Quem nasce desastrado tende a seguir assim. Então, o que rendeu um crônica meio que autobiográfica necessita de atualização e rememoriz...

Que desastrado! (II)

cronica desajeitado desastrado mancadas
Quem nasce desastrado tende a seguir assim. Então, o que rendeu um crônica meio que autobiográfica necessita de atualização e rememorização dos fatos. Após o estrondoso sucesso do epsódio um, quando foram revelados acontecimentos como o celular voador pela janela do carro e a faca saltitante e um quase "autosuicídio" (licença poética ao extremo gente!), agora o amigo desastrado surge em novas aventuras (ou desventuras).

Para acompanhá-las sugiro uma xícara de café. Alias, um dos desastres teve origem justamente no pretinho preferido do brasileiro. Após saborar a bebida nacional no trabalho, o caro amigo resolveu guardar a xícara na mochila como o faz rotineiramente. Colocou dois pedaços de papel
toalha dentro dela para evitar que algum pingo restante causassee estragos, já que levava a mesma para lavar em casa.

Só esqueceu que não havia tomado todo o conteúdo do café que estava na xícara, que restava um dedo (medida nacional utilizada para dividir desde pedaços de alimentos, passando para medir distância e até uma prosa, como para o uso medicinal, no caso, proctológico). Bom, xícara devidamente guardada e a garantia de um aroma forte e molhado de café no interior da mochila. Após um banho e uma limpezinha a mochila escapou do afogamento por café.

Outra recente aventura do nosso amigo parceiro do desastre foi o assassinato do notebook companheiro de longa jornada. Após anos de excelentes serviços prestados, eis que um belo dia o amigo proprietário do computador decide repentinamente mudar de posição enquanto fazia uso do equipamento. Abruptamente levanta e puxa a cadeira onde estava acomodado. A cena é trágica. O notebook, feito um atleta olímpico de saltos ornamentais, pula num mergulho de cabeça. Melhor dizendo, de teclado e tela. O pouso não foi em uma piscina, o que também seria fatal para o computador. A aterrisagem foi no piso do apartamento. Pane geral e morte confirmada após tentativas de ressuscitamento.

As trapalhadas mais recentes trazem à tona reminiscências do passado.

Colisões? São vários os relatos. Como o dia em um certo hotel em Foz do Iguaçu quando, vidrado com a beleza das piscinas, tentou atravesssar a parede de vidro. Teve ainda o caso patriótico da colisão com uma chaleira de água fervendo. A queimadura, que o tempo fez desaparecer, ficou na barriga no formato do mapa do Brasil.

Eis que surge o relato de um acidente esquecido/omitido na versão umde “Que desastrado!”. Quando garotinho (criança, não confundir com o político), aluno de colégio de freiras, deu aquela vontade de ir ao banheiro, finda a aula. Ele devia ter uns cinco anos e já demonstrava talento para o desastre. Eis que zap e o zíper da calça zump. Por um misto de pressa, azar e coisas inexplicáveis o mecanismo de fechar a roupa cravou a pele de um passarinho muito importante. A sensação, digamos, não foi nada auspiciosa.

Após o pedido de socorro feito à pobre mãe que aguardava do lado de fora do banheiro foi constatado que o caso era mais grave do que parecia. Forçar o zíper, graças a Deus, foi logo descartado. A saída foi médica, hospital, emergência. Com anestesia total, uma calça rasgada, o cuidado da equipe médica e um pequeno corte, o passarinho escapou com todas as funções preservada, o que foi fundamental. Claro, restou uma vergonha monstruosa no retorno à escola. Ninguém, especialmente naquela idade, quer ser o menino que prendeu o passarinho no zíper da calça. Mas o tempo ajuda a superar os traumas, até desses tipos.

Sobre a insinuação acerca da cotovelada involuntária na hora do... Ops... por falta de espaço deixemos esse assunto para depois. E segue o bonde.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!
  1. Sei bem !! o sufoco dos desajeitados!! sou um deles..caro Clóvis Roberto. !!!acontecem situações inusidadas!!
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir
  2. Isso também aconteceu comigo. Cabeça fria, parei pra pensar, decidi que retroceder o zíper seria a única solução - apavorante - e ... zip!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aí!!!! Essa doeu só de pensar!!! 🤪😱

      Excluir

leia também