Para quem nunca ouviu falar, a atividade divinatória das Pitás perdia-se no tempo, e era terreno exclusivo das mulheres. Houve um tempo...

As Pitás

romance literatura paraibana rendeira livro as pitas alberto lacet
Para quem nunca ouviu falar, a atividade divinatória das Pitás perdia-se no tempo, e era terreno exclusivo das mulheres. Houve um tempo, porém, quando a própria Pitá era viva e a filha sequer lhe fazia sombra, em que o pároco local investira pesado contra ela. Através dos sermões dominicais o padre Vicente Xavier de Farias (que receberia dos Dantas o apelido de Padre Veneno e que era tio do cordelista Leandro), buscou, sem sucesso, afastar a supostamente nefasta influência exercida por ela sobre as beatas da paróquia. Como não podia deixar de ser, o exegeta cristão falava em bruxaria.

Antigas e paroquianas ciumeiras estariam, pois, na base da crença popular generalizada nos dotes sobrenaturais de Pitá, a velha, dotes de herança que teriam naturalmente migrado em favor de Pitá, a jovem.
Porém, Ondina, mulher de poderoso senso prático não se ia deixar levar por tais crendices.

Porém, Ondina, mulher de poderoso senso prático não se ia deixar levar por tais crendices. .
.
Reconhecia na agílima anciã (cuja buliçosa natureza se mantinha entretecida num eterno manuseio de agulhas, dedais, monóculo, pêras, bastões, linhas, alfinetes, bilros, e toda uma minuciosa artilharia acantonada em delicadas caixinhas de madeira ou papelão, de onde os pinçava e trazia à luz para as delicadas tarefas, às quais, poucas ainda se propunham, e certamente sem dar-se conta de que a preciosa alfaia exibia, por si só, não apenas um misterioso poder de doma espiritual, mas exalava ainda certa aura de frescor e mistério, e que remontasse talvez às primeiras inovações trazidas das Cruzadas) o penetrante juízo. Acostumara-se àquele riso anárquico, ao talento para a histrionia das falas. Acreditava que ela havia puxado à singular inteligência da mãe, e essa, sabia Deus a quem.

Sabia o quanto Antonia de Pitá reverenciava a memória da mãe. Estava sempre recordando a infância passada entre os sítios Riacho Verde e Poços. Gostava particularmente de uma lembrança bem antiga..
.
É pequena, a brincar no terreiro. A mãe está em cima do calçadão, sentada por trás do almofadão. Debaixo dali, vê os braços da mãe movimentar-se, com apenas a cabeça por cima deles. Lembro de ver o rosto dela por cima e atrás do queixo e da garganta, dessa parte daqui, n’sabe? Estica o pescoço e vai passando a palma da mão da traqueia para a mandíbula, para descrever. Ela dixe: Vão brincar ali, mas não arenguem, Era pra gente descer o calçadão e ganhar o terreiro, às suas vistas, Segure a mão dela, Tatim, Era pra não cair. Quase não consigo enxergá-la com tanta luz. Tem luz vindo, luz voltando, vinda dos dois lados, jatos brancos, outros amarelados, azuis, tudo muito pálido, viu, se pelo menos ela ficasse com os mãos paradas, mas não, na minha cabeça vejo tudo ligeiro como aqueles bonecos de rodar no vento, feitos de lata, às vezes seus braços magros e transparentes se confundem com os jatos de luz, e a boca se abre na conversa que morre na minha lembrança, viu, o rosto também se mexe muito para os lados, e para cima, e ela fala, e fala, mas já não vejo com quem, e ri, e acontecia dela sempre rir enquanto falava, fia, acho que é por isso que dizem que puxei muito a ela, ora mas se não era de puxar. Mas depois vem a lembrança daquele cachimbo, sem caber direito, mas que gostava de pitar, isso gostava.

O nome Pitá? Mas você n’sabe? É história conhecida, fia. Professor Batista ensinava as letras que era somente para os homens que havia de votar, pois vivia de dizer que um dia ia de ter o voto, que o rei menino era fraco do juízo, e tudo mais, de forma que foram todos para debaixo do alpendre e ninguém viu quando ela se escapuliu e correu até lá, e quando chegou estavam todos fumando pra desanuviar a cabeça e aí ela parou de supetão, com todos de olho pregado nela, e foi quando Batista a chamou e a pôs no meio das pernas, e ficou passando a mão no cabelo dela, Ô galeguinha mais bonita, também quer aprender, quer, disse ele, Mas que coisinha mais linda, e pra quê, e aí ela encheu a boca: Pra pitar tombém. Foi aquele risadeiro, fia, e naquele ano de 48 não se disse outra anedota nos sítios da região. .

Mas lembro dela pitando, sim. Mas não pode ser dessa hora, deve ser de outra que se misturou. Deve ser por isso que eu via os bilros feito uns cachimbinhos. A vida inteira me lembro dela assim, falando e trançando a renda, desaparecendo no meio da fala, transvazada de luz. Pobrezinha da minha mãe. Gente que só, fia, vinha de longe pra ouvir o que a bichinha dizia, mas disso só sei hoje, daquele tempo só lembro disso mesmo, e da voz dela, muito fina, esganiçada, sempre dando fé da gente, quando eu pegava alguma coisa, um bicho do chão, lagarta, dela botar sentido e gritar do alto do calçadão, Antonia largue disso, de largar morrendo de medo”.
(Do Romance “O Verniz dos Santos Policromados”, Alberto Lacet, 2014)
disponível na Amazon

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!

leia também