Um arrebatamento literário após uma peregrinação de sofrimentos ao desvendar o homem e da terra dos sertões brasileiros. Euclides da Cunha ...

Os sertões presentes de ontem e hoje

ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana clovis roberto euclides da cunha sertao nordeste seca os sertoes

Um arrebatamento literário após uma peregrinação de sofrimentos ao desvendar o homem e da terra dos sertões brasileiros. Euclides da Cunha mergulhou no interior nordestino com uma visão e retornou com um novo olhar. Consegue, em que pese a proximidade histórica com os fatos narrados, criar com estilo literário, mas também como precisão documental, uma obra-prima sobre um capítulo sangrento da história brasileira.


ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana clovis roberto euclides da cunha sertao nordeste seca os sertoes
Munido de vasto conhecimento armazenado ao longo da vida, cobriu, como jornalista, a Guerra de Canudos para o Jornal O Estado de São Paulo em 1897. "Os Sertões" é publicado em 1902, apenas cinco anos depois daquela luta. Foram só cerca de dois meses vivenciando o desconhecido mundo da vida e da morte nos rincões baianos. Quem lê a obra fruto dessa permanência tem a sensação que o autor viveu muitos anos naquela região, tamanho o elevado grau descritivo e de percepção de tudo que lá ocorreu.

Euclides da Cunha teve a capacidade de mergulhar na seca, na vegetação da caatinga, de enxergar o que se lhe apresentava aos olhos, porém, também conseguiu ir além, penetrar na alma dos contendores, dissecar os fenômenos diversos da sociedade daquele Brasil de muitos brasis.

A leitura foi mais lenta no início devido às muitas descrições minuciosas da primeira parte de Os Sertões, em que o autor coloca o leitor/viajante do tempo e da cultura no ambiente sertanejo. Euclides da Cunha utiliza-se de armas científicas elevadas e conhecimentos adquiridos como engenheiro militar. A flora, a fauna, o relevo, o clima, a seca, os sertões nordestinos são descritos como um acurado senso de justeza.

"À luz crua dos dias sertanejos aqueles cerros aspérrimos rebrilham, estonteadoramente - ofuscantes, num irradiar ardentíssimo..." revela Euclides da Cunha. E segue preciso:

"Desce a noite, sem crepúsculo, de chofre - um salto da treva por cima de uma franja vermelha do poente - e todo este calor se perde no espaço numa irradiação intensíssima, caindo a temperatura de súbito, numa queda única, assombrosa...".


ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana clovis roberto euclides da cunha sertao nordeste seca os sertoes
"Os Sertões" segue para o que, para mim, é seu ponto mais elevado. O encontro de Euclides da Cunha com o homem e a terra sertanejos. Em que pese o autor deixar-se enveredar pelo racismo, apresentando o mestiço brasileiro como um ser inferior (fica aqui a visão positiva de redescobrir que o homem é falho, o autor erra, é humano, principalmente ao falar do próprio homem), ele percebe todas as virtudes do ser que brota naquele aparente desprovido de riquezas e belezas, mas tão cheio de valores que se revela para os que observam com atenção e vontade de entendimento.

Para além da emblemática frase "O sertanejo é, antes de tudo, um forte", Os Sertões alerta: "A sua aparência, entretanto, ao primeiro lance de vista, revela o contrário". E mais adiante é arrebatador na descrição: "O homem transfigura-se. Empertiga-se, estadeando novos relevos, novas linhas na estatura e no gesto; e a cabeça firma-se-lhe, alta, sobre os ombros possantes, aclarada pelo olhar desassombrado e forte; e corrigem-se-lhe, prestes, dos órgãos; e da figura vulgar do tabaréu canhestro, reponta, inesperadamente, o aspecto dominador de um titã acabreado e potente, num desdobramento surpreendente de força e agilidade extraordinárias".

Por estes sertões de Euclides da Cunha surgem o jagunço, o cangaceiro, o retirante, o vaqueiro... E em meio deles o Antônio Conselheiro, nem santo nem herói, um dos muitos conselheiros deste Nordeste dos sertões, místico, cru, valente e rude, crente, temente a Deus e aos mistérios dos céus e das terras. Capaz das mais vis violências, disposto aos gestos mais devotados de respeitos e bondades. Surge o bruto e o manso, a fera e o santo, o homem e o menino, tudo misturado.

Euclides da Cunha abraça o mundo. O livro é o colocar em palavras os sentimentos, o contato com o novo mundo, vivenciado naqueles dois meses de "sangue, suor e lágrimas" pelas caatingas baianas, para citar Winston Churchill.


ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana clovis roberto euclides da cunha sertao nordeste seca os sertoes
E depois as batalhas. Aparenta que Euclides esteve presente em todas elas, tamanha a riqueza de sua reconstrução. Os choques, as bravuras, as figuras, os reveses, os engodos, os sangues, os corpos... em meio à macambira, à coroa de frade, ao mandacaru, ao leito seco do rio, às escarpas, às pedras. A fúria é descrita com a paixão do literato, mas com o rigor do olhar jornalístico e com o zelo do historiador.

Magnífico é encontrar pelas palavras euclidianas o homem que aprendeu a viver naquela terra, compreender os contrastes dos brasis e aquele que apenas escolheu a região para tornar-se efêmero, enterrado ao olhar encurtado, mas disposto a luta bravamente pela sua sobrevivência, pelo que acredita. E esses homens estavam nos dois lados das trincheiras, atrás e embaixo das pedras, arremessando-se entre a vegetação espinhenta dos sertões e até ao encontrar o destino numa cova rasa ou permanecer largado no meio da caatinga para secar embaixo de um juazeiro observando a secura do sol e do solo.

E ao final misto de tristeza e alegria ao reencontrar a atualidade há mais de um séculos. Os sertões presentes de ontem e hoje. Grato por desbravar Os Sertões de Euclides da Cunha. Gostaria de tê-lo encontrado há mais tempo nas minhas leituras, banhado-me dessa riqueza literária e histórica ainda nos tempos colegiais. Mas o tempo é sábio, ou apenas um enganador mais esperto que nós humanos, o que não deixa de ser sabedoria.


Clóvis Roberto é jornalista e cronista
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também