O dourado majestático que ornava a madrugada prometia um chuvisco. Sacolejando no cubículo lá da rabeira, embalado pelo ronco contínu...

Os migrantes

ambiente de leitura carlos romero cronica irenaldo quintans migração retirantes exodo rural estrada despedida saudade futuro desconhecido

O dourado majestático que ornava a madrugada prometia um chuvisco. Sacolejando no cubículo lá da rabeira, embalado pelo ronco contínuo do motor, o menino acompanhava pelo vidro traseiro as duas esteiras simétricas, entrecortadas pela fumaça do escapamento, que os pneus da velha Rural abriam na estrada. E fundia a cabeça imaginando que espantosa força motriz era capaz de impulsionar, a tamanha velocidade, aquela fubica torta sem desmontá-la, desafiando todas as leis da Física.

Vez por outra, o cachorro Tostão, um pastor belga de pelagem amarelada, robusto como um bezerro, despejava salivosa e fraterna lambida no focinho do garoto, identificando-o, obviamente, como membro da matilha. Algum cuja fragilidade demandasse sua força, sua proteção, o tino selvagem que ainda supunha ter.
ambiente de leitura carlos romero cronica irenaldo quintans migração retirantes exodo rural estrada despedida saudade futuro desconhecido
O animal acreditava-se o alfa daquela tropa eclética. Por entre as pernas arroxeadas de raladuras, acomodava um pomposo peru, cujo pescoço grugulejante não valia uma arruela furada. E ele se perguntava o porquê de tanta alegria, se a dita ́da ave barulhenta ao fim da jornada era, sem sombra de dúvida, a panela.

Sobre a sua cabeça, de onde pendia desalinhada cabeleira negra, farta como uma touceira de milho, equilibrava-se, miraculosamente inclinada, uma bicicleta atada por arames na haste superior da carroceria do insólito automóvel. Dividiam ainda o exíguo quadrado duas cadeiras de espaldar, emborcadas, uma tulha de redes de dormir, três maletas e uma bacia com um fardo de carne seca. Um alguidar, sambando sobre duas bacias de estanho superpostas, completava o mafuá. Outras tralhas, rangendo, iam amarradas e aprumadas em pranchas de madeira sobre a capota furta-cor.

No banco de trás, o irmão do meio, adolescente, saracoteando com o pomo-de-adão descido recentemente, puxava o cabelo da encostada, mocinha linda, enferrujada de tão loura, com uma cintura fina de abelha. A mãe, a plácida Nicácia e a nervosa Bendita, gentilíssimas acompanhantes de toda a vida familiar, debatiam-se, indecisas entre um “valha-nos São Cristóvão”, padroeiro dos motoristas, ou um “acuda-nos Santo Expedito”, o patrono das causas difíceis.

O mano mais velho, motorista jactancioso, camisa aberta, trancelim à mostra, pois para ele tudo era festa, debruçava-se desafiadoramente sobre a portinhola de lona do calhambeque, ao tempo em que brigava com o volante, cuja folga insistia em girá-lo ao contrário a cada ribombada das bocas-de-pilão da estrada de rodagem revestida com um traiçoeiro barro vermelho misturado a minúsculas pedrinhas.

ambiente de leitura carlos romero cronica irenaldo quintans migração retirantes exodo rural estrada despedida saudade futuro desconhecido

No lugar do passageiro, o pai, ensimesmado, fixava o além, mão ora no queixo, ora na testa, tórax avançado em relação ao corpo, como grumete que, do cesto da gávea, perscrutasse a linha do horizonte. Imagina-se que ali aquilatava, de si para consigo, se tomara a decisão acertada: largar o conforto pouco, mas seguro, da terrinha seca, de muito afeto, contudo veias vazias, e partir em busca de novas oportunidades para a prole. Sopesava, decerto, as responsabilidades que se imporiam, manutenção, educação e tudo o mais, diante das incógnitas da metrópole, essa esfinge indecifrável. Mas o intento pedia uma ação afirmativa, embora arriscada. E ele não hesitara. Ao contrário, firmara a decisão. Decifra-me ou te devoro!

A emoção, aqui, diz “non plus ultra”, amigo leitor. Como Píndaro, o menino atingiu suas Colunas de Hércules. Afinal, este é apenas um mero fragmento, um recorte acinzentado pelo tempo, do dia em que chegaram. Supõe mesmo - o menino - ser um dia muito parecido com o que está impresso, indelével, na memória de incontáveis irmãos migrantes, incondicionalmente adotados, abraçados e maternados nos seus inexoráveis destinos.


Irenaldo Quintans é economista e escritor
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Salve... boa sanha desses migrantes..como descreve Irenaldo Quintanas!!!
    Parabéns
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir
  2. Grato pelo gentil comentário, caro Paulo!

    ResponderExcluir
  3. Fernando Leal21/10/20 21:40

    Bela viagem no tempo, amigo, que me faz lembrar outras viagens, estas, mais sofridas, como a de Fabiano, sinhá Vitória, o menino mais velho, o menino mais moço e sua fiel baleia. Felizmente aqui a busca era oportunidades para a prole, diferente das vidas secas que queriam sobreviver. Aqui os meninos chegaram ao apogeu: felizmente. Belo texto, amigo. Parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Feliz pela menção a Graciliano, caro amigo! Obrigado!

    ResponderExcluir
  5. A velha rural abarrotada é uma fotografia do mais expressivo veículo das antigas migrações nordestinas.
    Lendo, sentí os sacolejos dos catabios, tão bem descritivo é o texto. Parabens, Quintans! Maravilha de conto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela leitura e pelo gentil comentário, caro amigo!

      Excluir

leia também