Há semanas ele achou um cantinho pra morar sem poder chamar de seu. Mesmo assim lá se aninhou decidindo adotá-lo.

Uma sobra de gente

ambiente de leitura carlos romero germano romero morador de rua abandono solidao pobreza indiferenca da humanidade

Há semanas ele achou
um cantinho pra morar
sem poder chamar de seu.
Mesmo assim lá se aninhou
decidindo adotá-lo.

Um tanto descuidado,
consigo e com o lugar,
age como se quisesse
mostrar que não se importa,
vez que a vida não cuidou
nem um pouco dele próprio.
É um canto de terraço
de uma casa de verão.

Com os dias veio o lixo,
que aumenta em seu redor.
Deitado, abandonado,
pensativo ele olha
o tempo com lembranças
que lhe devem ser cruéis.

Às vezes sai andando,
lentamente, cabisbaixo,
com destino ignorado.
Pouco mais, lá se avista,
de volta ao chão duro.

À noite, não há luz,
nem TV, nem celular.
Só o silêncio o acompanha
mesmo em noite de luar.
Quando a lua se esconde,
solidão e vaga-lumes
se exibem de mãos dadas.

Não fosse a tristeza
que destaca a silhueta
do cenário absurdo,
haveria alegria
em olhar aquelas luzes
voejando à sua frente.
Ainda mais quando se sabe
que são raras hoje em dia,
embora no contexto
não exista emoção,
magia nem poesia.

Que destino ou circunstâncias
o levaram a se esquivar
da vida de outrora,
se é que já viveu?

Quem seria a família
ou alguém de seu convívio?

Há tantos que ignoram,
ou sequer viram um sorriso
do pai, e até da mãe…

Dia e noite se revezam,
e a cena é a mesma.
No chão o tempo todo,
o olhar também se deita.

Se vê longe, não se sabe.
Mas de longe se imagina
a tristeza bem possível
que há em seu semblante.


Certo dia um dos vizinhos
do terraço que o acolheu
por lá apareceu.

Estranhou sua presença
e a cena inusitada.
Abordou-o autoritário
ordenando que se fosse
dali de imediato.

Nem deu tempo de ajuntar
o que não lhe pertencia,
pois o verbo possuir
há muito se ausentou
da penosa existência.
Nem à vida é possível
referir como um pertence.

E em direção ao mar,
sumiu por entre a relva
a se perder de vista,
durante alguns dias.

Ninguém podia supor
que ousasse retornar.
A presença indesejável
ficou claramente expressa
na maneira sob a qual
foi expulso sem conversa.
Nem por lá algo ficou
que pudesse interessá-lo.

Mas o chão do terracinho
não saía da lembrança.
Ainda que arriscada
a ideia de voltar,
e ali se recolher
novamente à solidão,
resolveu averiguar.

Na manhã que se seguiu,
foi visto lá prostrado.
Não se sabe em que pensava,
mas é certo que pensava.

Quando o olhar no chão se foca
é porque a imaginação
sem qualquer perspectiva
não consegue se ausentar.

E o que aquele corpo,
desnutrido e sem morada,
ganharia se a mente pudesse levitar?...

Embora o mar tão perto
parecia oferecer
algum tipo de esperança,
entoando seu marulho,
ele apenas desejava
calá-lo para sempre.

Assim continuou
vivendo sem morar.

Decerto doem-lhe os ossos
na dureza do ladrilho.
Decerto fecha os olhos
pra não ver os vaga-lumes.

Assim como este mundo,
insensível e indiferente,
permanece surdo e cego
a tudo que revela
o que fez pela injustiça.


Germano Romero é arquiteto e bacharel em música
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também