Cecília Por mim passam tantas vozes tantos silêncios tantas canções e essa menina que há em cada coração de leão. Por mim passam noite...

Os melhores silêncios

ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana antonio morais de carvalho


Cecília


Por mim
passam tantas vozes
tantos silêncios
tantas canções
e essa menina que há
em cada coração de leão.


Por mim
passam noite e dia
passam recuo e ousadia
passam por mim passam
de enlaçadas mãos
o breve gozo, a lenta agonia.


Mas nesse tudo passar
também passo eu por mim
e ao fim de cada passagem
passo a ser mais só, mais mim,
retendo apenas ao fim
imagens      imagens     imagens.




Mariana


No abril de meus dez anos,
minha rua foi devastada
por um horizonte marítimo.

Era Mariana.

A errar o cosmos começava,
e eu, da gravidade, me soltava.
Até então, meu coração
era um beco sem saída;
agora, a vida se rompia:
irrompia o outro
– vertigem e voragem.

No início da Noite de Natal,
sem avisar,
Mariana abandonou-me a cidade,
despediu-me a infância.

Toda vez que ouço o “Noite-feliz”,
acena-me oblíquo Noel,
e desembrulho por dentro
o pretérito presente...


Performance


Escolheu seu melhor ângulo.
Com pudicícia,
Evitou os parcos versos seus.
Disse Bandeira, Cecília, Drummond
– estrelas da vida inteira e sua Pasárgada.
Pronunciou os melhores silêncios.
Conseguiu. Seduziu.

Uma mulher, uma noite.

Acordou.
Sóbrio, inútil, verdadeiro.
Ressaca de tanta traição a si mesmo.
Certeza de que nenhuma Estela
Seria a Estrela da vida inteira.


Antonio Morais Carvalho é professor e poeta
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também