Num dia ensolarado, que poderia ser lembrado como marco do início de uma época abundante em benefício para a população, foi o começo de um...

A tabuleta de Custódio

proclamacao republica pedro ii rio antigo machado assis
Num dia ensolarado, que poderia ser lembrado como marco do início de uma época abundante em benefício para a população, foi o começo de uma fase nublosa da História republicana, composta de tipos humanos de abomináveis atitudes, podendo-se resumir em falcatruas e dilapidação do bolso alheio pelos atos praticados, que acontece em escala crescente.

Machado de Assis fala desses tipos no romance “Esaú e Jacó”, e historiadores de variadas tendências, ao longo do século, registram que por ocasião daquele 15 de novembro o povo saiu às ruas do Rio de Janeiro
proclamacao republica pedro ii rio antigo machado assis
15.11.1989 ▪ Deodoro da Fonseca e Quintino Bocaiúva percorrem as ruas do centro do Rio de Janeiro.
sem saber o que estava acontecendo, acreditando ser mais uma manifestação pública de apreço ao regime que, em quase meio século de vigência, tinha um velhinho de barbas branca bem-amado e admirado, cortês no trato para com seus súditos, por isso desfrutando do respeito da nação. Um Imperador que amava as Artes e abria caminhos para os saberes.

Três décadas depois, na mesma data, Lima Barreto recordaria a movimentação na rua, ele um garoto que presenciou muitas coisas, igualmente sem entender o que acontecia, tão desinteressada se apresentava a população naquele dia. Anos depois se comoveu com a morte da Imperatriz brasileira banida da convivência com o povo, que deixou muita gente cabisbaixa.

Ambos os escritores, de incontestável volume de sentimento e conhecimentos da arte de escrever, nos deixaram o retrato do regime que golpeou a Monarquia, numa repetição cabocla da cena da traição no Senado romano, quando César foi apunhalado por Brutus. “Até tu, Deodoro”, poderia ter dito Dom Pedro II, mas este preferiu o silêncio para evitar derramamento de sangue.

proclamacao republica pedro ii rio antigo machado assis
Pedro II (Pedro de Alcântara João Carlos Leopoldo Salvador Bibiano Francisco Xavier de Paula Leocádio Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Habsburgo-Lorena e Bragança), 1825—1891.
Atribui-se a Machado de Assis um texto no qual o Imperador teria implorado que nunca permitisse implantar no Brasil o sistema republicano, porque seria “o nascimento da mais insolente aristocracia que o sol jamais iluminou”. Ele declarou respeito pela Monarquia, e escreveu: “O imperador tem as duas qualidades essenciais ao chefe de uma nação: é esclarecido e honesto. Ama o seu país e acha que ele merece todos os sacrifícios".

No romance “Esau e Jacó”, Machado trata da descrença de Custódio que, com a chegada da República, estando num impasse quanto a tabuleta de identificação de sua loja comercial, se mantinha ou não o nome de “Confeitaria do Império”. “Vai que daqui a dois meses, se houve uma reviravolta”, diz o personagem, porque o povão não levava a sério o que estava acontecendo.


Em novembro de 1921, trinta e dois anos depois da deportação do monarca, Lima Barreto ressaltou que a República estava soterrada no lamaçal que preparou. Depois de passear pelos arredores da cidade, diante do estarrecedor quadro social da capital federal à época, sorumbático, escreveu:

“São será, pensei de mim para mim, que a República é o regime da fachada, da ostentação, do falso brilho e do luxo parvenu (novo-rico), tendo como repoussoir (contrataste, contraposição) a miséria geral”.

Se o cronista carioca qualificou a República que presenciou nascer como desprezível, grande seria sua angústia vendo os destroços dos tempos que se sucederam até o momento atual, mesmo com a suposta quebra das oligarquias em 1930. Se os poderosos perderam a ostentação de barão, ganharam outra rotulação, mas continuaram manipulando golpes, fabricam e escancaram falcatruas cada vez mais estrondosas, e rapam o cofre público... Essa é a República que nasceu contaminada, submissa aos mandões donos das terras e de almas humanas, submissa a estrangeiros, e que continua a espalhar migalhas.

Continuo com a menção de Machado de que a República para uma tabuleta apodrecida suspensa na parede, balançando-se ao vento, que pode despencar no instante em que encontrar um novo Spartacus ou Gandhi.

COMENTÁRIOS

leia também