Carlos Romero é um mestre da crônica que traz a melodia dos canaviais, a sonoridade dos riachos e a musicalidade dos pássaros de Alagoa N...

O cronista que supera o poeta


Carlos Romero é um mestre da crônica que traz a melodia dos canaviais, a sonoridade dos riachos e a musicalidade dos pássaros de Alagoa Nova, sua terra, cheia de encanto, que caminha com ele. Ele nasceu como metal modulado, aos poucos lapidado pelos pais. Escreve para ser lido ouvindo Chopin.

Tomando a paisagem como inspiração, no seu lugar se contempla a beleza entre morros, aos cuidados do vento e com água da chuva nos meses de maio a julho, revela-se quadro com noção de universo, ali aprendeu a distinguir a beleza que em emoldura a vida e nos insufla a amar o lugar.

Carlos Romero é personagem do meu círculo de admiração construído há 40 anos, quando eu dava os primeiros passados no Jornalismo, em afortunada aproximação, da qual recolhi as palavras que ajudaram a construir o edifício de minha vida, porque pronunciadas ao som da melodia que trouxe do seu mundo, os mesmos arredores de onde viemos, porque Alagoa Nova e Serraria nos dão a mesma sina.

Alguns tiveram o talento como destino maior, enquanto outros continuam com o bisaco vazio. Os que a fome não atrofiou os miolos, puderam conquistar espaços. Há alguns que encontraram alguém que abasteceu a esperança, mostrou que nem tudo está perdido para os que nascem nas grotas e carregam o jeito de andar como papagaio.

Ao longo dos anos recolho dele a visão do mundo composta de paz, silêncio, de modo apaziguador. Suas crônicas lidas e as palavras escutadas durante nossos encontros casuais, na redação, nas livrarias ou na Academia, deram base sólida para que eu soltasse a imaginação a vaguear por um mundo onde vive somente quem desenvolve e entende as manobras do espírito.

Nossos encontros repetidos na Academia, entre as prateleiras, nas livrarias e por meio de suas crônicas, deixaram-me lições inesquecíveis. Assim como foram as vezes que estive em sua casa para uma troca de prosa e de livros. Nestes momentos falamos de miúdas reminiscências dos nossos lugares, de literatura, de música clássica.

Sempre o escuto com alegria restaurada. Lhano, voz sem rompente, alinhado com as palavras, com serena feição, não se eleva em porte nem manja badalações ou retóricas. Pronuncia frases em sequência simétrica, sem cortes nem vacância.

Os leitores adentram-lhe a intimidade por meio de seus escritos, tão pessoais e adornados de sabedoria. Têm fervor literário que extravasa a leitura e o formato do texto. Faz deles o húmus para a mente e estímulo às ideias que habitam seu território íntimo.

Ele chegou a ser exagerado quando escreveu um prefácio para o livro de crônicas que publiquei em 2007, impulsionando-me a continuar rabiscando textos sobre Serraria e esta Capital, que me acolheu há 43 anos.

Peço-lhe a benção ante os verdejantes de nossa terra de canaviais, diante dos morros enfeitados por palmeiras, onde escutamos a zoada da água cristalina das cacimbas, o zunir do vento rodopiando entre os córregos, ouvindo o coaxar das rãs escondidas entre o milhã no regato. Por que nosso Brejo é mágico.

Amigo sem falhas, Carlos Romero é um escritor que nos tira a tristeza - relegai se não sou bom aluno! Ele é o cronista que supera o poeta.



José Nunes é cronista e membro do IHGP
E-mail
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também