Silvino é uma grande figura. Sempre teve personalidade forte. Embora seja o quinto filho de uma prole de oito de Francisco e Nair, destaca...

O colecionador de celebridades

ambiente de leitura carlos romero cronica jose mario espinola claudio tozzi beth carvalho emilio pericoli al di la umberto eco rubicao italia herminio bello
Silvino é uma grande figura. Sempre teve personalidade forte. Embora seja o quinto filho de uma prole de oito de Francisco e Nair, destacava-se na família porque sempre soube o que queria. Dotado de espírito de liderança, fez amigos sinceros, os quais conserva até hoje, ao longo dessas tantas décadas de vida.

Personalidade determinada e independente, soube convencer os pais a permiti-lo estudar em Recife. Lá, morou com grandes figuras, colecionando histórias que permeiam entre temas que vão do dramático ao hilariante.

ambiente de leitura carlos romero cronica jose mario espinola claudio tozzi beth carvalho emilio pericoli al di la umberto eco rubicao italia herminio bello
Só com Fred Pitanga, nosso primo que resolveu tornar o céu mais engraçado, Silvino vivenciou aventuras as mais diversas e divertidas, boa parte delas impublicável.

Dos seus inúmeros amigos, pelo Brasil e mundo afora, lembro-me bem do pintor paulista Cláudio Tozzi, dono de um estilo limpo e agradável de pintura, bem evidenciado em sua série das Araras. E Michel e Stephanie Lebreton, de Grenoble, França. Ele, cirurgião torácico, e ela, ginecologista.

Mas uma das características mais marcantes de Silvino é a sua capacidade de relacionar-se das formas mais inesperadas possíveis com algumas celebridades. Citarei quatro episódios.


Durante a gestão de Tarcisio Burity (Paraíba), a Espanha firmou convênio com o governo brasileiro para financiar a restauração de locações antigas, da época colonial. O motivo era a comemoração dos 500 anos do descobrimento da América.

O pacto beneficiou muitas igrejas e outros monumentos da capital paraibana, como foi o caso dos azulejos da igreja de Santo Antônio, com o convento São Francisco.

Casualmente, Silvino compareceu a um encontro agendado com a arquiteta Ana Luiza Cerrilhos, que representava o governo espanhol, e que deveria ter acontecido no então restaurante Gambrinus. Tendo chegado mais cedo, como é do seu hábito, ele viu solitário em uma das mesas, diante de uma garrafa de vodca, ninguém mais ninguém menos que Hermínio Bello de Carvalho.

Para quem não se lembra, Hermínio é compositor, poeta e produtor musical de muito prestígio no país. Entre outras músicas, compôs Pressentimento, interpretado por Elizete Cardoso; Fala Baixinho, com Pixinguinha; Sei Lá, Mangueira, com Paulinho da Viola; Retrós e Linha, com Martinho da Vila. E muitas, mas muitas outras, mesmo. Escreveu até uma ópera popular, “João, Amor e Maria,” com Maurício Tapajós. Produziu muitos shows musicais pelo Brasil. Lançou artistas e músicos que brilharam nos nossos palcos.

Presidiu a Funarte nos anos 1980. Por essa época criou o famoso Projeto Pixinguinha, que leva música por palcos de todo o Brasil. Se é que ainda não foi destruído pelo atual governo, que tem uma certa aversão à arte e à cultura.

E foi justamente a Funarte que o trouxera à Paraíba, em 1989: veio aqui para analisar quais foram os fatores responsáveis pelo fato de que tinha sido a Paraíba, naquele ano, o estado onde o Projeto Pixinguinha teve o maior sucesso em todo o Brasil.

Dotado de prodigiosa memória, ao passar pela mesa de Hermínio, Silvino disse-lhe:
 “Eu tenho o Pressentimento de que o conheço!”

Ouvindo aquilo Hermínio caiu na gargalhada, e convidou-o para sentar-se à sua mesa. Começava naquele momento uma amizade que dura até hoje. Pouco mais tarde chegou um mensageiro do Hotel Tambaú, que lhe comunicou que a arquiteta espanhola não poderia comparecer ao jantar, por não estar se sentindo bem.

Sùbitamente a noite tornou-se criança para Silvino e Hermínio. Guiando Hermínio por João Pessoa, terminaram tomando café da manhã no Mercado Central, vejam só!


Tempos depois, representando o Núcleo de Arte Contemporânea da Universidade Federal da Paraíba, onde era professor, Silvino viajou ao Rio Janeiro. Cumprida a sua missão ligou para Hermínio Bello. E este o convidou para almoçar no dia seguinte, um domingo, em seu apartamento no Flamengo.

Lá chegando teve um susto: sentada num sofá, pernas recolhidas, estava... ELIZETE CARDOSO!

Exatamente: a Divina em pessoa, como era conhecida nos meios artísticos brasileiros.

Foi apresentado a ela por Hermínio, tendo tido a oportunidade de exercitar todo o seu charme de cavalheiro sobre a nossa estrela musical.

Entre outras coisas, falou:


“Não vamos dizer que é um prazer nos conhecermos, porquê daqui a alguns minutos a senhora poderá achar que eu sou um chato. Ou eu achar que a senhora é quem é!”

Isso encantou Elizete, e animou o papo ao longo da tarde, regado a cervejas e músicas cantadas por Elizete. Esta gostou tanto, que quando telefonaram para ela ir ao ensaio musical que teria naquela tarde, com Baden Powell e outros músicos, aproveitou para adiar. Disse a Hermínio que ali estava mais agradável.

À noite foi-se embora para casa, dirigindo o seu carrinho popular. Pouco depois toca o telefone na casa de Hermínio: era Elizete, que lhe pediu:
 “Bello, diz pro professor aí que eu realmente tive o prazer de conhecê-lo!”


Mais tarde Hermínio levou Silvino para um samba no morro da Mangueira. Era um encontro musical informal, reunindo artistas, músicos e compositores, uns conhecidos e outros ainda não.

Lá, ele foi apresentado a figuras conhecidas do samba carioca. Uma delas foi Beth Carvalho, que ficou encantada quando soube que Silvino também é botafoguense! Ele terminou a noite tomando um porre na companhia engraçadíssima de Stephan Necerssian! Que também é botafoguense!

Poucos anos depois, em viagem à Itália, Silvino visitou a Universidade de Bolonha, onde pretendia realizar curso de extensão universitária. Estava na companhia de seu amigo de infância, o bolonhês Vani Visani, conversando com o professor Lino Rossi. Este estava lhe explicando que, pelo seu currículo, Silvino deveria ser Professor Visitante. Neste momento foram interrompidos por Umberto Eco, autor de vários livros, mundialmente conhecido, sendo o mais famoso O Nome da Rosa, e a quem Silvino foi apresentado.

Saindo da Universidade, Vani levou-o para comprar vinhos num lugarejo chamado Savignano sul Rubicone. A Emilia-Romanha também é grande produtora do mundialmente famoso lambrusco.

Ao entrar na vinícola foram recebidos por Emilio Pericoli, cantor mundialmente famoso pela belíssima canção italiana Al di Lá. E que abriu uma garrafa de lambrusco para saudar o amigo Vani e seu ilustre convidado brasiliano, a quem tratou muito bem.

A conversa estava muito animada, acompanhada de vinho e um presunto da casa, quando a esposa do cantor interrompe, animada: “Elas chegaram!” Emilio pediu licença, e entrou em seus aposentos. Voltou já com uma elegante peruca, trajando um vistoso paletó amarelo, e foi para a porta receber as visitantes.

Elas eram turistas, a grande maioria constituída de italianas da terceira idade, que iam até lá para conhecer Emilio Pericoli. Este, extremamente gentil, muito solicito, posava com as fãs para fotografias.

E elas retribuíam o carinho comprando lambruscos, presuntos e outras lembranças de seu ídolo.


Antes de retornar para Cesenático, Vani perguntou-lhe se ele gostaria de conhecer o Rubicão, o rio que Júlio César atravessou após desferir a famosa frase “Alea jacta est!” (A sorte está lançada!) e partir em direção a Roma, o que era proibido aos generais de então.

Silvino ficou deslumbrado com essa chance de conhecer um lugar histórico, muito importante para a história do Império Romano, que tanto estudara em seu ginásio no Colégio Pio X. E deram uma esticada para ver o rio.

Mas ele não estava preparado para o que o esperava. Pois o Rubicão estava resumido a um simples regato, cheio de tudo o que era sujeira: pneus furados, geladeiras, sacolas plásticas, cartazes de propaganda eleitoral e muitos outros dejetos...

Uma lástima. Uma grande decepção. E Silvino encerrou por ali a sua visita à Itália.


comente via facebook
COMENTE
  1. E o melhor de tudo: só gente do primeiríssimo time. Hermínio, Elizeth, Beth, o velho Pericoli de "Candelabro Italiano" e o grande filósofo. Crônica deliciosa.

    ResponderExcluir
  2. Silvino me foi apresentado por uma das figuras mais fascinantes de Pombal, nos anos 60 - Nena Queiroga, dona do Primeiro Cartório da cidade, ruiva e de olhos azuis como a Deborah Kerr da Rita Lee - culta e muito viajada. "É um menino-prodígio, Solha!"

    ResponderExcluir
  3. Salvas para José Mário Espinola ...o irmão da figura que nos contou algumas das muitas( talvez) histórias que ficaram antológicas!!!
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir
  4. Sou muito grato às palavras tão simpáticas e estimulantes que nos têm sido dirigidas, por leitores tão seletos!

    ResponderExcluir
  5. Caro José Mário
    Convivi com Silvino um bom pedaço de minha vida profissional, nos corredores do Departamento de Comunicação e Artes da UFPb, desfrutando de uma verve ímpar e de modo de ser que impressionava, o que me faz lamentar, hoje no ocaso da vida, que tenhamos perdido essa convivência tão salutar.
    Resta o lamento pelo afastamento temporal.
    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Raquel A. N. da Costa30/11/20 10:45

    Parabéns, Dr. José Mário.
    Crônica de mestre.

    ResponderExcluir

leia também