Há mais de trinta anos Firmo Justino, jornalista que entrou para a Magistratura da Paraíba, retornando às paisagens do Convento São Franc...

O Convento e seus mistérios

literatura paraibana convento sao francisco joao pessoa
Há mais de trinta anos Firmo Justino, jornalista que entrou para a Magistratura da Paraíba, retornando às paisagens do Convento São Francisco, numa crônica antológica, disse que foi satisfatório passear pelo maravilhoso conjunto arquitetônico barroco, e convidou a todos para visitar aquele lugar. Mesmo que fosse uma única vez, narrava, quem olhasse para as velhas paredes carregadas de histórias, as imponentes capelas ornamentadas com belas pinturas e imagens, como também observasse as peças sacras de incomum beleza, além do horto que exala o perfume silvestre, dali sairia com o desejo de retornar.

Na época da visita do meu amigo, o convento tinha sido restaurado, estava ainda mais imponente e carregava, como ainda mantém, o encantamento do magnífico conjunto arquitetônico barroco. Quem passear por seus longos corredores de largas paredes, pisar no assoalho de madeira dura e olhar as peças ornamentais que a mão humana moldou, silencia e escuta a quietude do lugar.

Se eu fosse rei ou imperador, assim como nas estórias que ouvia no tempo de criança no nosso sítio, em Serraria, recomendaria aos professores a levar seus alunos a este maravilhoso local, onde estão guardadas muitas histórias que ajudam a entender o passado da Paraíba, porque falam como um livro aberto.

Para amar o lugar onde nascemos, é por demais importante conhecer sua história, sabiamente profetizava Nathanael Alves.

Estive pela primeira vez no São Francisco, em 1979. Foi quando, por inspiração de Dom José Maria Pires, o poeta Waldemar José Solha e o maestro José Kaplan montaram a “Cantata pra Alagamar”, apresentada numa noite que me deixou abismado pela aclamação ao espetáculo e pela imponência do conjunto arquitetônico onde o evento aconteceu.

Então, após as revelações de Firmo Justino, levei minha filha Angélica para conhecer aquela inconfundível obra de arte. Grande foi sua admiração, apesar dos nove anos de idade. Pouco indagava, mas o semblante e os olhos arregalados davam pistas de seu encantamento ao contemplar detalhes dos corredores, as grossas paredes e as imagens pintadas no teto das capelas.

Todas as vezes que volto àquele lugar, vagueio na imaginação colhendo remotas imagens e histórias que os livros abordam, desde a fixação das pedras sobre pedras, conduzidas por muque humano até chegar a imponente edificação que conhecemos. Entre as paredes, o silêncio de Deus se manifesta em nós.

Em cada recanto observava-se misterioso silêncio. O vento entrando pelos janelões, espalhando-se pelos móveis antigos, caminha ao nosso lado durante o passeio pelas celas, extensos corredores e o horto florestal recebe a todos com seu frescor.

Meu amigo tinha razão quando convidou-nos a visitar o convento franciscano, e olhar por dentro a fabulosa obra de arte que eles deixaram.

O prédio com a torre apontando para o céu, o cruzeiro que nos recebe à entrada e seus arredores, tudo espalham emoções. Essas imagens carregamos pelo resto da vida.

- Não é uma beleza?...

A menina respondeu com acena da cabeça, e curtas palavras que tento relembrar.

Quase três décadas depois, a filha conduziu meu neto para igual visita, quando a pandemia nem dava sinais.

O convento franciscano continua com seus mistérios, criando emoções aos que ali se dirigem, mesmo em tenra idade.

comente
  1. Tenho três lembranças marcantes da igreja de São Francisco: a da estreia da Cantata pra Alagamar- que você viu em 79 -, na verdade no anexo do monumento, a capela da Ordem Terceira. Na igreja propriamente dita, na semana santa de 2004, vi, extasiado, que a Professora Ilza Nogueira pusera meus versos do Oratório Via-Sacra em deslumbrantes criações de Stravinsky, Alban Berg, De Falla e Mahler, com orquestra e coro regidos pelo maestro Carlos Anísio, coreografia de Rosa Angela Cagliani, narrações de Zezita Matos e Osvaldo Travassos. Mais do que qualquer ser humano merece. O terceiro momento aconteceu quando, a serviço do Banco do Brasil, eu passava a pé na rua de trás do convento e, através da cerca, vi o imenso Luiz Carlos Vasconcelos a brincar com um bando de crianças no espaço da terceira foto, acima. "São Francisco!" - pensei, unindo a cena ao cenário em que se passava. Momentos que não se vão, jamais, de minha memória.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns José Nunes..brilhante texto!!👊👊👊👊👊
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir

leia também