — é a marcação forte e enérgica das tônicas a nos encher os olhos e o ânimo com a vastidão certinha e alinhada dos campos da agricultura de primeiro mundo cultivada nas planuras do Brasil abaixo da Amazônia.

De janeiro a março, nesses três primeiros meses do ano, a exportação fez recorde na safra de soja, de milho, nada abaixo de 70, 80, a 120 milhões de toneladas por espécie. E mais frutas, algodão, carnes, China, América e Estados Unidos com a garantia de provisões nunca vistas nesses campos de fazer inveja, em beleza, aos vinhedos da Borgonha.
ambiente de leitura carlos romero gonzaga rodrigues homem do campo maquina tecnologia agricola ausencia trabalhador rural desmatamento campo de agave prejuizo monocultura capitalista
Os nossos, bem mais extensos, continentais, igualmente alinhados na régua e compasso como exige o design do novo capitalismo.

Se o campo é de soja, só se vê soja. Se é de algodão, de milho, seja de que for, nada interfere na uniformidade do plantio. Como nos nossos antigos campos de agave, não cedendo um palmo para a sombra de uma árvore de fruta ou de flor. Não é nova essa utilização avara da terra: quando vendemos nosso sítio, a casa de morada sombreada docemente de fruteiras, um mês depois veio tudo abaixo.

Agora, no fastígio do Agrotech, onde se vê o homem? Nas filas da Caixa. A mão que planta e colhe é outra, é de aço como o coração da nova agricultura. Apenas e ainda por felicidade, resta um homem em cada máquina, o labor solidário cedendo a vaga ao lucro.

Não sei quem me disse, pois morreram todos: “Não foi o bicudo que acabou a nossa primazia no algodão, muito menos a falta de mercado; o que arrasou nosso meio de vida histórico foi a força poderosa do capital sob o domínio automático da tecnologia. Do tech. O algodão da meia e do roçado, colhido a mão, mais gente do que lavoura, morrera muito antes do bicudo.” Creio ter sido coisa da visão de Ronald, ou de Adalberto ou de Chaguinha.

ambiente de leitura carlos romero gonzaga rodrigues homem do campo maquina tecnologia agricola ausencia trabalhador rural desmatamento campo de agave prejuizo monocultura capitalista

A ciência de Celso Furtado ainda via alternativa: levar as populações do semiárido para as boas terras do Maranhão, do Brasil Central, vez que a zona da mata nordestina é privilegio secular da monocultura açucareira ou de pequenas propriedades com cultura de subsistência. Mas numa entrevista de 1998, com interlocução de Maria da Conceição Tavares e Manuel Correia de Andrade, a fortaleza de sua fé ainda resistia na crença de uma alternativa planejada de volta do homem ao campo.

As cidades não cabem mais. A pandemia nos faz ver, horrivelmente, a que níveis chegam as hordas do desemprego. Os que não leem as estatísticas do IBGE, veem a trágica realidade no surto desesperado das filas que dormem ou pernoitam nas calcadas a apanhar a subsistência. Por mais que o vírus ataque e mostre a sua cara nas covas enfileiradas a régua e compasso. É a estética que sobra para 80 milhões de brasileiros advertidos para não sair de casa. De que casa?


Gonzaga Rodrigues é escritor e membro da APL
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também