Nunca mais foram vistos os meninos com os carrinhos de rolimã. Subiam a ladeira da Borborema, aos risos, carregando os artefatos sob os bra...

Rolimãs na ladeira

ambiente de leitura carlos romero jose leite guerra carrinho de rolima nostalgia cotidiano cronica literatura paraibana ladeira da borborema centro historico joao pessoa

Nunca mais foram vistos os meninos com os carrinhos de rolimã. Subiam a ladeira da Borborema, aos risos, carregando os artefatos sob os braços. As geringonças primitivas: um lastro para sentar, dois eixos para sustentar as rodinhas.

No da frente apoiavam os pés a comandar a descida pela calçada escarafunchada, de cimento falho. A saída em declive era ao lado do antigo Colégio de N. S. das Neves. Desembestavam de lá os carrinhos e os patinetes que rolavam pelo impulso das rodinhas azeitadas.

ambiente de leitura carlos romero jose leite guerra carrinho de rolima nostalgia cotidiano cronica literatura paraibana ladeira da borborema centro historico joao pessoa
Corrida desengonçada, uns rolando, outros saindo ao calçamento de paralelepípedos mal postos e antigos.

Terminavam ao lado da mercearia de seu Francisco, já na esquina da ladeira com a Rua da Areia. Saltavam suados, arfantes, suspirando o embalo ansioso, desmesuradamente arriscado, alguns olhavam o caminho percorrido, consideravam-se heróis pela coragem em se lançarem a uma aventura apaixonante, porém dotada de extrema possibilidade em causar acidentes os mais perigosos.

Postavam-se transeuntes que subiam a Borborema em direção à Catedral, freiras ficavam tocando as contas dos terços, os experientes amadurecidos a alertar sobre todas as mazelas que poderiam acontecer. Mas os meninos nem se ligavam.

O bom era aproveitar a tarde enxuta para mostrarem destrezas em pilotarem os carrinhos, imaginando estarem desafiando a tudo e a todos, inclusive se valendo da lei da gravidade para impulsionarem as engenhosas máquinas. A calçada escorregadia, lustrosa de passadas ajudava no movimento descendente.

Hoje, se ausentaram e se encantaram noutras paragens, cada qual seguindo seu trajeto. Ficou a saudade da algazarra da disputa pelo primeiro lugar do campeonato. A perseguição da faixa e do troféu, este era um vaso grande, vistoso, pintado cor de ouro, tendo dizeres enaltecedores ao vencedor da vitória. A ladeira esfriou sem eles. Ficou mais deserta. E faltam os gritos e risos na paisagem. Os patinetes e carrinhos recolhidos.

Onde estariam os meninos da Ladeira da Borborema?...


José Leite Guerra é bacharel em direito, poeta e cronista
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também