Nos mais de 20 anos que escrevo sobre e para as mulheres, foram tantos assuntos! Opressão feminina, domesticidade, invisibilidade das mulh...

Com as mulheres

literatura paraibana cronica feminismo mulheres escritoras marina colasanti maya angelou frases
Nos mais de 20 anos que escrevo sobre e para as mulheres, foram tantos assuntos! Opressão feminina, domesticidade, invisibilidade das mulheres. Solidão feminina. Construção de identidades e problemas de gênero. As solteiras, as casadas, as separadas, as viúvas e todas, ou quase todas, as suas circunstâncias. Vida sexual, conquistas e tabus enfrentados. Meninas x Meninos! Menstruação e menopausa, e suas curvas de cólicas e insônias.

Escrevi também sobre violência doméstica, estupro, assédio e todo esse horror das mulheres mortas. Esse, o assunto que mais dói, atravessa séculos e feminismo nenhum dá conta. Assim como a tripla jornada e a divisão das tarefas ditas domésticas. O privado versus público e também o significado disso.
literatura paraibana cronica feminismo mulheres escritoras marina colasanti maya angelou frases
Há tantas décadas vimos as tais ondas do feminismo e todo o movimento e agendas a que se pertence.

Escrita feminina? Poeta ou poetisa? Os caminhos do texto! Marina Colasanti e tantas outras teóricas, o tanto que me responderam, algumas vezes, sobre o existir dessas letras.

A loucura feminina, a histeria, e também o que Freud des-entendia sobre as mulheres! Essa pauta é também uma tristeza. Assistir ao des-mantelo da sanidade das mulheres, quando não tinham saída para seus desejos mais sombrios. O suicídio como estratégia dessa fuga. E quantas vidas perdidas nesses mares do não dito e do não vivido.

Já escrevi também sobre as primeiras que tanto pensaram e se anteciparam e deixaram o rastro de suas ideias feministas, mesmo que o termo ainda não existisse como tal: Safo, Christine de Pisano, Artemisia Gentileschi, Jane Austen, Mary Wollstonecraft e Maria Firmina dos Reis, só para citar algumas precursoras!

Sobre os encontros e des-encontros das mulheres consigo mesmas ao longo de séculos. Os jardins de Alice Walker, a poesia de Maya Angelou; os quartos de Virginia Woolf; a solidão das mulheres de Clarice Lispector; o papel de parede de Charlotte Perkins Gilman; as lobas de Clarissa Pinkola Estés; a maternidade e todas as suas complexidades que Adrienne Rich desvendou e desarticulou finalmente o
literatura paraibana cronica feminismo mulheres escritoras marina colasanti maya angelou frases
não/desejo de ser mãe e as não delícias desse lugar sagrado e inquestionável que nos impõe. O tornar-se mulher de Simone de Beauvoir; As loucas das casas de Rosa Montero; o feminismo branco, negro, lésbico. Francês, inglês, americano, e brasileiro – todas as suas diferenças, abordagens, agendas e vivências.

Também assisto a negação do feminismo por outra Onda, talvez a Quarta, em que os movimentos midiáticos e suas mulheres nela representadas acham que tudo já estava pronto quando vimos as Guerrilas Girls encapuzadas desfilarem de vadias, re-significando o termo e se apropriando desse mesmo termo. Mas aí já não foi na terceira Onda? E os mares revoltos da divisão das demandas. Faça você mesmo! Use batom e sutiã e salto alto! O resgate de símbolos ditos femininos, mas agora com o lugar de fala. E de escolha.

Por isso, passado o dia 8 de Março, mas ainda em pleno “mês da mulher”, continuo aqui celebrando as conquistas de tantos séculos, de tantos nomes, extraordinárias e anônimas; nossas incompletudes, sororidade, poderes tantos e tão menos ainda, mas a alegria feminina. Aquela que transforma as maiores adversidades em sabedoria.

Viva as Mulheres!

comente

leia também