Se antes já desconfiava, hoje tenho certeza: a cidade de Princesa Isabel, na região dos Cariris Velhos, é a Macondo da Paraíba. Lá, a saga...

Três princesenses

livros autores paraibanos territorio livre princesa
Se antes já desconfiava, hoje tenho certeza: a cidade de Princesa Isabel, na região dos Cariris Velhos, é a Macondo da Paraíba. Lá, a saga de outros Aurelianos Buendias se desenrola desde 1930, quando esse território paraibano se declarou livre e independente do governo estadual.

Àquela altura dos acontecimentos, o insurrecto Coronel José Pereira sequer fazia ideia de que estava fornecendo os ingredientes necessários para um livro que viria a ser escrito muitos anos depois: “O Dia dos cachorros” (Editora Bagaço, Recife, 2005),
livros autores paraibanos territorio livre princesa
PNTV
de Aldo Lopes de Araújo. Livro cuja atmosfera mágica, fantástica, o aproxima da melhor literatura latino-americana, pois o menino Aldo é quem conta a história, embora o faça sob o prisma do escritor amadurecido, que se assenhoreia exemplarmente dos recursos técnicos, estilísticos, em que a visão cartesiana do adulto cede lugar ao inusitado da lógica infantil.

Em suma, se todos cantam a sua terra, Aldo também canta a dele, embora a sua canção à urbe natal seja entoada a muitas vozes, pois, ouvinte atento, escutou as muitas histórias da revolta de Princesa, inclusive as que diziam respeito a Ronco Grosso, seu avô, para, só então, construir um painel no qual a alegoria e o sortilégio dão sustentação e verossimilhança ao maravilhoso.

Aliás, já não disse Mario Quintana que “A poesia é a invenção da verdade”? Pois bem. “O Dia dos cachorros” constitui uma narrativa mais fidedigna do que a de todos os livros de história já escritos sobre o Território Livre de Princesa. Ele e “A Dança do urubu”, de Otávio Sitônio Pinto, cujos contos giram em torno de episódios irrelevantes, prosaicos, mas que adquirem dimensões tais que extrapolam o meramente circunstancial dessa cidadezinha do interior da Paraíba que, certamente, não faz jus ao verso exclamativo e enfarado de Carlos Drummond de Andrade: “Êta vida besta, meu Deus!”

livros autores paraibanos territorio livre princesa
Mardson Medeiros
Enfim, declarada livre, independente, Princesa gerou nas suas entranhas dois meninos mágicos, submissos apenas ao vôo sem peias da imaginação: Aldo e Otávio Sitônio. Isso sem falar de Sebastião Lucena, que nem por ter dado a lume um livro de história – “1930: a história de uma guerra” –, deixou de contrapontear a verdade dos fatos com a da ficção, esta última também história, pois, fruto do imaginário popular, constitui um componente sem o qual o Território Livre de Princesa seria simplesmente varrido do mapa.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
  1. Muito grato, Sérgio. Saudade de você, dos tempos do Correio das Artes que, na época da sua editoria, ganhou o prêmio de "Melhor Divulgador Cultural do Brasil", pela Associação Paulista de Críticos de Artes de São Paulo, acho que no ano de 1980. O velho suplemento foi a escola de muito gente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ei, querido amigo. o prêmio foi em 1981. precisamos nos reunir, a pandemia, se Deus quiser, vai ser debelada. se dependesse do miliciano não. pois bem, oportunamente, vamos bater um papo. abraço afetuoso.

      Excluir
  2. Maravilha, Sérgio. Você tem razão - Princesa gerou gente extraordinária, brilhante, para a nossa literatura. Andei resenhando Aldo Lopes e Sitônio Pinto - fascinado.

    ResponderExcluir
  3. Caro Waldemar Solha, você nem imagina o quanto sua leitura turbinou os contos do livro ainda inédito e sem título. Muita areia pro meu caminhão precisando de óleo novo e aditivo. Senti o peso da responsabilidade depois disso e parti para uma copiosa carpintaria. O resultado foi surpreendente. Graças a você, meu amigo!

    ResponderExcluir

leia também