Em dezembro de 1864, tropas paraguaias atacaram e ocuparam um forte no Mato Grosso e apresaram, no rio Paraguai, um navio mercante brasile...

O Voluntário da Pátria e o Poeta dos Escravos

ambiente de leitura carlos ensaio pesquisa flavio ramalho brito maciel pinheiro castro alves abolicionismo guerra paraguai joaquim nabuco
Em dezembro de 1864, tropas paraguaias atacaram e ocuparam um forte no Mato Grosso e apresaram, no rio Paraguai, um navio mercante brasileiro. Iniciava-se o mais grave e duradouro (mais de cinco anos) conflito que já houve entre os países da América do Sul, a Guerra do Paraguai, como ficou, aqui, conhecida a luta da Tríplice Aliança (Brasil, Argentina e Uruguai) contra o Paraguai.

O enfrentamento entre brasileiros e paraguaios se deu em razão de antigas divergências, com respeito às fronteiras entre os dois países, à necessidade de garantia da utilização pelo Brasil da navegação através do rio Paraguai (que era a principal via de acesso ao Mato Grosso), e, principalmente, devido a um reordenamento nas relações entre Brasil, Argentina e Uruguai, que os paraguaios julgavam prejudicial aos seus interesses na região.

A “Maldita Guerra”, como o historiador Francisco Doratioto denominou sua alentada obra sobre a conflagração (Companhia das Letras, 2002), deixou como saldo o quase total aniquilamento da população masculina do Paraguai que, ao final da guerra, era constituída, em sua maioria, por menores de 10 anos. Do lado dos aliados, as baixas também foram numerosas.

Para o historiador José Murilo de Carvalho, “a guerra parecia desigual por jogar, contra o Paraguai, Brasil, Argentina e Uruguai. Mas, olhando pelo lado militar, no Brasil só a Marinha estava preparada para a guerra”. Ao contrário do despreparo brasileiro para a guerra, o Paraguai fazia dois anos que se preparava militarmente para o conflito. Na época, o exército do Brasil tinha um efetivo bastante modesto e uma organização muito precária. As tentativas de compor as tropas arregimentando a Guarda Nacional, estabelecendo cotas de recrutamento por cada Província, não tiveram muito êxito. A Guarda Nacional era uma força civil, que havia sido criada em 1830, comandada pelos “coronéis” regionais e os seus quadros de comando eram compostos pelas elites locais, que resistiram em ir para a guerra.

A saída para constituir as tropas que iam combater no Paraguai foi, então, a criação do chamado “Corpo de Voluntários da Pátria”. Foi esse agrupamento, formado pelo alistamento voluntário de pessoas, principalmente nos Estados do Norte e Nordeste, que forneceu o principal contingente do exército brasileiro.

Para cumprir as cotas de recrutamento estabelecidas para cada Província, houve, também, os chamados “voluntários da corda”, que eram, principalmente, escravos arregimentados à força para completar a cota de combatentes que fora determinada, como foi o caso de trinta “voluntários” que foram trazidos acorrentados da cidade de Pilar, “todos de gargalheiras ao pescoço”, para a capital da Paraíba, conforme registrou o historiador paraibano Adauto Ramos, no seu livro “A Paraíba na Guerra do Paraguai”.

No entanto, o chamamento para compor o Corpo de Voluntários, ao mesmo tempo, inspirou o patriotismo de muitos jovens idealistas, que, voluntariamente, se apresentaram para formar nas forças nacionais. Houve casos marcantes, como o da cearense Jovita Alves Feitosa, que vestida com trajes masculinos se alistou no Piauí, e o do filho de africanos forros Cândido da Fonseca Galvão, o baiano Príncipe Obá, que comandou trinta dos seus “súditos” e voltou da guerra como alferes, passando a residir no Rio de Janeiro, tendo acesso direto ao Imperador Pedro II.

O chamamento para compor o corpo de Voluntários da Pátria também sensibilizou vários acadêmicos de Direito, como aconteceu com alguns estudantes da Faculdade de Direito do Recife, dentre eles o paraibano Luiz Ferreira Maciel Pinheiro, então quartanista do curso.

Luiz Ferreira Maciel Pinheiro, que ficou comumente conhecido como Maciel Pinheiro, nasceu, em 1839, na capital da então Província da Paraíba, onde fez os estudos básicos. Em 1860, ingressou na Faculdade de Direito do Recife e passou a atuar na imprensa da capital pernambucana, publicando poesias e escrevendo artigos em vários jornais.

Em 1863, Maciel Pinheiro fundou e assumiu a direção de um “periodico scientifico e litterario”, chamado O Futuro, onde foram publicados, pela primeira vez, vários poemas de um jovem baiano de dezessete anos, que chegara ao Recife para cursar Direito e de quem Maciel Pinheiro ficara muito amigo.
O jovem baiano chamava-se Antônio Castro Alves e ficaria conhecido, pouco tempo depois, como o “Poeta dos Escravos”.

Naquela época, a Faculdade de Direito do Recife tinha entre os seus acadêmicos, além de Maciel Pinheiro, Tobias Barreto, Fagundes Varela, Castro Alves, José Higino, Martins Junior e outras tantas expressivas figuras que fizeram com que o período fosse considerado como o mais brilhante na história da Academia recifense.

Quando cursava o quarto ano de Direito, Maciel Pinheiro publicou, em um jornal do Recife, críticas a um professor da Faculdade. Em razão disso, foi punido pela Congregação com a penalidade de prisão, por quatro meses, nas próprias dependências da Faculdade, punição absurda e anacrônica, herdada do regulamento da Universidade de Coimbra, mas, à época, ainda aplicável em Pernambuco.

Em protesto contra a punição aconteceram várias manifestações dos estudantes, em solidariedade a Maciel Pinheiro, onde se destacava a voz já luminosa e inflamada do jovem Castro Alves. Para Jorge Amado: “será Recife quem fará do poeta um agitador e um líder. Desta cidade a voz de Castro Alves levantará as bandeiras da Abolição e da República [...] Recife será sua melhor tribuna”.

Quando da partida de Maciel Pinheiro, como voluntário, para a guerra do Paraguai, Castro Alves lhe dedicou um poema com o título “A Maciel Pinheiro”, depois incluído no seu livro “Espumas Flutuantes”, único publicado em vida pelo poeta baiano.

ambiente de leitura carlos ensaio pesquisa flavio ramalho brito maciel pinheiro castro alves abolicionismo guerra paraguai joaquim nabuco

“Partes, amigo, do teu antro de águias, Onde gerava um pensamento enorme, Tingindo as asas no levante rubro, Quando nos vales inda a sombra dorme... Na fronte vasta, como um céu de ideias, Aonde os astros surgem mais e mais... Quiseste a luz das boreais auroras... Deus acompanhe o peregrino audaz.”

O cognome “Peregrino Audaz”, que finaliza as seis estrofes do poema de Castro Alves, ficou como uma marca que Maciel Pinheiro carregou pelo resto da sua vida. Nas Notas finais do livro “Espumas Flutuantes”, Castro Alves se refere, mais uma vez, ao amigo paraibano:


“Maciel Pinheiro é um destes moços que simbolizam o entusiasmo e a coragem, a inteligência e o talento nas Academias. Poeta e jornalista o moço estudante, aos reclamos da pátria, improvisou-se soldado. Hoje que o tempo e a distância nos separam é me grato falar de um dos mais nobres caracteres que tenho conhecido”.

Maciel Pinheiro voltou da guerra doente, acometido pela malária, mas conseguiu concluir o curso de Direito e passou a atuar na área jurídica. Foi promotor no Rio Grande do Sul, juiz no Recife e em comarcas no interior de Pernambuco e, depois, por perseguição pelas suas ideias, foi transferido para o interior do Pará. Como escreveu seu amigo Martins Junior, “era o tempo em que se castigava pelo crime de abolicionismo”.

Inconformado com a transferência que lhe fora imposta pelo governo imperial, Maciel Pinheiro solicitou licença do cargo de juiz. Negada a licença, decidiu abandonar a magistratura. Na ocasião, o escritor e líder abolicionista pernambucano Joaquim Nabuco publicou, na primeira página do jornal O Paiz, do Rio de Janeiro um longo artigo, que tinha como título “Maciel Pinheiro”:


“em toda a imprensa brasileira não há um homem igual. Há outros que escrevem com mais imaginação e, portanto, com mais brilho [...] Não há nenhum, porém, cuja pena corte, como uma espada afiada, como a dele [...] Em Maciel Pinheiro o jornalista é o homem. Pobre, combatido por uma enfermidade cardíaca, pai de família que, a presente, de um dia para o outro ficou ao desamparo, ele quer morrer na imprensa como José Bonifácio morreu na tribuna. [...] Estudante ainda, Maciel partiu para a guerra do Paraguai como voluntário da pátria, o Castro Alves, que conhecia pela atração que sentia por ele[...] deixou o nome do seu companheiro soldado gravado nas suas belas estrofes”

Abandonando a magistratura, Maciel Pinheiro voltou para o Recife dedicando-se inteiramente à imprensa, fazendo dos jornais as trincheiras de lutas na defesa dos seus ideais, a abolição da escravidão e a instauração da República no Brasil.
Desde o tempo do jornal O Futuro e, depois, em A Província, Maciel Pinheiro desenvolveu intensa campanha contra o sistema escravista vigente no País, inclusive denunciando casos de atrocidades contra escravos acontecidas na Paraíba. Por essa sua combativa participação em favor da extinção da escravidão no Brasil ele é considerado um dos principais nomes do movimento abolicionista brasileiro.

Em junho de 1889, Maciel Pinheiro e Martins Junior, seu amigo e contemporâneo da Faculdade de Direito, fundaram, no Recife, o jornal de propaganda republicana O Norte. Durou pouco tempo a contribuição do paraibano ao jornal. Debilitado pela enfermidade contraída na guerra do Paraguai, Maciel Pinheiro faleceu, no Recife, na sua casa da Rua da Aurora, no dia 9 de novembro. Ainda não chegara aos 50 anos e faltavam apenas seis dias para que fosse implantada a República no País, regime pelo qual o jornalista tanto se batera. Para o político e historiador paraibano Tavares Cavalcanti, Maciel Pinheiro “foi dos que avistaram de longe a Terra da Promissão, mas nela não puderam entrar”.

Quando da instauração do regime republicano no Brasil, Maciel Pinheiro foi reverenciado, em várias partes do país, como um dos maiores propagandistas da República, como se observa em uma edição, do dia 15 de novembro de 1889, do jornal Libertador, de Fortaleza:

ambiente de leitura carlos ensaio pesquisa flavio ramalho brito maciel pinheiro castro alves abolicionismo guerra paraguai joaquim nabuco
Pouco tempo depois da morte de Maciel Pinheiro, a Paraíba Republicana rendeu homenagens ao seu destemido filho. Foi dado o seu nome às principais ruas do comércio, da capital do Estado e de Campina Grande. No Recife, a cidade que foi o palco das lutas do indomável abolicionista e republicano, foi denominada de Maciel Pinheiro a Praça Conde d’Eu, localizada no bairro central da Boa Vista, que fora construída em homenagem à vitória brasileira na guerra do Paraguai. Várias cidades do Brasil também prestaram homenagens a Maciel Pinheiro, colocando o seu nome em ruas e praças.


DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!
  1. Importante resgate histórico.

    ResponderExcluir
  2. Parabén👊👊👊👊👊 Flávio Ramalho de Brito... maravilhoso texto..histórico e bem didático da nossa hustoria ..nos especificos tópicos e personagens participantes e marcantes da nossa génese.
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir

leia também