Gratidão Vim de um agreste triste. Seco de palavras, Árido de afetos, Encarquilhado de carinhos.

Gratidão

ambiente de leitura carlos romero irenaldo quintans poema gratidao joao pessoa raizes familia sucesso pessoal


Gratidão


Vim de um agreste triste.
Seco de palavras,
Árido de afetos,
Encarquilhado de carinhos.

Arrastado pelo pai,
Tangido pelo destino,
A doloridas braçadas aqui aportei,
Exausto.

Vida exuberante,
Mar quente e amistoso,
Acumpliciado com a brisa.
Enterrei as raízes...

Fiz-me homem.
E, homem feito, vi filhos paridos,
Perfeitos, do ventre de uma linda Eva,
Resoluta e generosa.

E vi alguns meus seguirem a viagem,
Comprida e necessária,
Rumo ao éter.

E vi coisas...

E já tantas foram,
Que, agora, nada me resta a dizer,
Senão o bordão dos errantes:
Obrigado, muito obrigado João Pessoa!

Pela água de coco em dia quente,
Bebida com sofreguidão,
Entre o farfalhar dos coqueiros.

Pelos caminhos alumiados
Por um astro brilhante,
Todos os dias.

Pela lua grande,
Sensual,
Pedindo um beijo morno.

Pela ponta concupiscente
Que invade o oceano,
Sem se escusar de nada.

Pelo cinza alagoado,
Marcando uma roda,
No centro de tudo.

Pelo velho rio,
Serpenteando entre as canas,
Até o crepúsculo...

Pela casa,
Pela labuta,
Pela dor,
Pelo prazer,
Pelos ternos, doces, suaves,
Pelos melhores dias da minha vida.


Irenaldo Quintans é economista e escritor
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também