Aumentou meu deserto. É como terminei e-mail de quatro linhas a Evandro Nóbrega, que me dá a notícia da morte de Valderi Claudino, no...

O fim da ladeira

valderi claudino nostalgia casa do estudante paraiba cronica paraibana
Aumentou meu deserto. É como terminei e-mail de quatro linhas a Evandro Nóbrega, que me dá a notícia da morte de Valderi Claudino, no último dia 27. Participamos juntos, eu e Evandro, da edição da autobiografia desse médico vitorioso em sua vocação e em seus empreendimentos na área de saúde no interior de Minas, onde creio que se formou.

Fez seu nome ou sua obra noutro meio, entre mineiros da saga de Guimarães Rosa, e aposentando-se, recolheu-se à Paraíba. Morando em Tambauzinho, meu vizinho de bairro, continuou o mesmo Valderi que deixei na Casa do Estudante em 1953: recolhido em seu quarto, fora da algazarra que era a nossa vida.
GSView
Tudo que nos concedia era um riso contido de adulto ao cruzar com nossas rodas de conversa. Tinha vinte anos e um rosto de homem feito. Não sei de nós todos quem o conhecia mais de perto, quem sabia de suas notas escolares, de seu desempenho, de suas inclinações. Viesse de onde viesse, recolhia-se. Não comentava a prova, o filme e nem era visto nos footings a que não podiam faltar, na praça João Pessoa ou na Lagoa, os de sua idade.

Na Casa todos nos preocupávamos com o futuro de cada um dos sócios. Não apenas o de François, de Itaporanga, que atraído pelas ofertas do Paraná, apareceu senador. O cego Titola (apelido de Wilson Braga), na cadeira de governador, me telefona de madrugada para saber onde estava Miroveu, que era o menos saliente de nós todos.

Acredito que foram muito poucos, pouquíssimos, os que se tornaram esquecidos. Os que não deram notícia, como Manuel do Rádio. Por que o apelido? Pela tática de venda usada no comércio de rádios receptores, a do freguês levar o rádio por experiência. Levando e devolvendo seguidamente até esgotar o número de lojas, Manuel nunca passou sem rádio. Havia dessas como exceção.

Ac. familiar
De natureza reservada, mesmo chegando a militar na política, onde atuou como médico e empresário, Valderi Claudino pertence à geração que se fez no ânimo coletivo da Casa do Estudante de Dorgival, de Wilson, de Francisco Leite Chaves, de Evandro Neves, de Soares Madruga, de Oswaldo Duda Ferreira, de Newton Soares, de José Barbosa de Souza Lima, de Marcos Pedro, Evaldo Trajano, Helosman Martins, de nomes altos na política, no judiciário e nas profissões liberais.

Rapazes vindos do interior, longe dos cuidados paternos, unidos solidariamente como se em família fosse. Itaporanga entrava com a maioria, seguida do Piancó, de Cajazeiras, de Patos e do Cariri.

Um dia desses estranharam a frequência de Wilson Braga em minha crônica, visado, naturalmente, por razões de caráter político e do seu próprio comportamento, às vezes brincalhão, às vezes chistoso. Longe da família, sem recursos, o que nos sustentava era a união, indissolúvel na vida e na lembrança. Valderi Claudino e todos que se foram continuam descendo e subindo a mesma ladeira Feliciano Coelho, a mais íngreme e a que mais nos treinou para a vida inteira.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

leia também