Aconteceu à véspera do Natal de 1859. Com dona Tereza Cristina, a imperatriz, a reboque, Dom Pedro II desembarcou do APA, no Porto do Vara...

O Imperador na pequena Pilar

historia viagens imperador pedro ii nordeste anotacoes
Aconteceu à véspera do Natal de 1859. Com dona Tereza Cristina, a imperatriz, a reboque, Dom Pedro II desembarcou do APA, no Porto do Varadouro, ainda profundo o suficiente para receber, em plena João Pessoa, o vapor da frota imperial.

No dia seguinte, cedo da manhã, ele pegava o rumo de Pilar, na época o coração da Zona Canavieira da Paraíba. Viagem feita a cavalo, com dona Tereza, numa carruagem, a tomar poeira. Cavaleiro exímio, o homem puxou o ritmo da marcha e, logo mais, com sua comitiva, batia à porta do Engenho São João para o desjejum.

Casarão antigo do Engenho S. João ▪ Santa Rita/PB ▪ Agnaldo Farias
O romancista José Lins do Rego – aparentemente baseado na conversa dos mais velhos, ouvida à mesa do Engenho Corredor, onde nasceu – escreveu que na parada seguinte, a do Engenho Maraú, o grupo desmontou para o almoço e o descanso dos animais. Ali, um pé de fruta-pão exibia-se com sua melhor carga. Servido de uma bacia para lavar o rosto e as mãos, Dom Pedro contemplou nuvens pesadas que então se formavam: “A atmosfera está carregada”, observou. O barão de Maraú, dono da casa, olhou para a árvore e, todo solícito, deu sequência à conversa: “Vossa Majestade não viu nada. Carregada estava no ano passado. Era cada atmosferão”...

historia viagens imperador pedro ii nordeste anotacoes
Ruínas da capela do Engenho Maraú ▪ Santa Rita-PB ▪ Paraíba no Passado
É do mesmo José Lins a história da prisão do presidente da Câmara Municipal de Pilar, um parente seu, que recebera bom dinheiro a fim de preparar a cidade para a mais importante visita de toda a história. Quase nada havia sido feito. Dom Pedro chegou à casa onde deveria pernoitar, jogou o chapéu-do-chile no chão e deitou-se na rede do pedreiro.

Passei um tempão a acreditar nessa história até pôr as vistas no livro do historiador Maurílio de Almeida, “Presença de Dom Pedro II na Paraíba”. Ele a desdiz, completamente. O romancista, neste ponto, teria falado mais alto do que o memorialista que José Lins também era. Aliás, todos os volumes do chamado “Ciclo da Cana de Açúcar”, a sua essência literária, são um misto de ficção e realidade. Mas, o que seria desses enredos sem as artes e o poder de criação do autor? Pois bem, Maurílio teve acesso, em Petrópolis, às anotações feitas, do próprio punho,
historia viagens imperador pedro ii nordeste anotacoes
Pedro II Arq. Nacional
por Dom Pedro II acerca dessa viagem. E as reproduziu, fielmente, na obra com que brindou a Paraíba e sua história.

Impressionante a forma detalhada como o Imperador descreve o Pilar daqueles tempos. A Igreja e a Casa de Câmara e Cadeia, uma de frente para outra, as ruas em paralelo com o rio e o fogo lambendo o canavial a poucos passos dos quintais. É incrível como a paisagem pouco mudou por ali.

Sugeri a Heitor Maroja, então presidente da Fundação Menino de Engenho, que se valesse dos préstimos do primo Odilon Ribeiro Coutinho – adepto da Monarquia e seu defensor no plebiscito de 1993 – para tirar cópia das notas de Dom Pedro, a fim de exibi-las no arremedo de museu que, na ocasião, tentavam implantar na mesma Casa de Câmara e Cadeia, onde o Imperador concedeu beija-mão à sociedade paraibana. Humberto Lucena — presidente do Congresso Nacional e outro primo de Heitor — conseguiu, no governo de Sarney, a restauração desse prédio com técnicos e recursos do Iphan.

Era uma época na qual Dom Joãozinho, um dos príncipes inscritos na ordem de herdeiros da Coroa, desembarcava na Paraíba em campanha pela volta da Monarquia. Odilon o recepcionava. Dias depois, Heitor me contava que sua proposta fora bem recebida. De todo modo, a ideia não avançou: morreu com meu velho amigo e com o projeto de ascensão ao trono dos príncipes brasileiros.

GOSTOU? DEIXE O SEU COMENTÁRIO!
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!
  1. É isto mesmo, caro amigo.
    Infelizmente a memória dos nossos conterrâneos é muito curta.
    Não interessa se somos monarquistas ou republicanos e sim o resguardo dos fatos que formaram nossa terra, nossa gente.
    Fruto desse descaso, nossa memória cada vez se esvai com mais celeridade, digamos, pois o tempo é inclemente e muito exigente.
    Se não resistirmos às suas investidas, caminharemos a passos largos à falência das nossas lembranças, mesmo aquelas que muitos imaginam como duradouras, pois materializadas em pedra e cal.
    Mas, essas, infelizmente, também são fungíveis.

    ResponderExcluir
  2. Teria sido interessante encerrar o texto com as próprias palavras de Dom Pedro II sobre a essa passagem pela Paraíba.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Guto.
      Obrigado por sua participação no ALCR.
      Pensamos que o propósito do autor, em sua excelente narrativa, foi de instigar o leitor a interessar-se em ler a fonte da qual ele se abeberou, ou seja, o livro do historiador Maurílio de Almeida, que apresenta detalhes, inclusive fotográficos, das impressões de Pedro II sobre a Paraíba, obtidas em sua pesquisa no museu de Petrópolis.
      Além disso, não podemos descartar o intuito do jornalista Frutuoso Chaves em nos presentear futuramente com mais um capítulo da passagem do imperador nas terras paraibanas.
      Volte sempre e seja sempre bem vindo!

      Excluir
  3. O único governante do nosso País, D.Pedro II, depois dele só roubo e mentiras até os dias atuais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corrigindo, : Único governante HONESTO que o Brasil teve até os dias atuais .

      Excluir
  4. Obrigado pelo texto! Resgatar a história será sempre uma empreitada nobre.

    ResponderExcluir

leia também