Na tradição que relata os primórdios da história romana, o mito do rapto das Sabinas é fundamental para a consolidação de Roma como cidade...

David, um leitor de Ovídio?

ambiente de leitura carlos romero milton marques mitologia romana ovidio rapto intervencao sabinas romulo marte guerra ovidio pintura jacques louis david mulheres hersilia roma capitolio palatino
Na tradição que relata os primórdios da história romana, o mito do rapto das Sabinas é fundamental para a consolidação de Roma como cidade que, de acordo com as profecias, deve sobreviver e dominar o mundo. Sem o rapto, Roma não só não cresceria, como não transmitiria a sua descendência.

Esse evento de importância capital não ficou restrito aos relatos da história e da ficção – Plutarco, Tito Lívio, Ovídio. Muitas são as representações do rapto das Sabinas nas artes plásticas, dentre elas a de Rubens, com uma tela de 1635-1637, e as de Nicolas Poussin, que produziu duas versões, uma de 1634-1635, outra de 1636-1637. Particularmente, só tivemos acesso a uma tela com a representação não do rapto, mas da intervenção das Sabinas (1799), obra de Jacques-Louis David (1748-1825).

ambiente de leitura carlos romero milton marques mitologia romana ovidio rapto intervencao sabinas romulo marte guerra ovidio pintura jacques louis david mulheres hersilia roma capitolio palatino
O Rapto das Sabinas Nicolas Poussin, 1634-35
Pintor oficial de Napoleão, Jacques-Louis David é autor de obras de tema clássico, a exemplo de "O juramento dos Horácios", "Os litores portando os corpos dos filhos de Brutus" e "A morte de Sócrates". Como pintor neoclássico, David ficou no limiar do Romantismo, morrendo no início da inauguração desse movimento por Lamartine.

O quadro A intervenção das Sabinas retrata um momento particular no início da fundação de Roma, quando, cansadas da guerra entre Sabinos e Romanos, cujos maridos e sogros se matavam, as mulheres Sabinas resolveram intervir, proporcionando a paz entre as duas gentes. A nosso ver, David pintou o quadro com os olhos postos no texto do poeta latino Ovídio (43 a. C. – 18 d. C.), alusivo ao fato, que se encontra nos Fastos [1].

A Intervenção das Sabinas Jacques-Louis David, 1799
No Livro III dos Fastos, o deus da guerra, Marte, pela primeira vez chamado a uma tarefa de paz e de cultura, responde sobre assuntos do calendário latino ao poeta [2]. Roma era pequena e Rômulo vivia numa cabana, ambos cresceram e tocaram os astros [3]. No entanto, Roma não tinha mulheres nem sogros, pois os ricos vizinhos não acreditavam na sua descendência de Marte [4]. É quando Marte insufla em Rômulo o seu espírito de pai: tomar pelas armas, não pelas preces o que ele quer; Rômulo prepara a festa de Consus e rapta as Sabinas [5].

ReferênciasOvídio, Fastos, Livro III:
1. versos 215-228; 2. versos 171-178; 3. versos 179-186; 4. versos 187-196; 5. versos 197-201; 6. versos 202-213; 7. versos 214-228; 8. versos 229-230; 9. versos 231-248; 10. versos 249-256.
A guerra entre genros e sogros se alonga e as esposas se reúnem no templo de Juno, sob a liderança da nora do deus, Hersília, que as aconselha a uma iniciativa tão corajosa quanto piedosa [6]. Elas desarrumam os cabelos, vestem roupas de luto, em sinal de aflição e intervêm na guerra, separando as hostes de esposos e pais [7]. As mães Sabinas, desde então, celebram as Calendas de Março em homenagem ao deus Marte [8], momento, em que as mães do Lácio cultivam a fecundidade [9]. Marte ainda explica que sua mãe, a deusa Juno, ama as jovens esposas; a multidão das mães vem, então, celebrar sua festa [10].

Vejamos o trecho do poema, em que se dá a intervenção das Sabinas, entre os versos 215-228, em tradução nossa:


Já os exércitos se puseram de pé preparados para o ferro e para a morte, já o bastão augural houvera de dar os sinais para a luta, quando as raptadas chegam entre os pais e os maridos, e retêm os filhos no seio, caros penhores; quando tocaram o meio do campo com os cabelos esparsos, prosternaram-se, tendo posto o joelho na terra, e, como se sentissem, com doce clamor, os netos estendiam em direção aos seus avós os pequenos braços. Quem podia chamava o avô, então, enfim, visto, e quem dificilmente podia era coagido a poder. Caem as armas e os ânimos aos guerreiros, e, desviadas as espadas, sogros dão e recebem as mãos aos genros, e seguram as filhas louvadas e, sobre o escudo, o neto o avô conduz: este uso do escudo era mais suave.

ambiente de leitura carlos romero milton marques mitologia romana ovidio rapto intervencao sabinas romulo marte guerra ovidio pintura jacques louis david mulheres hersilia roma capitolio palatino
Jacques-Louis David (1748—1825) JLD, 1794
Tendo apoiado e participado da Revolução Francesa, Jacques-Louis David concebeu seu quadro "Les Sabines arrêtant le combat entre les romains et les sabins" (1799), quando esteve preso, e o pintou em um momento crucial, como uma simbologia para a união da França em torno do ideal libertário, sobretudo após o período do terror, de 1793 a 1795. Logo em seguida, a revolução capitularia a Napoleão, que assumiria o poder, como Cônsul em vida, e depois imperador.

Um dos detalhes importantes do quadro é o fato de que a sua data se encontra escondida nele próprio, em meio à luta. Pode-se vê-la por trás da perna de Tito Tácio, numa espécie de lápide, que faz base para um altar, sobre o qual se ergue uma Sabina, levantando o seu filhinho e o expondo ao combate, como um modo de tocar a sensibilidade dos combatentes.

No quadro de David podem-se distinguir três planos: ao fundo vê-se uma luta que se trava no alto, para a defesa da Arx, a fortaleza que protege a cidade (hoje a basílica de Santa Maria in Aracoelli), resultando na conquista do Capitólio por Tito Tácio, por causa da traição de Tarpeia. Vê-se, nesse plano com destaque a rocha Tarpeia, para execução dos traidores. No meio, a luta já vem para a planície, onde se ergueria o futuro Fórum Romano, entre o Capitólio e o Palatino. Nesse plano intermediário veem-se as lanças levantadas em posição de combate, mostrando os batalhões prontos para a luta, até onde a vista alcança. Já no primeiro plano, observa-se a cena descrita e narrada, que se encontra em Ovídio.

ambiente de leitura carlos romero milton marques mitologia romana ovidio rapto intervencao sabinas romulo marte guerra ovidio pintura jacques louis david mulheres hersilia roma capitolio palatino
Em nossa concepção, a fonte de David, no que diz respeito à cena principal, foi inspirada em Ovídio, tendo em vista a popularidade alcançada por esse poeta. Como pintor neoclássico e cultor dos princípios dessa escola, David nos dá uma visão do conjunto, englobando em uma única tela a guerra com a tomada do Capitólio, a sua expansão para a planície e a intervenção das Sabinas, constituindo assim uma visão de clareza, harmonia, equilíbrio e simetria.

O fato de aquela que se supõe ser Hersília e outras mais estarem com seus cabelos bem arrumados e não necessariamente recobertas de vestes lutuosas, atende às exigências dos preceitos da escola neoclássica. Por outro lado, Hersília como aquela que convoca as Sabinas à intervenção e sendo esposa de Rômulo, deve mostrar-se como tal, ainda que exiba a sua túnica com certo desalinho, deixando entrever suas formas, além do estado de excitação em que se encontra, pelo que se pode observar no mamilo enrijecido que transparece.

Olhando atentamente a cena central, podemos ver quatro mulheres prosternadas com o joelho no chão. Duas delas têm os cabelos desfeitos, duas delas têm as vestes mais escuras, como uma simbologia da dor e do luto. Uma quinta, à direita de Hersília e atrás dela, apesar de estar com uma túnica vermelha, cobre a cabeça com um pano mais escuro, demonstrando a sua dor. A aflição em seus rostos é patente. Podemos ainda constatar crianças que são alçadas e uma delas, no chão levantando a mão, conforme se diz no poema.

ambiente de leitura carlos romero milton marques mitologia romana ovidio rapto intervencao sabinas romulo marte guerra ovidio pintura jacques louis david mulheres hersilia roma capitolio palatino
ambiente de leitura carlos romero milton marques mitologia romana ovidio rapto intervencao sabinas romulo marte guerra ovidio pintura jacques louis david mulheres hersilia roma capitolio palatino


Em suma, é possível supor a leitura de Ovídio por David, não só pela cena da intervenção das Sabinas que ele relata, mas também pelo fato de que a opulência das mulheres, especialmente uma que mostra as suas tetas de mãe, outra, já matrona que reclama a nova condição de aceitação do fato ou a morte, expondo o seu peito às armas, dão sentido à fala de Marte, respondendo a nova invocação do poeta, para explicar-lhe por que as mães honram sua festa (a partir do verso 167, estendendo-se até o verso 258) e o porquê de as "Calendas de Março" serem em sua homenagem.

Sabemos ser muito difícil dizer com exatidão se David leu ou não Ovídio, mas o fato de o pintor ter feito seu beija-mão a Roma, onde permaneceu por cinco anos, leva-nos a imaginar que é algo muito provável. Não seria demais, apontar, ainda, que os dois últimos versos do trecho, que traduzimos e apresentamos — Laudatasque tenent natas, scutoque nepotem / Fert auus: hic scuti dulcior usus erat (e seguram as filhas louvadas e, sobre o escudo, o neto o avô conduz: este uso do escudo era mais suave.) —, entram em contraponto, por celebrarem a vida, com os versos 1141-1142 de "As Troianas" de Eurípides, em que o escudo de Heitor serve de túmulo para Astiânax, na dor da mãe e avó Hécuba. Mas isto é assunto para outro texto.


Milton Marques Júnior é doutor em letras, professor, escritor e membro da APL
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Parabéns Milton Marques junior... belissimo trabalho👏🏻👏🏻...Um textual descritivo aos detalhes da "Grande Obra".
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir

leia também