Quando comecei na literatura, existia uma história de que livro que não fica em pé sozinho na estante não tem valor. Claro, isso tinha...

Livro bom não é para ficar preso em estantes

literatura paraibana habito ler livro fino doar livro
Quando comecei na literatura, existia uma história de que livro que não fica em pé sozinho na estante não tem valor.

Claro, isso tinha a ver com a espessura do livro, não com a qualidade do seu conteúdo. Eu morria de medo de publicar um livro que não chamasse a atenção favorável de ninguém.

Mas meu primeiro livro de poemas foi magro que só eu na época – Os zumbis também escutam blues.

Eu pesava 52 quilos, com 1,80 de altura. Imagina a presepada!

literatura paraibana habito ler livro fino doar livro
O livro era fininho, fininho, mas até hoje é um de meus preferidos e foi minha carta de apresentação na poesia.

O outro livro – Intervalo Lírico - já veio um pouco mais cheinho em termos de páginas, mas ainda era magro, porque eu, feito menino ruim, continuava sem engordar.

Metáforas para um duelo no sertão – o terceiro – já chegou eu com a barriga querendo virar uma bola dentro da camisa. Talvez por isso seja o livro com mais páginas, bem nutrido de poemas e de folhas.

O quarto – Tara e outros otimismos – falava dos prazeres da carne, e nessas horas não dá para ficar olhando quem é cheinho ou magrinho.

No frigir dos ovos, meus livros acompanharam minhas variações físicas também. Se ficaram em pé na estante? Ora, o bom livro não é para ficar preso em estantes, feito pássaro em gaiola.

Têm que voar mesmo! E os meus voaram, tanto que não tenho mais exemplares deles. Graças a vocês, claro!

Não é segredo para ninguém que estou sempre comprando, ganhando e/ou lendo livros.

Já tive muito apego ao livro enquanto objeto físico, apego aqui no sentido de não querer me desfazer dele.

Hoje já não tenho tanto apego assim e acho que ele deve circular mesmo - após ser lido por um, que seja por outras pessoas.

Só não me desfaço de jeito nenhum de alguns livros clássicos que gosto muito – como Irmãos Karamazov ou O Vermelho e o Negro. Também não me desfaço de livros autografados.

Nos últimos anos, uma outra categoria entrou nesse rol: o de livros de e sobre religiões. É um tema que mexe e muito comigo. Para reflexão e leitura mesmo, não necessariamente pensando em algo (embora não descarte um dia fazer doutorado na área).

Não sou religioso, no sentido de praticar rituais de alguma religião (afora orações cristãs e yoga), mas gosto de estudar e ler sobre o tema.

Gosto mais de ler sobre o Budismo e o Cristianismo. Leio simultaneamente, e diariamente, livros dessas duas doutrinas, inclusive a Bíblia e os sutras budistas.

Mas livros sobre qualquer religião me despertam interesse imediamente. Os mitos e ritos, a teoria e a prática, a história e análise.

É isso!

comente

leia também