Com os cuidados que, aos poucos, se vão incorporando à vida normal, desci no elevador e fui tomar sol, cedinho, na quadra vizinha que o nos...

Machado e Pedro Américo

ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana gonzaga rodrigues machado de assis pintor pedro americo araripe junior mario de alencar

Com os cuidados que, aos poucos, se vão incorporando à vida normal, desci no elevador e fui tomar sol, cedinho, na quadra vizinha que o nosso condomínio incorporou desde um bom tempo. A falta de sol e de um pouco de liberdade para sair olhando as árvores vem me roubando da melhor distração, que é não parar nem pensar o tempo. Na minha idade, o tempo, quanto mais afastado melhor.

ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana gonzaga rodrigues machado de assis pintor pedro americo araripe junior mario de alencar
Machado de Assis (1839—1908)
Rodeei a quadra que, nessa hora foi toda minha. Indo pelas beiras, da direita para a esquerda, e para não ficar tonto, invertendo o giro, da esquerda para a direita. Mas a cabeça sem sair das quatro linhas da crônica de 1892/93 de Machado de Assis, vistas à noite e a esmo, trazendo-me, de surpresa, o nosso Pedro Américo, imprevisível no mundo de relações, quase todas subterrâneas, do escritor.

A crônica vem do tempo em que o pintor famoso representava a Paraíba nos primeiros anos do parlamento republicano. E por incrível que a mim pareça, pela primeira vez em minhas passagens por Machado, descubro o mestre da galhofa e das tintas da melancolia tratando alguém fora do ciclo mais intimo (reduzido a Bocaiuva, Nabuco, Araripe Júnior, Mário de Alencar) de “meu amigo Pedro Américo”. Um achado, sem dúvida.

Fora o Rio, ou melhor, fora os que sentavam à mesa diretora da Academia e uns poucos, pouquíssimos, da Garnier e do Cosme Velho, foram raros os que mereceram do verdadeiro Dom Casmurro o tratamento aberto, assim escrito de “meu amigo”.

Refere-se a Pedro Américo, não uma só vez, mas duas ou três, uma crônica após outra, discordando de início de proposta apresentada pelo nosso deputado “querendo à fina força acabar com as loterias”. Mais adiante volta a outro assunto, de forma irônica, discordante, para terminar: “Ah! meu caro amigo...Francamente, eu prefiro as belezas da Batalha de Avaí.”

ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana gonzaga rodrigues machado de assis pintor pedro americo araripe junior mario de alencar
Pedro Américo (1843—1905)
Lendários, distantes de origem, isolados em seus tronos, causam-nos real surpresa, e fora de hora, assim juntos, Areia e Catumbi.

Em escrito a Mário de Alencar, na Correspondência, vemos menos proximidade. Machado é secretário do Ministério da Viação, circula pelos espaços de Epitácio no Ministério da Justiça. Mantém-se distantes, tanto pelo intimismo do escritor maior – tão maior quanto mais dentro de si – quanto pelo personalismo do paraibano recém-chegado ao governo, já descrito como “homem grave, cerimonioso, muito cuidadoso de si e muito cioso de suas atitudes públicas” (José Maria Bello – História da República).

A Paraíba não é pequena. Não é mostrada, não aprendeu isso de Pernambuco, e só a partir de Pedro Américo, ainda no Império, e depois de “A Bagaceira”, de 1930, de Zé Lins e de Chateaubriand é que começou a dar as caras fora de casa, sem pabulagem.

Agora, sento um pouco, o banco ao lado ainda está frio, enquanto a fila de pequenas formigas carrega unida, disciplinada, a provisão comum. O índio deve ter aprendido com elas. Colhem juntos, e sem saber aritmética, dividem juntos a faina e o proveito. Tão bom que os homens houvessem aprendido.


Gonzaga Rodrigues é escritor e membro da APL
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Que importante é ler esses detalhes tão significantes do grande Machado de Assis! Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Ângela Bezerra de Castro24/9/20 13:55

    Gonzaga lê por todos nós e nos ensina sempre, através de relíquias que tem o dom de descobrir.

    ResponderExcluir

leia também