O lugar comum costuma asseverar que a solidão é a melhor companhia. A mística religiosa, enraizada nas representações sociais, enaltece a c...

Delirium pandêmico

ambiente de leitura carlos romero josinaldo malaquias pandemia autoestima medo covid-19 coronavirus autopiedade confinamento

O lugar comum costuma asseverar que a solidão é a melhor companhia. A mística religiosa, enraizada nas representações sociais, enaltece a clausura como forma de se evitar o mal. O que se observa é que esse isolamento, na proporção que não faz o mal, igualmente não realiza o bem. Por acaso Deus quer eunucos?

ambiente de leitura carlos romero josinaldo malaquias pandemia autoestima medo covid-19 coronavirus autopiedade confinamento
Involuntariamente, o mundo confinou as pessoas diante do flagelo da Covid-19. Ao invés de auto revelação ou iluminação interior, o que se tem visto é uma espécie de delirium pandêmico indutor do desespero, do sentimento de culpa e, em muitos casos, da recontagem da validade da vida.

Com isso, evidencia-se a saturação da futilidade valorativa de falsas exterioridades, veiculadas nas redes sociais. A fórceps, a pandemia tem obrigado a um caliginoso encontro consigo mesmo, impactado pelo conflito interno provindo de sonhos, desejos, pulsões e a inaptidão em mudar alguma coisa.

É aí que se acentua a baixo autoestima, um dos maiores problemas de uma contemporaneidade marcada pela fluidez dos relacionamentos em todos os aspectos. A primeira consequência é a autopiedade, consequente da percepção de que a idealização de si, ou de outrem, não passa de uma fantasia mental.

Através da autopiedade instaura-se um sentimento de invalidez mental que, além de adoecer fisicamente, introjeta uma sensação de inferioridade e de perda do sentido da vida, intensificado pela tendência decorrente da solidão em se relembrar apenas dos fatos dolorosos de uma vida que deveria ter sido, mas não é, segundo pueris idealizações. É que nesse estado a pessoa não consegue vislumbrar que o passado – por mais traumático que tenha sido – só existe enquanto categoria mental. Não é real!

ambiente de leitura carlos romero josinaldo malaquias pandemia autoestima medo covid-19 coronavirus autopiedade confinamento

Em segundo lugar, decorrente da autopiedade, vem o sentimento de culpa, sentimento este reforçado por crenças religiosas limitantes que buscam na culpa a forma suprema para a introjeção do medo e da manipulação. Daí a preocupação com as classificadas vítimas do mundo, as quais devemos “salvá-las”, quando quem precisa de “salvação” é a nossa própria incolumidade psíquica.

E a “caridade” presunçosa que faz pelos outros o que eles sabem e podem fazer? E a caridade esmola, a mais fácil, sobretudo quando se chamam os meios de comunicação? O que é a verdadeira caridade quando a existência da verdade está reduzida à percepção que a pessoa tem desta?

ambiente de leitura carlos romero josinaldo malaquias pandemia autoestima medo covid-19 coronavirus autopiedade confinamento
Nunca se necessitou tanto da máxima de Protágoras, talvez a maior expressão dos Sofistas, de que “o homem é a medida de todas as coisas”. Aristóteles também assevera que o homem é o que pensa. Desta maneira também pensava Marx, pensador que merece ser relido pela eterna “esquerda festiva”, no dizer do genial Nelson Rodrigues.

Temos o retrato de uma situação terrificante que não pode ser mais olhada e analisada através da moldura. A Covid-19 é o acicate, não para a desesperança efêmera consequente da fragilidade emocional, mas para novos olhares sobre a condição humana enquanto vontade de potência, na concepção de Nietzsche, de que o ser humano nasceu para carregar o estandarte nas batalhas, pois da maneira que não existe felicidade eterna, inexiste desgraça que dure a vida inteira.


Josinaldo Malaquias é pós-doutor em direito, doutor em sociologia e jornalista
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Muito obrigado, doce Mestra Alaurinda, pelas sempre bondosas intervenções.

    ResponderExcluir

leia também